Banco de Portugal, a propósito

As previsões do BP não podem ser sujeitas a batota. Não há ali “coisas boas e coisas más”.

Não. As previsões são a confirmação, mais uma vez, do erro das previsões do Governo: o mesmo é dizer, do erro da insistência do Governo num fanatismo patológico no que toca à sua receita rumo à derrota final.

Grave é que a este ritmo a derrota é nossa, é de quem perde o local de trabalho, é de quem perde direitos sociais, é de quem é esquecido pelo Estado no momento de receber o devido após uma vida de descontos, é de empresas e empresas a falirem e, por isso, a entrarem no número da “recessão” e do desemprego, é de quem não pode pagar impostos que matam num afogamento um hipótese de vida, é dos jovens que desistem deste bocado de terra tornado apertado de mais para eles, é dos pobres, é da classe média, é de Portugal.

As atuais projeções apontam para uma contração de 1.9 por cento da atividade económica em 2013, após uma queda estimada de 3.0 por cento em 2012 (Quadro 1). Esta evolução implica uma redução acumulada do produto interno bruto de 7.4 por cento durante o período recessivo de 2009-2013″, refere o BP.

Isto significa que o Governo, tal como no ano passado, atirou-se a medidas de austeridade acompanhadas de uma previsão otimista de crescimento económico.

Este ano, dobrou a austeridade e dobrou o erro na previsão. Basta este exemplo para demonstrar a irracionalidade a que estamos sujeitos.

Não se paga uma dívida em contração económica atrás de contração económica, para mais acompanhada de uma austeridade violenta que reduz um país à pobreza.

Mas aqui estamos. A ler isto. E estamos em Janeiro.

Nada como cortar 4 mil milhões de Euros na Saúde, na Educação e na Segurança Social.

Está-se a ver que o país aguenta, não é? 

23 thoughts on “Banco de Portugal, a propósito”

  1. Sr.ª Deputada Isabel Moreira, vê alguma coerência entre aquilo que diz, o alarmismo com que fala e a sua atitude de não ter votado favoravelmente a moção de censura contra este governo? Os eleitores, as pessoas que a elegeram sem fazerem a mínima ideia de quem a senhora era, a senhora, que vota não de acordo com as suas convicções (tê-las-á assim tão fortes ao ponto de se bater por elas?) mas sim consoante a estratégia e os interesses específicos desse seu partido, que tem como líder uma pessoa manifestamente incapaz de constituir alternativa, ainda que seja a um bando de malvados como os que compõem o atual governo, estão fartos, os eleitores, dizia eu, fartos de tática política. Tire consequências das suas palavras, senhora deputada, exija sem rodeios a demissão do governo, não transija quando é o futuro do país que está em causa. E, já agora, não faça figuras tristes, como foi o caso da sua participação naquele inominável evento em que apareceu a pintar umas paredes pejadas de obscenidades. Seja uma deputada, senhora deputada.

  2. Gostei de ver o PS dar um primeiro murro na mesa, recusando a fasa da comissão parlamentar destinada a caucionar a subversão do Estado Social. É curto, para tanta violência do governo e dos partidods que o apoiam. Mas é um começo. Falta o murro em Seguro, porque o homem “não dá mais que isto”.

  3. Pode ser ofensivo para a vossa comunidade, mas o Governo está no bom caminho. Todos olham para o relatório do Banco de Portugal, mas poucos falam das taxas de juro que Portugal conseguiu financiar-se no leilão realizado esta semana. É um bom indicador.
    Com isto, não quero, de forma alguma, branquear os erros cometidos nas previsões macroeconomicas do Governo. Mas hoje é fácil falar mal do governo. É moda estar contra este governo. A questão é que ninguem aponta caminhos alternativos crediveis. Dizer que “não pagamos” ; ” FMI vai-te embora” , não resolve o nosso problema. Acho que para haver uma verdadeira refundação do Estado, tem de passar primeiro, por uma maior exigêngia de todos nós, no nosso trabalho, nas nossas vidas, para depois exigirmos mais do Estado.
    Já agora, gosto estar fora de moda, não me preocupo ir contra a corrente. Tal como em 1987 era moda estar ao lado do Cavaco Silva, eu preferi estar do lado do Professor Adriano Moreira. Fiz campanha pelo CDS na Amadora. Eramos poucos, mas não abandonamos o Professor.

