15 thoughts on “Soap opera”

  1. E eu a pensar que so’ o Joao Pedro e’ que escreveria uma frase dessas! Qualquer dia esta’ o FV a debitar vernaculo (ja vai no slang) e temos o caldo entornado. Ja nao se fazem blogs como antigamente!
    (fartei-me de rir :DD)

  2. A Catarina tem razão. Quando li “cabrão” + um clip do YouTube, pensei mesmo que fosse do João Pedro. O Valupi é primo. Trata-se de influência genética. LOL.

  3. Uma ordinarice na boca do Valupi ou do João Pedro sabe a mel. Uma ordinarice na boca de uma peixeira num autocarro fedorento vindo da Foz sabe a peixe.

  4. Valupi, não adianta tentar ensinar coisas ao mulherio, pois elas permanecerão enganadas. Afinal, o que sabem elas sobre a maneira de ser ou pensar de um gajo? Ou sobre as propriedades e virtudes de utilização daquelas palavras a que alguém deu o nome de palavrões (grandes palavras)?
    Claudia (sem acento e com pouca lucidez), o seu fanatismo pelos Primos do Aspirina é comovente. Só ainda não percebi qual dos dois prefere e olhe que eles me parecem, pelo que leio, vejo e até ouço aqui no blogue, tão diferentes como o peixe e o mel…

  5. Claudia, até pode ser que tenham, embora não entenda como a inteligência pode envergonhar – ela pode deslumbrar, ensinar, desafiar, completar, entre muitos outros verbos enunciados por ordem não alfabética. Agora, certo e seguro é você não ter essa capacidade. Permita-me acrescentar que esperava mais e melhor de si, a ponto de me sentir envergonhado, isso sim, com a sua resposta, mas pela Claudia. Afinal, leio os seus comments aqui e o seus posts no seu pequeno universo narcisista povoado de galicismos e de textos em francês com algum interesse e sinto-me defraudado com o fraco calibre da resposta – um ataque sem fundamento no lugar de uma defesa por fundamentar. E apesar de me achar burro ao pé dessas inteligências divinas, prometo continuar a ler e a tentar entender o seu registo de blogger. Et ça suffit, non?

  6. Curiosa Mente da mente curiosa, e quem te parece ser o peixe, e quem o mel? Pergunto por manifesto interesse dietético.

    Quanto às tuas questões, digo-te algo que já saberás, ou que a vida será misericordiosa em to ensinar rapidamente: enquanto a mulher não descobrir o poder do palavrão, nada saberá do ordinário que calhar (ou estiver destinada para) gostar. Isto porque só dá importância aos palavrões quem se sente mal ao seu lado.

  7. Valupi, pelo teu discurso pomposo, arrisco seres um peixe Imperador. Assim e por exclusão de partes, sobra o mel para o caloroso e por vezes doce João Pedro Costa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.