Um livro por semana 193

«Andanças de pedra e cal» de Álamo Oliveira

Neste seu 17º título de poesia Álamo Oliveira (n. 1945) começa por citar «Viagens ao pé da porta» de Vitorino Nemésio mas as viagens do primeiro capítulo são as do Mundo. O poeta parte com a sua ferramenta invisível («na oficina da poesia o silêncio dói») e passa pelo Corvo («quando chove há um búzio de abrigo para cada um»), por S. Jorge («vista de cima é a exclamação do silêncio»). Vai a Genéve («outubro está no tempo preciso da suíça») e a Struthof («ali não é o frio que adoece nem a fome que dói») antes de passar a Tulare («nenhum índio usa já a palavra de fumo»), Berkeley («nada é mais universal que a universidade do amor») e S. Francisco («a Califórnia é um deserto muito cheio de gente». Por fim o Brasil: Rio de Janeiro («não consigo rir do cheirinho favelado da pobreza») e S. Paulo («vou chamar-te amazónia de betão sem qualquer pudor lírico»).

A segunda parte é uma viagem dentro da Ilha Terceira. Passa pelo teatro angrense («casa dos espíritos: o actor treme / pelas palavras que não tem / e pelo rosto que não é seu») e pela oração na rua («a casa do divino está pintada de fresco / como primavera coroada de encanto») mas desagua em duas referências culturais maiores: António Dacosta («só para destoar dacosta abria / as gavetas da memória / e retirava verdes e mais verdes / para pintar o rosto de cidade») e Vitorino Nemésio: «mas isto era antes das tias / na varanda da casa / com as suas mantilhas e terços de lágrimas / ouvirem anjos deslumbrantes a tocar trindades / nas torres da matriz».

(Editora: BLU, Capa: Rui Melo, Design: Vítor Melo, Foto: Eduardo B. Pinto, Apoio: Governo dos Açores, Junta de Freguesia do Raminho)

One thought on “Um livro por semana 193”

  1. Ó JFK um destes dias habemos de falare do que escrebe, mas só depois de deixare de me chamar nomes, que eu num sou nojo nem «criatura» não, ou ainda num se aperceveu?

    Continuo à espera que ma explique o que é um juíz social.

    Essa da California ser um deserto muita cheio de gente é engraçuda. Eu diria que a kalifornia é um mar de lindos vales, que do céu lembram escuros animais dos tempos dinossáuricos, entremeados de campos e montanhas douradas, com animais à solta e umas casas respirando a felicidade do interior de quem lá vive. Com muitos riachos e luzes nocturnas que nos apaixonam só de olhar pela noite adentro através delas. Com um cheiro especial, bonito, e gente especial, alguma muito humilde, e desejosa de conhecer o mundo, admirados por lhes dizerem que são o centro do Mundo. Não é curioso? Hum…bolto à sarbeja, e ao tavaco. Boue a enfiar o barrete, para proteger os neurónios da cuntaminação da burrice exteriore.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.