Fazendo pareceres e projetos de lei enquanto se é alvo de decisões ilegais: do direito à palavra

Escrevo pela segunda vez sobre uma tal de “advertência” que foi decidida sobre a minha pessoa pela direção da minha bancada.
Kafka.
Por muito menos, para me concentrar apena nos problemas nacionais, ficaria calada. Uma história desta dimensão, tão manipulada, tão soviética e finalmente tão ilegal, impõe que eu fale, a bem da democracia interna dos Partidos, a bem do estatuto dos Deputados, a bem, portanto, da democracia. Isto ultrapassa-me, portanto.
Vamos por pontos:
1. Vários deputados do PS já furaram a disciplina de voto;
2. eu furei, no meu entender, apenas uma vez, na especialidade, no que toca aos cortes dos subsídios e pensões (estava tão louca que no processo que anunciei de fiscalização da constitucionalidade, dos 23 deputados, 17 eram socialistas crentes na nulidade das normas em causa);
3. na semana passada, houve uma reunião do GP de enorme violência verbal. Sobretudo por causa dos estatutos. No que toca ao CT foi opinião generalizada de que não havia disciplina de voto. Zorrinho mantinha a interpretação contrária, mas tudo parecia calmo. Eu anunciei voto contra na generalidade e muitos outros voto contra na final;
4. já expliquei que soube pela imprensa que António José Seguro encontrou a causa da permanente instabilidade no GP: uma independente sem história.
4. nada como punir a cobaia e fazer dela (junto da opinião pública) a única divisão no GP, sem mencionar um único notável (forte com os “fracos”?);
5. soube pela SICN do “comunicado da direção”: a Deputada em causa violou uma regra fundamental e fica advertida de que se reincidir perde a confiança do GP.
6. Zorrinho haveria – e assim foi – de falar comigo;
7. de onde vem o poder disciplinar aplicado a uma independente? Foi-me dito – juro – que como não tinham como punir-me “transferiram o poder em causa do partido para o GP”, o que não tem base legal nem estatutária!!!!
8. Perguntei por que não houve lugar a audiência prévia da “castigada”. Como há 8 meses houve uma conversa vaga sobre “coisas”, está feita. Repliquei que considerar-me ouvida neste caso à conta de uma conversa de há meses sobre outro caso era um argumento recorrente no Estado Novo;
9. perguntei por que razão só eu e não todos os Deputados que já furaram a disciplina de voto tinha sido sujeita ao circo. É que há uma coisa chata que se chama p. da igualdade. Responderam-se que tinha razão pelo que a igualdade começava hoje (!!!) (Não foi no 25 de Abril?)
10. exigi o texto da decisão e a votação (quantos contra, quantos a favor). Nada. Já descobri que a advertência foi contestada por quase todos os membros da direção pelo que foi lá “metida” por uma só pessoa (ou muito poucas), apesar de estar em funcionamento um órgão colegial (!!!).
11. finalmente disse que sabia que servi de bode expiatório de um desgoverno que não foi causado certamente por duas únicas votações;
12. desgraça esta do PS que inaugurou processos internos deste calibre sob a liderança de quem defendeu anos e anos a liberdade de voto quase sem exceções e que furou a disciplina de voto sempre que entendeu (era a consciência, como na lei do financiamento dos partidos políticos e no tratado de Lisboa). Nada lhe aconteceu.
13. É caso para dizer “faz aos outros o que nunca me fizeram”.
14. Ainda assim, amanhã, depois da reunião de GP de hoje à noite, cá estarei a dar tudo por tudo nas funções que me são atribuidas.

20 thoughts on “Fazendo pareceres e projetos de lei enquanto se é alvo de decisões ilegais: do direito à palavra”

  1. Os partidos por muito que se diga que são essenciais à democracia, são-no apenas como mal necessário, e claros exemplos de entorses a essa mesma democracia: dos risíveis CDS e BE ao inqualificável PCP, passando por esses gloriosos sindicatos de interesses que são os partidos do bloco central.