  4. Só para responder a este ataque pessoal, que será a única vez que o farei, pois acho que não é o espírito deste blog. Tenho que dizer à Ignatz, primeiro, desfiliei-me do CDS no dia em que o Paulo Portas se tormou presidente do partido. Segundo, ao contrário do que afirmou, o Professor Adriano Moreira, continua a ser filiado no CDS, não desistiu. É o único antigo presidente do partido que continua filiado. Tenho o Professor como uma referência. Li sempre, além de alguns dos seus livros, os seus artigos no jornal Público. Mais, guardei-os todos. Para mim o Professor é um homem com uma grande lucidez. Tenho pena de não ser mais ouvido. É, para mim, o Raymond Aron português.

  5. Pedro Onix os blogs servem para dizermos o que pensamos, mas sem atacar pessoalmente ninguem. Muito menos quem escreve neste blog. Não creio que a Isabel Moreira necessite de mim para se defender. A única coisa que devo ter em comum com ela, é o facto de admirarmos muito o Professor Adriano Moreira. Mas o que me fez vir para este blog, é a forma divertida como ela escreve e leva isto tudo. Podemos ser sérios no que fazemos e dizemos, sem termos de ser agressivos, mesquinhos, moralistas e arrogantes. Acho que ela deve ser como é. Ser deputado é isto, defender o que pensa e representar quem o elege.

  6. pedro onix,quando foi que no bloco e pcp um deputado pôde votar de maneira diferente dos seus camaradas? quem conhecia as ratas catarians martins e quase todos os outros que são eleitos deputados? quem vai para milititante de um partido e depois eleito deputado tem obrigaçoes para com esse partido.os socialistas em materia de liberdade de voto no parlamento não recebe liçoes de ninguem e muito menos de um chantagista barato e desesperado.nós vamos para poder quando o povo quizer e para já só nos dá 34% dos votos. quando tivermos a maoria nas sondagens vamos a votos para não ficarmos refens dos bandalhos do costume. Nota: isabel, espero bem que lhe sirva de liçao o comportamento deste esquerdelho de merda.vê isto na oposiçao com 4 ou 16 deputados agora imagine-os no poder.

  7. Caros amigos, esta manhã li no Jornal de Negócios que os pensionistas com reformas milionárias, irão perder 90% desse rendimento. Ainda vamos ver muito bons banqueiros e gestores reformados da nossa praça, a serem fotografados orgulhosamente ao lado do Putin, a mostrar o passaporte russo.

  8. a dona francisca tá com pena do jardim gonçalves e eu tou com pena de si por falta de verba para ir além do título, as contas são para 85% acima de 2 milhões de reforma anual. deve haver bué de reformados na amadora a receber 2 megas.

  9. francisco rodrigues, diz muito muito bem, ser deputado é representar quem o elege, não é fazer figura de espantalho no parlamento, refém de táticas partidárias cujo interesse para o país é altamente duvidoso.

    nuno cm, “esquerdalho de merda” diz muito acerca de si e do seu nível. deve achar que lhe fica bem a obscenidade, que é chique, sei lá…

  10. dizes bem, refém de tácticas partidárias, mas do blocoiso da escardalhada. por mim já tinha ido para a bancada do lado praticar anacletismo.
    esquerdalho do caralho é muito mais bon chic bon genre, sei lá… e dá pra usar com farneleira chanel.

  11. onix,e o contraditorio? nada a dizer não é verdade? mantenho o esquerdelho e retiro “o de merda” pois é uma palavra pouco usual na nossa praça. só se usa em situaçoes excecionais como:jogador de merda,golo de merda, nosso primeiro de merda,presidente de merda, lider de merda, politico de merda. como vê esta bem acompanhado.

