São eles os mercados

meses e meses que Seguro exige ao Governo que saiba negociar mais tempo.

Fomos inundados com notícias contraditórias, desde logo por parte da tripla PM, Relvas, que explicava tão bem que mais tempo é igual a mais exigências, e Gaspar, o dono do jogo, dono de um jogo de quase sim e desmentidos que Passos repetia no Parlamento.

O novíssimo Gaspar que pede mais tempo à Toika é este.

Decisões num tabuleiro externo, de costas voltadas para os problemas monstruosos dos portugueses. Nem o vento de reclamações reais, antigas, demasiado antigas, datadas pela miséria, sentem os agora negociadores.

São eles os mercados.

52 thoughts on “São eles os mercados”

  1. O Seguro veio dizer “eu tinha razão”!
    Como se alguem quisesse saber…

    Aquilo que eu sei é que quanto mais o Seguro abre a boca, mais o Relvas começa a parecer um estadista…

    e os dedos doeram-me a escrever isto.

    Miguel

  2. Estes alegados governantes só não mentem numa coisa: estão-nos a lixar, “custe o que custar”. De resto, um (qualquer) diz uma coisa a meio da manhã que o outro (qualquer) desmente a meio da tarde, a tempo de serem desmentidos pela realidade nos noticiários. Mas o gajo que estava em Paris é que mentia muito. E a maralha, como acreditava na “política da verdade”, pôs lá estes merdas. Enfim…

  3. Totalmente de acordo, Miguel.

    Ainda vamos ter que averiguar toda a formação do Seguro. Palmo a palmo. E as substâncias que utiliza!

    Vamos lá ver se não temos agora o Lance Seguro que fará o COI retirar a política de todas as suas competições!

    Era uma mazela para o País!

  4. Portugal não pediu mais tempo nem mais dinheiro ao contrário do que está aqui escrito e de que o Tone Seguro andou a pregar desde sempre e da enorme gafe que cometeu ontem. Portugal apenas pediu para adiar os reembolsos previstos para 2014 e 2016. O programa é o mesmo, as metas são as mesmas, as avaliações também assim como o envelope financeiro negociado pelo PS de 78 mil milhões.

    E este pedido só é possível porque Portugal cumpriu metas e compromissos estabelecidos. Sei que custa à esquerda reconhecer mérito a quem faz mas deixem lá isso, são boas notícias para todos os portugueses, mesmo para aqueles que quanto pior, melhor.

  5. “… adiar os reembolsos previstos para 2014 e 2016…”
    tá bom de ver que adiar não é pedir mais tempo, para não falar em mais dinheiro, que pelos vistos já vem a mais do que foi pedido, curiosamente o número mágico 4 megas.

    “E este pedido só é possível porque Portugal cumpriu metas e compromissos estabelecidos.”
    pelos vistos gregos, irlandeses, espanhóis e italianos cumpriram mais depressa que portugal para terem beneficiado primeiro desta atençãozinha do bce.

    e se queres saber, depois de tanta merda que fizeram, qualquer peido é um alívio, apesar de não saber qual vai ser a taxa de juro.

  6. mLopes

    Não podia estar mais de acordo contigo! Hoje é um dia triste para os socráticos. Sentem que o regresso ao Poder ficou mais complicado. Que o Pedro e o Gaspar ainda se vao safar desta grande trapalhada em que se meteram. Estejam descansados, não desanimem. Piores dias virão para voces!
    Mas temos de dar os parabens aos portugueses e portuguesas que têm aguntado estoicamente e com serenidade as dificuldades do ajustamento.

    Abraço

  7. oh lopes! quais foram os compromissos e metas que portugal cumpriu? acho que nem o motorista que vai buscar o abexim à portela chega a horas.

  8. “Assim, em vez do défice de 4,5% inicialmente previsto para este ano, o Governo poderá chegar ao final de 2012 com um défice de 5% do PIB. Do mesmo modo foram também alterados os limites do próximo ano: o défice terá de ser de 4,5% em 2013, em vez dos 3% inicialmente acordados. Só em 2014, Portugal terá de ter um défice abaixo do limite dos 3% – 2,5%.”

