All’alba vincerò!

Il principe ignoto

Nessun dorma! Nessun dorma!
Tu pure, o Principessa,
nella tua fredda stanza
guardi le stelle
che tremano d’amore e di speranza…
Ma il mio mistero è chiuso in me,
il nome mio nessun saprà!
No, no, sulla tua bocca lo dirò,
quando la luce splenderà!
Ed il mio bacio scioglierà il silenzio
che ti fa mia.

Voci di donne

Il nome suo nessun saprà…
E noi dovrem, ahimè, morir, morir!

Il principe ignoto

Dilegua, o notte! Tramontate, stelle!
Tramontate, stelle! All’alba vincerò!
Vincerò! Vincerò!

Puccini, Turandot, Nessun Dorma, Plácido Domingo e as manhãs vitoriosas. Para ir acordando ao longo do dia, e dos dias.

6 thoughts on “All’alba vincerò!”

  1. Valupi,

    Eu escreveria saprà, dirò, splenderà, vincerò. Os restantes acentos são facultativos (para infinda tortura dos miúdos italianos, numa ortografia pelo resto invejável), mas os de sílaba aguda obrigatórios.

    Mas são nugalhas. Puseste-nos, sem to pedirmos, diante deste momento único na História da música, e até da triste humanidade.

  2. disseram-me um dia que ‘o perfeito não comporta mácula’ é por isso que eu gosto do mais-que-perfeito, que dá para juntar a cicatriz

  3. Fernando, não posso concordar mais. Até porque mergulho na perfeição todo o santo dia, a toda hora. A perfeição, ouso, é até um resultado da atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.