  12. Ignatz você é pior que sodacaustica. Onde está escrito por mim que eu tenho pena de algum banqueiro? Muito menos do senhor que vem mencionado por si. Continuo a dizer que não se deve pessoalizar as situações, pois não é esse o objectivo dos blogs. Além do mais, se tenho alguma pena, é de andarmos sempre a ver o que os outros ganham. Eu, pessoalmente, não estou preocupado com a minha reforma, pois sou empresário (trader de cereais) e espero trabalhar até morrer. Não conto os dias que faltam para me reformar. Nem tenho idade para pensar nisso. Talvez seja isso que faz hoje a nossa autarca de Palmela. Espero que goze bem a sua reforma aos 47 anos.
    Só um detalhe, tenho muito orgulho das pessoas da Amadora e de ter crescido e vivido naquela terra. Na minha juventude visitei e ajudei muitas pessoas de bairros pobres da Amadora. Entrei em muita barraca, coisa que você talvez nunca tenha feito. Hoje já não vivo lá, mudei-me para outras paragens.
    Defendo que o apoio social não cabe só ao Estado, mas, também, à sociedade cívil. Sou contra a caridadezinha, mas acredito que uma sociedade solidária, é mais justa, evoluida e capaz de superar as instabilidades e perigos externos que se encontram sempre presentes na história da Nações.

  13. onix,quem ele representa no parlamento é o partido pelo qual foi eleito e que faz a suas opçoes politicas,que mais tarde serão julgadas nas idas ao pote. os milhares ou milhoes que votam num partido não vão certamente estar em sintonia com todas as posiçoes por ele assumidas, pois numa sociedade democratica, de livre iniciativa, de mercado aberto e de varios credos religiosos, há certamente interesses contraditorios, como tal não faz sentido o seu argumento da representar individualmente quem o elege.

  14. De toda a maneira, felicito a Isabel Moreira pelo post e pelas interrogações que, necessariamente, deveria suscitar. Eis algumas reflexões:

    1) Apenas 15 dias depois de o OGE ter entrado em vigor, os pressupostos técnicos do mesmo acabam refutados pelo BdP. A questão de ser ou não culpa do governo é irrelevante, neste caso: o governo fora avisado por muitos que as estimativas que inscreveu no OGE (e que servem para o justificar tecnicamente) estavam grosseiramente distorcidas, defeito que o governo e a maioria foram incapazes de corrigir. Resultado: chumbo do OGE pelo BdP. Culpa: governo e PSD.

    2) Um OGE tecnicamente errado é implicitamente inconstitucional. Será difícil argumentar que se aceita princípios contrários à constituição usando da tese que se está a ponderar outros factores; é que um DOCUMENTO TECNICAMENTE ERRADO não dá qualquer garantia de defender o que quer que seja; convém que isto fique bem claro: não dá sequer garantias de defender a ideologia neoliberal. Mas o ramo tuga da Goldman-Sachs, após ter tropeçado e derramado o leite quase todo prepara-se, agora, para inventar mais injúrias contra a Constituição, para se vitimizar! No entanto, não existe uma única constituição democrática, no mundo, que aceite a violação do principio da boa fé pela administração pública…

    3) Grandes dúvidas deverão suscitar a todos (incluindo ao BdP, que está por dentro do que se passa no BCE) a actual recuperação dos juros da dívida pública portuguesa, tendo em conta os números da economia portuguesa, em particular da economia interna, que não têm parado de se degradar desde que começou este PREC (Processo Reaccionário em Curso) do PSD(R).

    4) E quanto ao que o relatório do BdP não refere? O relatório do BdP só contabiliza factores externos e ainda não corrigiu devidamente o efeito do “enorme aumento de impostos” sobre a economia interna. Assim, o BdP continua, ainda assim, a sobrestimar o desempenho da economia nacional.

    5) Noto que a economia interna é indispensável ao pagamento da dívida pública, pois é a fonte essencial da receita fiscal. A questão é: deve-se a melhoria conjuntural nos juros a manipulação dos mercados ou à real melhoria da capacidade de pagamento do dívida pelo Estado português? E se for manipulação dos mercados, não estarão as “dívidas soberanas” a evoluir com antes o fizeram as do subprime?

