Aspirina M #4 (chamava-se Sara e não gostava de perder)

rez.jpg


Os Underworld foram uma das bandas mais importantes da música de dança da década de 90, sobretudo por terem procedido a uma intrigante síntese entre o novo e o antigo (um pouco como o meu avô paterno quando engravidou a filha do caseiro), adaptando a emergente música electrónica (house, dub, techno e trance) ao formato canção.

DUBNOBASSWITHMYHEADMAN (1993) e SECOND TOUGHEST IN THE INFANTS (1996) são dois discos incontornáveis para se perceber os caminhos trilhados pela música na década de 90 e talvez mais nenhum outro tema como «Born Slippy», incluído na banda sonora de TRAINSPOTTING (1996), se tenha aproximado tanto daquilo que se poderá designar como o hino de uma geração. A minha.

O música que vos deixo intitula-se «Rez» (1993) e posso vos assegurar que foi o primeiro tema electrónico que aprendi a gostar: tinha, na altura, 19 anos e odiava tudo aquilo que não metesse uma guitarra eléctrica. Lembro-me muito bem: estava muito charrado (un peu comme maintenant) em casa de um amigo a olhar de forma pouco sadia para uma rapariga linda de morrer (chamava-se Sara). Quando a música começou (cortesia do anfitrião), ficamos os dois em silêncio absoluto e, no fim, pedi para ela se casar comigo. Nunca mais lhe pus a vista em cima, é verdade, mas sempre que oiço este tema, algo me diz (ó heresia!) que não fui eu quem ficou mais a perder.

(A letra é muito boa.)


.

13 thoughts on “Aspirina M #4 (chamava-se Sara e não gostava de perder)”

  1. Explicas-me porque é que te lembras de afixar música precisamente quando estou no remanso do meu paraíso campestre e ligado por um banal fio telefónico?

  2. ‘Tá impecável, primo. E a letra transportou-me imediatamente para alguns poemas do Vitorino Nemésio.

    Quando saiu o “Colossal Youth”, dos Young Marble Giants, também vi ali, por antecipação à posteriori, o resumo da década de 80 e séculos seguintes. Mas este meu dom profético já tinha repetido a graça com o “The Wall”, e isso só por uma faixa nessa muralha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.