  2. Muito bem, a deputada Isabel não está sozinha nem tem nada de que se arrepender. Quem não está a agir de acordo com as promessas eleitorais é a actual liderança do PS. Eles é que desvirtuaram, em momentos muito importantes, o programa que o PS submeteu a eleições. Digo eu, um dos 1.500.000 que votaram, essencialmente, a apoiar as politicas do ex PM . esta liderança nunca defende a sua herança nem separa o trigo ( o que o governo anterior assinou) do joio ( a ideologia-para-além-da-troika) colando o partido a estas politicas insuportáveis. A continuarem assim têm os dias contados.

  3. de manhã concordei, agora acho que estás a fazer disto a hoover do poeta da treta para lavares a roupa suja dos gajos que te contrataram. claro que vão aparecer júlios às molhádas todos indignados a dar-te razão e a pedir encore & more folclore do mesmo, mas se não fosse assim o cm não liderava os diários.

  4. Força, Drª Isabel. Não desmoreça na sua caminhada. Esta cambada ligada ao Seguro o que se sente é muito insegura, pois já reparou que as suas habilidades e os seus conluios no apoio ao Governo, para além da troika e doa a quem doer, já estão desmascaradas, pela grande massa de apoiantes e votantes no PS. Só que o seu objectivo não é defender o que sempre foram as posições e os principios do PS; é, pelo contrário, desbaratar todo esse capital de confiança dos apoiantes desse grande Partido e reduzi-lo a uma dimensão insignificante. Assim ficarão os partidos do governo, sem oposição durante muitos anos, a mamar do pote. É óbvio que o Passos lá terá que arranjar um cargozito para o seu grande amigo Seguro, uma vez que o pote também deverá chegar para ele.
    O que o Partido Socialista, onde eu sempre votei desde o 25 de Abril, precisa é dum grande safanão interno que desmorone toda esta palhaçada e que o faça renascer, de acordo com os princípios e os valores porque sempre se norteou desde a liderança de Mário Soares.

  5. É o voto contra, as divisões no PS, as pseudo crises no cds, o Louça preso num aeroporto qualquer e entretanto o nosso pm já confirmou o fim do subsidio de férias e de natal. Força divirtam-se! Os portugueses cá continuam interessadissimos em saber se a independente Isabel Moreira deve ser corrida do parlamento agora ou daqui a uns tempos. Entretanto o min do assistêncialismo veio negar que as grávidas passam a ser consideradas pessoas doentes. É o primeiro passo para a efectividade dessa solução. Queres ter filhos? oh minha vaca emigra, sai daqui, que aqui este país é mm um país de velhos. Não em idade mas no pensamento. Estamos a recuar muito para lá do estado novo. Aquele coiso que está em belém, como sempre, diz que não comenta. E entretanto o que interessa saber é se a independente Isabel Moreira é corrida e depois queimada na fogueira da unicidade partidária. Uma coisa tão do agrado do Tó-Zé.

  6. Muito concentrada na «disciplina do voto». Não disciplina do voto, há voto. Se o partio não deixa exercer livremente o seu direito ao voto, saia. Assim só vai formalmente dar razão aos seus opositores e ainda grama com um processo disciplinar em cima de si.Está a chamar «soviéticos» aos tipos? Se por menos a advertem…! Faça a luta de uma forma diferente, não se defenda tanto, ninguém é parvo, afinal, acredita que o fato de integrar um partido do arco do poder a deixa ser livre ou continuar a ser livre?

  7. …o que quero realçar não é tanto saber se isabel moreira tem razão…o que me interessa verdadeiramente neste caso é o facto de ela vir a público defender a posição que assumiu como deputada eleita pelo povo…sim os partidos são fundamentais e sem eles a democracia é uma treta…mas as posições que os deputados assumem de per si em nome do povo não devem ser explicadas ao povo pela corja jornaleira… é bom conhece-las a quente e sem ‘interpretações’ de espertos…depois que se faça um juízo…portanto obrigado pela sinceridade…

  8. Isabel vai em frente a porcaria que te ataca já fez bem pior a este partido e a outros dirigentes isto é gente sem coluna vertebral e brevemente vai ter a resposta por outras vias infelizmente.

