Titulares de cargos politicos ou a laranja mecânica dos julgamentos antecipados

Não devia ter sido notícia a ocorrência destas buscas.
Não devia, num mundo há muito morto onde todos punham a luta partidária de lado para defender a separação das esferas da política e do Ministério Público e dos Tribunais.
Sabemos bem quando começou, de forma sistemática, essa coisa que arrumou com a suada conquistada presunção de inocência ou com a apologia do silêncio, quando não há sequer arguidos nem julgamentos em curso.
Mas a morte mediática de gente que não é gente porque anda na porca da política, com a ajuda de fugas de informação, tem autores vários, mas um só com 20 valores, aquele, o da “verdade” – lembram-se? – esse valor contra-Kantiano.
Resposta simples, ontem, a de Diogo Feio, dizendo que não comenta notícias destas nem participa no perigo da justiça mediática.
Pidescos o líder do grupo parlamentar do PSD e a inevitável Ministra da Justiça, pedindo “rapidez” e “exigindo” o “apuramento de responsabilidades”. A Ministra, que sabe tanto de princípios decorrentes do Estado de Direito como eu de Química nuclear, afirma mesmo que “acabou a impunidade”.
Assim: temos buscas, temos condenação.

11 thoughts on “Titulares de cargos politicos ou a laranja mecânica dos julgamentos antecipados”

  1. Já que acabou a impunidade, será que vamos realmente ser ressarcidos do roubo do BPN, ou vamos realmente saber como é que foi adquirida a casa da gaivota na quinta da coelha?

  2. Cara Isabel,
    sabendo de que lado está, gostaria de ver a bancada do partido onde se senta a tomar posição sobre o assunto.
    Sei, todavia, que é querer demais, pois o líder não dá grande importância a esssas coisas, exceto talvez no dia em que lhe vier a cair alguma em cima.
    O PSD continua na mesma senda pelo que estará na hora de propor o CAA para PGR.

  3. A javardice e falta de um mínimo de decência desta anedótica ministra da justiça (obviamente com minúsculas muito minúsculas), devia fazer-nos corar de vergonha.
    Honra seja feita ao Diogo Feio que teve um assomo de coragem e honestidade política e foi capaz de dizer o que disse.

  4. Esta mulher, julga que ainda está no programa da nossa tv a brincar aos julgamentos ao lado de Sousa Tavares.Razão tem Marinho Pinto é uma incompetente.

  5. Estive o ouvir na sic o economista Caldeira Cabral .Disse que o governo parece querer poupar milhoes de euros / ano nas parcerias PP,mas para isso acontecer passou a responsabilidade da manutenção das autoestradas e scuts,para as as Estradas de Portugal.Caldeira cabral pensa que a manutençao vai ficar mais caro do que os valores que vão receber.Agora digo eu,isto a ser assim é uma vigarice,diminuem a despesa do estado e transferem o prejuizo para uma empresa publica. A direita no seu esplendor!

  6. Então a negociação das rodoviarias tinha sido só vantagens para o privado e para as renegociar, têm que2 baixar as calças2 ao retirar-lhes o encargo da manutenção!que negocio é este? quanto pode custar a manutençao?

  7. Maike,
    Quanto pode custar a manutenção é fácil calcular. O problema é saber quanto pode custar a falta de manutenção.

  8. Numa democracia que não fosse virtual, Paula Teixeira da Cruz, hoje já não era ministra.

    As suas declarações são vergonhosas. E sê-lo-iam sempre, fossem quais fossem, ou de que partido fossem, os alvos das suas farpas.

  9. Infelizes, mesmo lamentáveis, as declarações da Sra. Ministra.
    Mas vejamos, quem terá sido que passou para a imprensa a noticia das buscas?
    Foi a Ministra? Terá mesmo sido ela?
    E o pecado original não estará nesse “passar para a imprensa” das referidas noticias?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.