    Realmente, se há coisa que este governo não teve foi mais tempo.

  9. Portugal está a cumprir com o essencial do programa e por isso é que os juros da dívida descem, todos os dias. A próxima grande dor da esquerda virá das agências de notação.
    Se o Tribunal Constitucional não voltar a decidir em causa própria, preparem-se para uma subida em flecha do rating da república.

  10. Sim, ninguém diz que não estão a cumprir a maioria do que lá está plasmado. Aliás, até se anteciparam em muitas coisas, algumas originais, com os custos económicos que estão à vista.

    Outra coisa é admitir que é maioritariamente por isso que os juros caem. Se assim fosse, os juros da Grécia não seguiriam o mesmo padrão que os nossos e os da Irlanda. Mais uma vez, a Europa não conta para a direita.

    Relativamente ao constitucional, se aplicar a lei fundamental da República, não vejo nada de criticável, a não ser a insistência do governo em não cumprir a mesma.

  11. Ah gandas Lopes & Rodrugues! Assim memo é que se bota faladura! Já agora podem-me dizer qual é o vosso oftalmologista? É que eu também quero ver a luz e de caminho agradecer ao Tó Zé.

  12. Ó xico, tou a ver que os cereais vão de vento em popa.

    Bem me queria parecer que aquela prosápia toda nuns posts anteriores eram defesa em causa própria.

    Pelo que dizes é só coisas maravilhosas, mas eu que me vou foder no fim do mês com menos dinheiro no meu salário não acho muita piada…

  13. “Portugal está a cumprir com o essencial do programa”

    o essencial do pugrama devem ser as cruzinhas que a cricas bota no papelinho cada 3 meses, 28.000 desempregados e 2.700 falências. já o déficite e a dívida aumentam, portanto são acessórios.

  14. Mais uma encenação mal feita.

    Portugal não voltou aos mercados.

    Foi a banca nacional que tomou a dívida.

    Mas para o PSD não há problema que eles fazem a festa por pouco.

  15. And yes, I guess we can give it to him in terms of 80% foreign participation and yes, we can give it to him in terms of a well-bid auction, but basically these auctions are prearranged sales. They are not really auctions. They are bought by domestic banks within euro land and then they’re rediscounted to the central bank. So it is internal buying. There are claims of Japan and China and so on, but they’re really looking for the private institutions like PIMCO and other insurance companies to buy, and we just have not done that yet.”

    Bill Gross em 2011 sobre os leilões Sócrates.

    Nada mudou. A mesma farsa.

    Não há acesso aos mercados.

    As arrastadeiras andam doidas com nada.

  16. O regresso aos mercados não alivia o desemprego amanhã nem acaba sequer com a austeridade. Mas sem o regresso aos mercados nunca mais seria possível facilitar, de forma sustentada, o financiamento à economia, sem o qual não haverá nunca crescimento, sem o qual não haverá nunca criação de emprego. Não é o fim, é o principio do fim, mas para quem ainda há pouco jurava que Portugal não voltaria aos mercados nem no final de 2013, um regresso logo em Janeiro é um golpe de mestre. Bem preparado e bem realizado, e que correu francamente bem, com a maioria dos pedidos a virem do estrangeiro, de quem tem dinheiro para investir a longo prazo, e com uma taxa de juro muito razoável, se bem que ainda elevada. Há muito que não tínhamos boas notícias como esta. Mas há ainda mais. Sem regresso aos mercados a troika não se podia ir embora, pois continuaríamos a necessitar do dinheiro dela. Ora com a troika em Portugal estaríamos sempre na condição de sermos uma espécie de protectorado. É também por isso que esta notícia é importante e é fundamental que se trata de um movimento sustentável no futuro. Quem desvaloriza a sua importância está mais do lado dos que acreditam que quanto pior, melhor. E dos que estão furiosos por se terem enganado no seu papel de cassandras.

    retirado do Facebook de José Manuel Fernandes

  17. Há um ano os juros das obrigações a 5 anos estavam a norte de 23%. Agora estão abaixo de 5%. Há um ano parecia impensável Portugal voltar a financiar-se tão cedo sem a rede da Troika. Hoje tudo mudou (na verdade não foi hoje; está a mudar há meses): já temos quem acredite em nós.