  9. Força, Isabel Moreira, não desista. A Isabel tem o apoio da esmagadora maioria dos eleitores que votaram no ps, porque esses eleitores reconhecem-se na liderança de José Sócrates. O Seguro não é capaz de pronunciar a palavra “Sócrates”. Porque será? Com esta liderança não vamos lá. O passado para Seguro parece que não existe. Lida muito mal com ele. Confunde o memorando que o ps foi obrigado a assinar, com o “ir para além da Troika”. O “número” que o Seguro anda a fazer ao dizer que não concorda com certas medidas que constam do memorando (quais? não diz) mas que tem de respeitar ,dá que pensar. Então ele não sabe-Sócrates avisou-que o chumbo do pec 4 por toda a oposição iria percipitar o país para a ajuda externa, o que veio a acontecer? Com esta liderança não vamos a lado nenhum.

    Isabel Moreira, continue e não desista.

  10. Isabel, já estou como o Guterres: é a vida!
    Fui militante PS durante 10 anos (de 1975 a 1984). Saí também por discordância, no meu caso em Assembleia Municipal. E compreendo a sua posição, ainda mais como independente. Mas mesmo assim desde essa data sempre votei PS. Falhei na última eleição presidencial para não votar no candidato PS. Abstive-me, portanto. E com este In (Seguro) estou a pensar seriamente não votar PS nas próximas eleições.
    Fique de bem com a sua consciência e pensamento que são mais importantes do que a carneirada. (e se a carneirada for por maus motivos mais acertada será a sua posição).
    Acho que o Seguro não serve o partido como se previa. Quantas vezes ele próprio furou a disciplina de voto? E o Alegre? E que lhes aconteceu? Nada, absolutamente nada!
    Continue tem o meu apoio.

  11. Com menos conversa e mais coluna vertebral, já tinha era renunciado ao cargo de deputada.

    E não venha com a conversa do “mandato do povo”, que a nossa lei eleitoral é uma palhaçada, e a caríssima deputada foi impingida numa lista a que ninguém olha quando vota.

  12. Ó ignatz, palerma, vai lá roer-te para a tua ratoeira e puxa de uma célebre canção do Bob Dylan, que te dá a ti e aos que são como tu a seguinte advertência: “SAI DO MEIO DO CAMINHO SE NÃO QUISERES AJUDAR, PORQUE OS TEMPOS, ESTÃO-SE A A-MUDAR”! Percebeste, tolinho?

    E a Isabel Moreira que NEM LHE PASSE PELA CABEÇA demitir-se, ouviu bem?

    Isso era o que os cobardolas queriam. Mas são eles é que estão prantados no meio do nosso caminho e, se não se erguerem por eles e derem de frosques, vem aí uma vassourada-mestra, que os há-de empandeirar bem para lá da borda da valeta! Ruminantes…

  13. A Isabel Moreira, neste momento, é a nossa única esperança. Uma luz de candeia, na tormenta e na desgraça. Alguém que semeia (e o mais importante) no vento que passa.

    Mesmo nesta noite tão triste, em tempo de servidão, haja sempre alguém que resista, alguém que saiba dizer “NÃO!”.

    POR ISSO A SUA LUTA É DAS POUCAS FONTES DE ESPERANÇA PARA TODOS NÓS! Não nos deixe ficar sózinhos, entregues ao desespero e aos nossos métodos de resistência, porventura menos polidos e ponderados do que os de uma eleita, representante legítima da nossa vontade.

  14. O plano era arranjar um grande grupo de maduros determinados e pôr o Estado em Tribunal por causa do roubo dos Salários aos Pensionistas e aos Servidores do Estado, com base num pressuposto de um gajo que eu até não gramo nem um bocadinho, mas que neste aspecto é capaz de ter razão. Já to envio na volta do Correio (se calhar até já conheces).

    E ter um defensor de peso-pesado para levar a acção a bom porto, nem que fosse daqui por um ou dois anos. Mas é um plano de tal modo ousado que ainda não houve massa crítica para avançar com ele. A maior parte da malta gosta é de botar ladradura, mas meter as mãos na massa tá quieto ó preto…

  15. qualquer plano para ter sucesso tem de passar pelo impedimento do cavacóide, enquanto houver sonso a presidir o país não vai a lado algum, os outros caem de maduros.

  16. A hiper-ligação não funciona. Depois da Páscoa tratarei do assunto.

    Boas amêndoas (que dos maus Coelhos já não nos livramos…)!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.