Estado da arte e a moral da semana

Este final da semana está muito agitado:
1. Jantei com um perigoso agitador internacional (estranhamente foi no “Polícia”).
2. Participei numa reunião quase clandestina na FCSH: estava um salão a abarrotar para discutir com Toni Negri, mas o evento não passou o teste do critério da realidade (a imprensa ignorou olimpicamente o acontecido).
3. Comecei a mudar de casa.
4. Estou sem computador e naturalmente sem internet. Foi com muita dificuldade que consegui escrever este mini texto, num lugar de péssima reputação – muito esforço para tentar intervalar o tsunami Rainha.
5.Fui a uma festa das “Marias”, suportei estoicamente uma sessão do “Teatro do Oprimido”. Fugi e fui abalroado por um carro em contra-mão.
Estou cansado. STOP! Este- fins-de-semana-matam-me. STOP. Preciso de descansar, vou trabalhar.

Das festas, da política e da agitação só retirei a ideia que só há coincidências. Reparei num meio de um colóquio universitário que passavam 30 anos do golpe direitista do 25 de Novembro de 1975 e também 30 anos do “Vigiar e Punir” de Foucault. É verdade, os acontecimentos costumam suceder em cachos, mesmo aqueles, como os meus, que não têm importância nenhuma.

4 thoughts on “Estado da arte e a moral da semana”

  1. Aparentemente, (como não sei como costumam ser os teus outros fins-de-semama ) neste aconteceu-te tudo! Claro que se estás em “muda de casa” também se se vai a net. Foi má ocasião ou para abrir o blog ou para mudar de casa…
    Realmente o 25 de Novembro, é data para fins – mas já encontrei muita gente que me disse com ar espantado “mas o que é que se passou em 25 de Novembro…??”. Já é História.
    O.K., O.K., amanhã é segunda, início de semana, fim de “fim-de-semana”! Podes descansar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.