    Como é que isto foi conseguido? Pela conjugação de vários factores: o extraordinário empenhamento do país (não, não é do Governo…) na correcção dos desequilíbrios que nos puseram “Ko”; a preciosa ajuda do BCE (Draghi é um fora-de-série) e a ajuda dos parceiros da Zona Euro. E aqui chega a primeira surpresa: desvalorizar o papel interno na correcção dos desequilíbrios, colocando os louros no BCE (como andam a fazer alguns partidos e “opinion makers”) é uma falta de respeito para com os cidadãos, que pela 3.ª vez no pós 25 de Abril, estão a fazer os maiores sacrifícios para tirar o país da bancarrota.

    A segunda surpresa não é menos grave: desvalorizar o regresso aos mercados (outro exercício de ontem) é uma monumental estupidez. Porque não é apenas o Estado que passa a ter financiamento; são os bancos. Ora isso é de crucial importância. Porque os bancos não têm dinheiro para emprestar às empresas. Nem às exportadoras. Ora investimento é o que nos falta para (a par das exportações) pormos a economia a crescer novamente. É essa porta que se abre agora. Não perceber isto ou é tolice… ou é cegueira ideológica. O que diz bem do estado do debate em Portugal.

    No meio da torrente de disparates de ontem, só admira que ninguém tenha dito que Gaspar se enganou novamente. Desta vez porque antecipou em sete meses o regresso aos mercados…

    Camilo Lourenço no Jornal de Negócios

  18. Mas quais mercados?

    O país tem um rating de junk.

    Ninguém nos empresta nada.

    Está na altura do Camilo Lourenço deixar as drogas.

  19. Os meus parabéns aos bancos portugueses que tomaram a maioria da dívida.

    Infelizmente isto não é nenhum regresso aos mercados.

    Acabem com o backstop do BCE e os bancos nacionais deixam de ter cash para adquirir os títulos de Portugal.

    Depois aí quero ver o Camilo Lourenço a comprar umas obrigações.

  20. oh ignatz, camarada! bom, bom é como se vive em cuba ou na coreia do norte. todos muito iguais, todos a viver com uma média de 50 EUR por mês…todos excepto os do partido, claro. Viva la revolucion!

  21. oh kamarada lopez! já não falta muito para a meta dos 50 euritos mensais, para mais detalhes pergunta ao gaspar ou pede o manual de instruções ao moeditas.

  22. Oh Lopes, citando em nota de rodapé o Zé Manel e o Camilo do Goucha, fico mais que Kunvencido. Se tivesses citado o Camilo…de Oliveira, já duvidava. Já agora porque não recorres também ao Mulas do FMI? É uma referência com pergaminhos académicos (talkual o Relvas), séria, kulaburou no rilatóriu e por quaisquer, digamos, 50000 aéreos era capaz de fazer uma perninha e dar uma mãozinha aos Lopes desta Naçon.

  23. mLopes

    Estou a ver que hoje és tu que estás na berlinda. A alternância democrática é um bom princípio. Um dia tu, outro dia eu.
    Estive a ler os ataques dos socráticos de serviço a ti e constatei que te estás aguentar. Mas olha que a nossa sorte é a Troika conhecer a táctica do José Maria Pedroto da defesa à zona e dos sucessos que essa tactica deu ao Fêquêpê na decada de 80. Por isso, está a dar o benefício da dúvida. Pois, se formos rigorosos, o Pedro e o Gaspar não cumpriram as metas que estavam estabelecidas pela Troika, andaram lá perto, isto é, à zona. Topas!
    Mantem-te por cá.
    Um grande abraço,

  24. Mr Black

    Não sejas tangoso. A maioria da dívida foi vendida para os mercados UK e USA. Ou seja, os mais importantes. Mostras teres mau perder. É feio!

  25. Ó Francisco Rodrigues, a azia custa mas não é por isso que deve andar a mentir por aí.

