Cuidado com as palavras, disse hoje Passos. Vamos a isso. Com as suas.

2013 não vai ser um ano de recessão

Vai. Brutal.

A austeridade deste ano de 2012 tem um fim. O défice a que nos propusemos

Não teve. A austeridade dobrou porque o Governo falhou.

A TSU vai aumentar a competitividade e reduzir os custos do trabalho

Mentira. Os tais custos eram de quanto? Esqueceram-se e temos uma austeridade de 9, 5 que nada tem a ver, antes inverte a lógica da TSU.

Vamos combater o desemprego

Então por que atacam os recibos verdes?

Nós protegemos os mais fracos

Então por que é que o subsídio de desemprego passa a pagar imposto (6%)? E por que é que os subsídios de doença passam a ter contribuição para a segurança social? Mentira, vergonha, gente (a)social.

Queremos que seja bom viver em Portugal

Nem morrer nem viver após a morte dos seus. Os subsídios por morte baixam.

A habitação é uma prioridade

Então por que rebentam com as deduções das rendas no IRS? E que dizer do aumento louco do IMI?

Os pensionistas vão ser protegidos

Os pensionistas foram ainda mais penalizados do que os demais

Vamos respeitar o Tribunal Constitucional

Então por que não devolvem o que pertence às pessoas? Subsídios são remuneração e reformas e pensões são dinheiro dos seus titulares.

Vamos então circular, malta, procurar emprego, não fosse tão difícil pagar um transporte público. O que está a dar é ser milionário, violar a lei, espetar com o dinheiro num paraíso fiscal e pô-lo cá outra vez com uma amnistia.

Cuidado com as palavras? Quem?

8 thoughts on “Cuidado com as palavras, disse hoje Passos. Vamos a isso. Com as suas.”

  1. Será que com tantos advogados no parlamento, não haverá um (ou uma), que consiga meter este governo em tribunal para devolver os subsídios que roubou?
    Ou os advogados que lá estão são como os deputados, é tudo para a treta?
    É que esta história dos carros, a historia dos whiskies, a história do golf e outra histórias pagas por nós já começam a cheirar mal e um dia faz-se mesmo justiça a sério, digo eu, e com muito cuidado nas minhas palavras.

  2. E que dizer do aumento louco do IMI?

    Eu digo apenas isto:
    Constituição da República Portuguesa

    Artigo 13.º
    Princípio da igualdade

    1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.

    Artigo 104.º
    Impostos
    3. A tributação do património deve contribuir para a igualdade entre os cidadãos.

    IMI versus contribuição autárquica: a GRANDE promiscuidade!!!!
    Neste momento temos dois sistemas a conviver o que, além da promiscuidade de sistemas é a maior injustiça fiscal existente neste país: temos o IMI mas temos os prédios ainda ao abrigo do anterior código de contribuição autárquica.

    Isso faz com que lado a lado, para prédios com rigorosamente o mesmo valor um pague às vezes menos de 20% daquilo que o outro paga (conheço dois vizinhos em que um paga de IMI 580 euros e o seu vizinho com um apartamento rigorosamente igual paga 160 euros de C.A). O que distingue os dois é que um foi transaccionado em 2005 (CIMI) e o outro em 2002 (anterior código).
    Os casos recentes que falam na imprensa revelam isso mesmo, imóveis que pagam 20€ a 30€, mas esquecem-se que há imóveis que já foram avaliados que pagam fortunas. Onde está a tal famosa equidade fiscal?

    Tal promiscuidade leva a que, em termos de impostos prediais 20% dos proprietários (valor patrimonial) paguem 80% das receitas e 80% do valor patrimonial gere 20% das receitas… uma verdadeira injustiça…
    O que tem de ser feito é colocar todos os prédios sobre a alçada do IMI… gerando incomparavelmente mais receitas e criando uma maior equidade fiscal…e depois de todos os imóveis estarem sobre a alçada de uma mesma lei era imperativo baixar as taxas municipais para 0.1% no máximo 0.2%. Mas isso repito tem de ser feito para todos e não só para alguns. Assim todos os Portugueses que são proprietários estavam em igualdade e estavam todos sobre a alçada de uma lei de tributação. O que se passaria se para um ordenado de 1000€ alguém pagasse 15 a 20 vezes mais IRS em relação a outra pessoa com igual ordenado, ninguém acharia justo pois não? Ora também acham justo que dois imóveis exactamente iguais paguem imposto 20 vezes superior? Mas aqui em Portugal é típico fazerem leis só para alguns que é para não incomodar muito as pessoas. Para mim as leis devem ser iguais para todos sem excepções, o que claramente não é aqui o caso, senão não teríamos uns Portugueses a pagaram muito mais IMI em relação a outros Portugueses.

