Vinte Linhas 301

«O Tigre Vadio» de Mário Beja Santos

Aqui está um livro (Círculo de Leitores – Temas e Debates) em que o subtítulo poderia perfeitamente substituir o título – «Diário da Guiné 1969-1970». O tigre vadio pode ser o nome de uma operação militar mas também uma projecção do autor do livro – este diário anota não só as patrulhas e as emboscadas mas também as músicas que ouvia e os livros que lia. Copland, Dvorak, Saint-Saens, Mendelssohn, Chopin, Bizet, Puccini, Verdi, Mahler, Bach, Brahms, Beethoven ou Wagner ao lado de Agatha Christie, Moravia, Redol, Aquilino, D.H. Lawrence, Dinis Machado, Zola, Hemingway, Fernando Pessoa, Mauriac ou Kafka. No meio de uma guerra sem saída e de uma natureza hostil, só a cultura poderia dar respostas às ansiedades do jovem alferes. Num mundo em desagregação só a música e a literatura explicavam em parte esse mesmo mundo. Notável a conversa que o autor teve com o deputado Pinto Leite pouco tempo antes de ele morrer num desastre de helicóptero no meio de um tornado: «A Guiné actual já não tem solução militar. Por favor, guarde para si, o próprio governador gostaria de chegar a um acordo com o Amílcar Cabral. Em Lisboa espero dizer frontalmente tudo ao presidente do Conselho. Tem que se chegar à paz». Tantos anos passados, quase quarenta anos depois, ainda há tanta coisa por dizer sobre a guerra da Guiné. Um aspecto curioso: tudo isto começou num blogue «Luís Graça e camaradas da Guiné» e se não fosse o empurrão do blogue o livro nunca teria existido – pelo menos nesta forma que acabou por tomar. São 440 páginas de memórias vivas que podem ser lidas como um romance – «Era uma vez um menino alferes que vivia há uma ano no mato profundo do leste da Guiné…»

One thought on “Vinte Linhas 301”

  1. Jon Stewart – Os terroristas são um grupo de sacanas, que trabalham em conjunto com idiotas

    Jon Stewart, do Daily Show, fala-nos dos atentados de Mumbai, na Índia, e mostra-se perplexo com a absurda estratégia dos terroristas, que parecem ser um grupo de sacanas, que trabalham em conjunto com idiotas de primeira. Em suma, uma lição bem-humorada a todos os ingénuos que engolem de forma acéfala a tese do «terrorismo islâmico».

    Jon Stewart – A grande notícia da semana passada foi o que aconteceu em Mumbai, na Índia. Morreram perto de 200 pessoas num ataque terrorista concertado que parece ter sido perpetrado por um grupo radical islâmico. Para mais informações, Oliver junta-se a nós, de Washington. Oliver, obrigado pela tua presença. Oliver este foi um acontecimento terrível e uma terrível tragédia. Já se tem alguma ideia sobre quem fez isto?

    Oliver – Neste momento, Jon, há poucos pormenores. Embora ainda não saibamos o nome concreto, há uma coisa bastante clara: é que parece ser um grupo de uns sacanas incríveis, que trabalham em conjunto com idiotas de primeira.

    Jon Stewart – É interessante que digas isso, Oliver, porque foi isso mesmo que gritei para a minha televisão quando vi a notícia pela primeira vez..

    Oliver – Pronto, aí tens. O teu primeiro instinto estava certo.

    Jon Stewart – Estes grupos, Oliver, a Al-Qaeda, os sacanas e os idiotas… O que pretendem?

    Oliver – Transformar o mundo inteiro num califado islâmico.

    Jon Stewart – Estou a ver. Estou a ver. E a forma de fazerem isso, Oliver, é…

    Oliver – É matarem aleatoriamente o máximo de inocentes possível, sem qualquer remorso, compaixão ou consideração pela vida humana.

    Jon Stewart – De que forma é que isso os ajuda a alcançar o seu objectivo?

    Oliver – Ora aí está, Jon! Exactamente! Salientaste o defeito quase imperceptível da lógica destes malandros poderosos. “Odiamos e matamos tudo aquilo que vocês defendem. Juntem-se a nós!

    Jon Stewart – Oliver, isso parece muito estúpido.

    Oliver – E é. É estúpido, Jon. Aliás, a estupidez está entre as menos negativas das suas muitas falhas de carácter. Aparentemente acham que não há nenhum problema que não possa ser resolvido senão infligindo um enorme sofrimento sobre civis inocentes.

    Jon Stewart – Qual a sua resposta ao que pensam ser o imperialismo dos EUA?

    Oliver – Seria destruir um hotel.

    Jon Stewart – E à pobreza?

    Oliver – Acham que a melhor solução é fazer explodir um estádio de futebol. Mas eles têm um plano para erradicar a epidemia de difteria a nível mundial.

    Jon Stewart – E qual seria?

    Oliver – Atirar um autocarro contra um circo. Não estou a dizer que faz sentido, Jon. Mas quando se tem uma ideologia corrompida e se persegue uma estratégia corrompida, a única solução é fazer uma jogada parva.

    Jon Stewart – Obrigado, Oliver. Uma última pergunta. Quando é que estes sacanas desaparecem?

    Oliver – Provavelmente não vão desaparecer, Jon. Sempre houve sacanas. Sempre haverá sacanas. O que não podemos é deixar que controlem a put* da nossa vida.

    VÍDEO legendado em português – 3:10m

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.