Estado imoral

Milhares e milhares de pessoas no meio de uma crise a contarem com o legítimo subsídio de férias em Junho, tal como manda a lei, tal como decorre da decisão do TC. Milhares e milhares de pessoas que programaram a vida que é a que têm agora, no sentido, por exemplo, de usar o subsídio para uma pequena ajuda nas suas dívidas, em processos de execução, para se agarrarem como podem. Há meses e meses a contarem com isto. No mês em que receberiam o seu direito, nesse mês, concretamente pelas 23 h de dia 11 (!!!) são surprendidas pelas notícias: afinal o MF disse que os serviços estão proibidos de pagar, paciência.

 Antes mesmo de isto ser uma ilegalidade, estamos perante uma imoralidade gritante.

10 thoughts on “Estado imoral”

  1. E tu Inácio o que tencionas fazer?
    Tencionas resolver este teu conflito com a Isabel?
    Ela faz-te lembrar a primeira miúda que te deu com os pés?
    Ou o teu desejo por ela é tão intenso, que por não ser retribuído, provoca a tua ira?
    Ou será o teu horror às mulheres?
    Se for, assume-te!
    Frustrações, Inácio, frustações!

    NB – olha que o inimigo é o PSD e o PP.

  2. e são estes senhores, que todos os dias nos (não) nos surpreendem com desmandos deste teor que nos querem anestesiar com o “pós-troika”! isto quando, como vemos, nem sequer sabemos com o que podemos contar no fim do mês … quando os credores me baterem à porta justifico-me com os mesmos argumentos que o governo utiliza para não pagar os subsídios.

  3. outário, não posso fazer grande coisa, vou esbracejando e boicotando na medida do possível, mas desde já te digo que não sou pago para dar justificações do que faço, contas é com os deputados da nação que elejeste. já agora, aquela do horror às mulheres, era piada para quem?

  4. É verdade Isabel, um (E)estado imoral. Infelizmente já quase ninguém estranha, ou se estranha não reage. Deste desgoverno já tudo se pode esperar, de acordo aliás com fórmulas repetidamente acintosas, descaradas mesmo.
    É exemplo disto a recente convocatória da totalidade dos professores de todas as escolas no dia da greve aos exames (17 de Junho), anulando deste modo a decisão do Tribunal Arbitral e os efeitos da própria greve. É hábil sim, mas duvido que seja legal. Entretanto os grevistas deitam ao lixo um dia de ordenado.

  5. alguém mais esclarecido me pode dizer se que o camilinho disse hoje de manhã é verdade?
    ele disse que é ilegal pagar o subsidio de ferias porque ainda não tinha saído o orçamento rectificativo. Eu acho que se o TC diz que é ilegal roubar o sub. ferias, o que fica a vigorar é a lei anterior, ou estou enganado?

  6. jpferra,

    pagar o subsídio de férias é formalmente ilegal, porque de facto ainda não foi aprovado o OE Rectificativo. Mas esse é que vai constituir a legalidade deste ano, como dizes, pelo que já deveria estar aprovado, a tempo e horas de se poder cumprir o acórdão do TC! Não o estar, pode até nem ser formalmente uma ilegalidade, mas é muito mais do que isso, é uma IMORALIDADE, como diz a Isabel Moreira!

    Até porque a culpa do atraso da aprovação do novo OE é de quem diz que não pode pagar, porque ele não foi ainda aprovado! Ou seja, há um claro BENEFÍCIO DO INFRACTOR!

    Só que, como sabes, uma coisa é a “legalidade”, tantas vezes meramente formal, e outra a moralidade duma governação, que não se julga em tribunais, mas nas urnas, em primeira instância, e pela História, haja ou não recursos interpostos…

    Por outras palavras, caro jpferra, é a diferença entre escrever torto por linhas Direitas, como nitidamente está a fazer este executivo (e é depois defendido pelos seus advogados comentadores, como o camilinho), e escrever DIREITO POR LINHAS TORTAS, que é aquilo que só ao Povo compete fazer.

  7. acho bem que não paguem o subsdio de ferias. agora.quando o fizerem em novembro? vamos todos passar ferias para a serra da estrela, para dinamizar a economia local.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.