    Os meus parabéns aos bancos portugueses por terem absorvido a maioria da emissão.

    Aceite a derrota e deixe de fazer figuras tristes.

    Quanto ao MLopes, também já chateia ouvir as suas mentiras.

  26. Os mercados internacionais não gostam de dívida com rating de lixo.

    É assim que eles funcionam. Temos pena que o Gaspar não goste mas a realidade é mesmo assim.

  27. Michele Napolitano, a director in Fitch Ratings’ sovereign team, said that while the debt sale would be positive for Portugal’s credit profile, the country has a long way to go before it attracts a larger group of investors. “We believe it remains challenging for Portugal to regain full market access given the high risk premium that still exists there,” Mr. Napolitano said.

    Ainda sem acesso aos mercados.

    Não chores Gaspar. Para a próxima corre melhor.

  28. Mr Black

    93% das obrigaçoes ficaram em mãos de estrangeiros! Mas se pensas que isso é bom, desengana-te! O que faz o Japão manter taxas baixas com uma dívida pública perto dos 200% do PIB, é o facto dela ser comprada , maioritariamente, pelos japoneses.
    Pelos vistos a azia é tanta que já não vais lá com pastilhas Rennie.
    Alegrate!!!!!!!, o Seguro está como o Sporting, não dura até ao Natal!
    O Seguro, em vez de se ter armado em mula, devia ser ele a tomar a iniciativa e convocar um novo congresso para clarificar a liderança. Claro que esta história de clarificação tem os seus quês!!!. Talvez seja melhor pedir conselhos ao Marcelo. Pois, nesta matéria, O Marcelo já é Professor Jubilado.

  29. Vamos lá dar uma lição ao rapaz.

    No caso de Portugal a maior parte das obrigações foram compradas pelos bancos nacionais. Só que o dinheiro vem do BCE porque o país não gera poupança suficiente para as comprar.

    E os mercados não acreditam em nós porque temos rating de lixo.

    O Japão é diferente porque tem ou tinha uma taxa de poupança elevada o que lhe permitia absorver essas obrigações.

    Em Portugal só colocámos essa emissão com o apoio do BCE que deu o cash aos bancos nacionais para comprarem a dívida.

  30. É chato dizer isto mas os mercados não gostam de encenações.

    Parabéns aos bancos que absorveram a dívida nacional.

    Bancos e fundos portugueses porque estrangeiros não foram.

  31. Fico admirado com a quantidade de fãs que o nosso fugitivo mais popular continua a manter. Mr. Black e restantes fãs do fugitivo são muito incoerentes. Ora diabolizam a troika, ora citam agências de rating para sustentar que somos lixo.
    Tenho uma pergunta: o que é que vão dizer quando as diversas agencias de notação começarem a subir o rating da republica em vários níveis? Isso está para breve, como sabem. É melhor começarem a trabalhar nessa argumentação. Vai ser divertido.

  32. Meanwhile…

    Dados da DGO mostram que medidas de contenção adicionais foram decisivas para se atingir um défice de 8.328 milhões
    O défice de 2012 para efeitos do programa de ajustamento ficou em 8328,8 milhões de euros. Os dados da Direcção Geral do Orçamento (DGO) mostram que o saldo ficou 700 milhões abaixo do limite quantitativo de 9.028 milhões de euros, acordado com a ‘troika’, tal como o ministério das Finanças avançou em Bruxelas na segunda-feira.

    Os resultados foram conseguidos devido a poupanças acima da do esperado do lado da despesa, que foram conseguidas através de medidas de contenção adicionais, como o congelamento das despesas de investimento e consumo no último trimestre do ano, a par de medidas adicionais no sector da Educação.

  33. mlopes, estas parvo ou quê? mas aqui nesta discussão alguém defendeu o Sócrates???

    Portanto para cromos como tu, quem critica este “governo”, defende Sócrates????

    Ó caramelo se estes sinais de mudança trouxerem coisas boas para o nosso país achas que alguém no seu perfeito juízo vai ficar “melindrado” por estarem estes estarolas no governo???

