O nosso salário mínimo realmente nacional

Salário Mínimo Nacional
(atualizado em 1 de fevereiro 2012 pela base de dados do Eurostat)
————————————————————

Em 2012, Portugal apresenta o 3º Salário Mínimo Nacional mais baixo da Zona Euro (Eslováquia e Estónia registam valores inferiores) e 10º de toda a União Europeia .

Comparando com os países que têm o SMN mais elevado, verifica-se que o SMN em Portugal é 73% menos que o do Luxemburgo, menos de metade que o da Irlanda, Holanda, Bélgica, França e Reino Unido; menos 36% que o da Eslovénia; menos 35% que o da Grécia; menos 29% que o de Malta e menos 24% que o de Espanha.

2012: SMN – Valores Comparáveis* 2012: SMN – Valores Mensais
ordem País €uros ordem País €uros
1 Luxemburgo 1.801,49 1 Luxemburgo 1.801,49
2 Irlanda 1.461,85 2 Irlanda 1.461,85
3 Holanda 1.446,60 3 Holanda 1.446,60
4 Bélgica 1.443,54 4 Bélgica 1.443,54
5 França 1.398,37 5 França 1.398,37
6 R.Unido 1.201,96 6 R. Unido 1.201,96
7 Grécia 876,62 7 Eslovénia 763,06
8 Eslovénia 763,06 8 Grécia 751,39
9 Espanha 748,30 9 Malta 679,87
10 Malta 679,87 10 Espanha 641,40
11 Portugal 565,83 11 Portugal 485,00
12 Polónia 336,47 12 Polónia 336,47
13 Eslováquia 327,00 13 Eslováquia 327,00
14 Rep. Checa 310,23 14 Rep. Checa 310,23
15 Hungria 295,63 15 Hungria 295,63
16 Estónia 290,00 16 Estónia 290,00
17 Letónia 285,92 17 Letónia 285,92
1 Lituânia 231,70 18 Lituânia 231,70
19 Roménia 161,91 19 Roménia 161,91
20 Bulgária 138,05 20 Bulgária 138,05

E.U.A 971,22 E.U.A 971,22
* Em Portugal, Espanha e Grécia o SMN é aplicado a 14 meses por ano. Estes dados são ajustados a este facto.
Comparando com 2011, O SMN de Portugal apresenta um crescimento nulo este ano (em termos nominais), bem como o da Irlanda, Espanha e Lituânia.

Em termos reais (contando com a inflação esperada para 2012), Portugal apresentará um decréscimo de 2,9% no SMN este ano, colocando-o no 3º decrécimo mais acentuado de toda a UE e 2º da zona Euro.

4 thoughts on “O nosso salário mínimo realmente nacional”

  1. salário miserável que não dignifica ninguém, tanto no sector privado, como no público. seria igualmente importante conhecer a % atribuída em cada sector da nossa economia, incluindo a administração pública.

  2. é engraçado pensar na perspectiva do estado como o maior potenciador de um mercado de competição monopsonista ao aplicar o salário mínimo. curiosamente, esta perspectiva deveria potenciar o emprego. mais piadético ainda é sabermos que em 2006 estava previsto um patamar de 500 euros para 2011 para englobar, proporcionalmente, cada vez mais vendedores de trabalho. (bate tudo erradamente certo.) :-)

  3. Naturalmente que a análise feita pelos rapazolas que nos (des)governam vão noutro sentido; afinal o nosso SMN é muito superior ao praticado na Lituânia, Roménia e Bulgária!!! E se formos comparar com a China, Vietname e mesmo México, então o nosso SMN é mesmo muito bom.
    Na Austria, por exemplo, não há SMN determinado por lei, mas na mais humilde actividade que seja, ninguém ganha menos de 1.300 euros. Este é que seria um bom objectivo a perseguir.

  4. Também ajustou o salário ao níivel de vida de cada país? É que se eu beber um café na minha aldeia custa-me 60 cêntimos; se beber o café numa localidade semelhante em Franca, o mesmo café custa-me 1€50.
    Isto é apenas um exemplo, porque o mesmo se passa com a maioria dos produtos que consumimos todos os dias, etc, etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.