    O IMI é uma das áreas que ilustra bem a facilidade com que os nossos governantes trocam princípios basilares de um Estado que é a constituição:
    Artigo 104.º
    Impostos
    3. A tributação do património deve contribuir para a igualdade entre os cidadãos

    Onde está a igualdade entre os cidadãos se uns pagam fortunas e outros pagam ninharias? A impressa, fiscalistas e ademais pessoas que vejo falar neste assunto, onde estavam em 2003/2004 quando esta lei começou a ser aplicada a alguns proprietários?

    Desde 2004, com a implementação da reforma da tributação do património, que é possível que dois vizinhos, com duas casas exactamente iguais em área e estado de conservação, paguem uma factura fiscal diferente. Para isso, basta que um tenha adquirido o imóvel em 2003 e o outro em 2005.
    Que argumentos existem para esta extraordinária iniquidade fiscal? Bom, nos primeiros anos, o sentido prático. Não sendo possível fazer uma reforma global de uma assentada – o património imobiliário é vasto e reavaliá-lo todo demoraria tempo demasiado para os depauperados cofres públicos – avançava-se com um sistema dual onde as novas regras se aplicassem apenas aos prédios que fossem sendo transaccionados.
    Contudo, para obviar a inequívoca violação da igualdade de tratamento entre cidadãos, ficou o compromisso de reavaliar, no espaço de dez anos, todo o património, de modo a sujeitá-lo a regras fiscais iguais.
    Foram promessas para contribuinte ver. Passados oito anos, a dualidade mantém-se e a tal avaliação geral do património continuou preguiçosamente engavetada… até ter chegado a troika.
    O memorando assinado exige que todo o património, rústico e urbano, seja avaliado até ao final de 2012. Dito de maneira mais clara conseguirá este governo fazer em pouco mais de um ano uma tarefa que os quatro governos anteriores não conseguiram ou quiseram fazer em oito?

  3. Se devemos, temos que pagar. Quem gastou o dinheiro não fomos nós? Em parte é verdade. Mas foram aqueles que nos governaram e que foram lá postos por nós. Não podemos fugir às responsabilidade. E aqueles que hoje na assembleia atacam este governo também lá estavam. O preço da democracia não são os 210 mil euros que o PS gastou nas viaturas de alta cilindrada, o preço da democracia é o que pagamos por eleger incompetentes para nos governar. Incluindo os merdosos deputados do PS, como a esganiçada isabelita, amnésicos e sem nenhuma solução benzó-o-deus, espectáculo verdadeiramente patético. Vocês NÃO PRESTAM. Cheiram a SEGUROlha …

  4. Como é que um tipo que ganhava, no mínimo, 10 vezes mais que o salário mínimo tem que ser ajudado pelos pais ? Ou, como é que ainda existe lata para tanta aldrabice ? Especialmente vinda de um dos principais culpados da vigarice que as PPPs constituíram.

  5. Estou de acordo com o João Rosa. Temos de pagar. Resta saber como e o quê.
    Já toda a gente percebeu que uma parte da dívida foi contraída pelos sucessivos governos e que não deve ser assacada ao cidadão comum (a chamada “dívida odiosa”). É extraordinário que os deputados do PS (incluindo a Isabel Moreira) não falem desta dívida.
    Sim, os deputados do PS não prestam e a razão é simples: também têm telhados de vidro.

  6. @AS PALAVRAS. Invejoso, mesquinho, cobardolas, maldizente são alguns dos epítetos que sem tocar na tua arvore geneológica me apetece classificar um artolas que pensa (se pensar) o que escreveste.
    É da tua conta as ajudas que os pais ou seja quem for decidem dar a quem quer que seja?
    Além da dor de corno tens mais algum prejuízo na tua vida com estas dádivas?
    Por acaso viste os argumentos ao apresentados ao vivo pelo cidadão que insinuas?
    Sabes quanto é 100 vezes mais que 485 euros?

    Vai bardamerda ranhoso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.