    Digo-te a ti como disso ao xico, que puta de alegria que senti por esta operação, mas o que eu sei é que no fim do mês para festejar, alem das canas eles vao apanhar tb mais um bocado do meu ordenado, vai ser uma festa.

  34. jpferra, se não és adepto do fugitivo nem das políticas do gastar à tripa forra, de construir rotundas, estradas, viadutos e pontes, escolas, hospitais e centros de saúde, estádios, centros culturais, linhas ferreas, aeroportos e betão em geral, endividando para isso os teus bisnetos ainda não nascidos, os meus comentários não eram dirigidos a ti mas a esses.

  35. Realmente o valor do défice apresentado ontem é cá um motivo de alegria! De facto, só o Vitó acertar uma que seja, já é mais do que motivo para contentamento! E na verdade, nem se pode falar em ter acertado, porque o compromisso assumido era de 4,5% e ao contrário de que sempre defendeu, lá teve que o ir negociar, tarde e a más horas com a trouka.

    Mas, intencionalmente, omite-se uma parte importante da história. Importante, digo eu… porque, provavelmente para muitos, irei falar de tremoços. Antes de mais, este défice só foi possível porque o vosso querido PR não cumpriu o juramento de posse esquecendo-se de enviar o OE de 2012 para verificação de constitucionalidade e o TC não quis assumir o ónus de estragar a festa a meio do ano. De certa forma, é como dizermos “o LArmstrong dopou-se aqui e ali, mas deixa lá isso porque o rapaz merece continuar com os louros e os títulos”.

    Mais ainda, que importa o OE de 2012 ter transformado a nossa economia numa extraordinária poedeira de falências empresariais ou numa, nunca antes vista, parideira de desempregados? Que interessa que dezenas de escolas se tenham visto obrigadas a fornecer o pequeno-almoço a centenas de crianças e a abrir as cantinas em períodos de férias ou que tantos pacientes tenham que aguardar a “superior” disponibilidade para continuarem os tratamentos que vinham fazendo?

    Nós percebemos, o Vitó não tem tempo para se preocupar com esta cambada de indigentes que fustigam as contas públicas e prefere de longe a política da caridadezinha ao verdadeiro apoio e integração dos mais carenciados e fragilizados. Faz toda a diferença.

    Deixemos correr o 2013 e logo veremos a vontade que todos vamos ter para rir. E no entretanto, bye bye ANA… até 2060, pelo menos.

    Mas há algo com a qual me vejo obrigado a concordar. O suplementozito de 4 000 milhões que aí vem, para muita desta gente esclarecida que por aí anda, ainda é curto. Nem que ele fosse de 400 000 milhões eles alguma vez iriam perceber o que quer que seja.

  36. O mlopes anda cada vez mais desesperado.

    As agências continuam a confirmar os ratings de junk com perspectiva negativa.

    Como vê, ninguém nos mercados acredita no governo.

    A prova disso é que a emissão de ontem foi praticamente toda tomada por entidades nacionais.

  37. O mlopes que continue à espera do regresso aos mercados.

    É o que o que aconteceu ontem não foi um regresso aos mercados.

    Só em Portugal é que se chama a isso regresso aos mercados.

  38. regresso aos mercados? devem estar a falar das feiras da ladra ou do relógio, só pode. o bce entra com o cacau e bancos, Barclays, BES, Deutsche Bank e Morgan Stanley, fingem que compram para uns clientes cujos nomes são segredo bancário e recebem umas comissões pelo fingimento. a laranjada aplaude e pede bis.

  39. Mr Black, eu não estou à espera de nada. É tão óbvio que o nosso rating vai subir, devia ser uma boa notícia mas para os arautos da desgraça, o mais importante é ter razão, não é o país. Eu só sei me vou divertir muito com o seu comentário quando as agências subirem o nosso rating. E está para breve essa revisão, ora leia e faça lá uma previsão do estado do tempo para os próximos meses:

    http://www.jornaldenegocios.pt/mercados/detalhe/ing_diz_que_emissao_coloca_pressao_sobre_agencias_de_rating.html

  40. Não me diga que o ING é um banco português…porque eu parto-me a rir.

    Quanto ao comentário do ignatz, é pertinente. Porque o governo divulgou a origem dos investidores e a esmagadora maioria é de origem americana. Não sei como é que era no tempo em que o fugitivo governava porque só agora é que me comecei a interessar por isto. Mas suspeito que a CGD, o BCP, o BES e o BPI tenham sido sugados até à última gota…

  41. Evidente é que o rating não vai subir.

    Aliás, se está com prespectiva negativa é porque se calhar ainda desce.

    E só pode descer.

    Os investidores nacionais são os únicos que compram dívida portuguesa.

    Mas deixe lá, aprenda antes a viver com a realidade porque o seu desespero não lhe vai valer de nada.

  42. Eu parto-me a rir com mlopes.

    Os fundamentals indicam todos uma desgraça mas ele não se importa.

    O que interessa é enfiar ainda mais a cabeça no buraco e fingir que tá tudo bem.

    Citar esse grande banco chamado ING é de partir o coco a rir.

  43. O governo anda chateado e portanto deu-lhe para inventar.

    Eles a cozinhar listas são bons.

    O problema é que é tudo falso.

    Mas aqui o mlopes acredita nisso e portanto tá tudo bem quando acaba bem.

  44. oh lopes! de manhã calhou ao bes, barclays e deutch e à tarde ao morgan por causa do parafuso horário, primeiro os afilhados europeus do bce e o resto para o sobrinho americano do fmi. nomes? tá quedo, confidencialidade coiso & tal, mas se insistirem muito ainda aparece uma dona de casa da zona de mafra a dizer que simpatiza bués com o vitor e que comprou 2 dúzias para ela e para as amigas.
    já que percebes da poda, explica lá onde é que está o graveto para animar a economia e por o pessoal a bulir. pois, isso não há, nem vai haver, enquanto não falir tudo para o conadá inventar a reindustrialização com jovens empreendedores do regime. se queres crédito ou subsídio, tens de apresentar inscrição no sindicato psd/cds ou cartão relvasgold, consoante a modalidade.

  45. oh lopes! o ing é o banco do leão laranja, ainda pensei que fosse algum gajo que tivesse investido na nossa dívida pública. a questão é saber quanto vamos pagar aos holandeses por esta declaração, caso não se trate de uma mulice.

  46. Não se enervem, passem bem, voltamos a falar daqui por umas semanas. Em jeito de antecipação vos digo que quando as agências subirem o rating da nossa república, a vossa postura vai ser a mesma do Freitas do Amaral, ou seja o mérito vai ser todo do Super Mário Draghi porque isto de reconhecer que erramos nas nossas opiniões ou previsões, não é para todos…

    http://www.jornaldenegocios.pt/mercados/taxas_de_juro___credito/detalhe/ricardo_cabral_os_defensores_da_actual_estrategia_estao_de_parabens.html

    e também:

    http://expresso.sapo.pt/e-mesmo-um-regresso-aos-mercados=f781168#ixzz2Ihn4C56Q

  47. Pois claro. Os ratings estão com perspectiva negatica e vão subir.

    O mlopes está cada vez mais embrenhado na teia de mentiras que criou.

    Não vale a pena falar consigo.

    Quando uma pessoa considera sucesso o que se passou ontem é sinal de que está mesmo fora da realidade.

    Continue à espera do regresso e da subida do rating mas não se admire se demorar muito tempo.

  48. A estratégia falhou.

    Não há acesso aos mercados como as agências de rating já fizeram notar.

    O país apenas beneficiou da ajuda do BCE para que os bancos nacionais pudessem comprar a dívida.

    Só uma pessoa muito fora da realidade é que pode considerar isto uma vitória.

    É sinal de que eu acertei no que disse. Tudo isto foi uma operação de propaganda mal conduzida.

  49. Eh pá, alguém me pode explicar onde cabe o “povão” nesta alegria esfusiante do regresso aos mercados? Espera-se elucidação dos especialistas na lúgubre ciência…a economia, claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.