  15. xico, não há soda caústica que te valha, não sei se reparaste que 46% do espaço desta caixa está entupido com comentários teus. falas de tudo e dizes nada, és contra a pessoalização e contas estórias pessoais, não à caridadezinha e dás milho aos pobres, não tens pena do jardim gonçalves e começas o dia a falar dos cortes nas reformas desgraçadas de 2 mega, és um exemplo de humildade cristã na amadora que entretanto mudou de ares e ficaste chocado com a reforma da autarca de palmela porque não pessoalizas as questões para não teres que ficar chocado com as reformas prematuras da presidente da assembleia e dos restantes aposentados que nos governam.

  16. joaopft.o que sabemos é que a baixa dos juros nas idas ao mercado, se deve à intervenção do bce .outra boa noticia é que as agencias de rating dentro de pouco tempo vão ter menos relevancia na vida financeira dos paises da ue. uma coisa é certa: desde que entraram em cena:dragui,mario monti e hollande, a europa está a tentar inverter o rumo do tempo do sarkozy/merkel.

  17. ignatz
    Depois do que tenho visto no meu país, já nada me choca. Para fazer comentários mais aprofundados, tinha que te perguntar se sabes porque chegámos a esta situação; Se sabes o que é a produtividade nacional e qual foi a média das últimas décadas; Se sabes qual foi o crescimento médio do PIB português das últimas décadas; Se sabes qual foi o défice da balança de transacções corrente das últimas décadas; Se sabes qual foi a taxa média de inflação das últimas décadas; Se sabes qual foi o défice orçamental das últimas décadas; Se sabes qual é a % do PIB da dívida pública e privada e como evoluiu nas últimas décadas. Se conseguires responder a tudo isto, talvez compreenderás porque a Troika está cá; porque estamos a sofrer este ajustamento acelarado; porque vai haver uma redução do PIB de 7,4% de 2009/13; porque é que os jovens, que pertencem à geração mais bem preparada que Portugal teve até então, não tem emprego e são obrigados a emigrar; porque é que o Jardim Gonçalves vai ter de ganhar menos; porque é que os meus pobres da Amadora e reformados irão ter pensões mais baixas no futuro; porque é que a sustentabilidade das nossas finanças públicas, passará por uma redução de 4000 milhoes em educação, saúde e prestações sociais; porque é que o nosso modelo de crescimento económico futuro e criação de riqueza, terá de passar por apostar nas exportações em detrimento do consumo interno. Se responderes a tudo isto, prometo que serei mais profundo nos meus comentários futuros e que não entupirei tanto este blog.
    Outra coisa, não me tratas por xico, porque só os meus amigos é que me tratam assim e tu não andaste comigo na escola.
    Agora deixa me trabalhar. Quero ver se ainda consigo vender umas toneladas de milho.

  18. isto está no estado que está por causa de xicos como tu que andam a vender milho em vez de o plantar e depois dão lições de moral aos desempregados que criam e aos rsi(s) que não empregam e comem bifes com a torneira aberta. os 4 gigas é o valor das medidas para dinamizar a economia, tipo fecha no estado e abre no privado com entrada reservada a sócios ou portadores de relvasexpress.

  19. Ignatz
    Não sabes mesmo nada sobre a minha pessoa. Este ano plantei 650 ha de milho em Portugal. Sabes quantos produtores produziram mais área do que eu em Portugal? 4 apenas. Criei directa e indirectamente 15 empregos sazonais (6 meses). Para o ano há mais, se os preços do milho em Chicago permitirem.
    Fiz 650 ha por minha conta e risco. Não recebo subsidios, ao contrário dos outros produtores.
    Arrendei as terras, fiz uma parceria com um prestador de serviços agrícolas e lá embarquei nesta aventura. O milho é uma produção cara em Portugal (+/- €180 por tonelada). Sem subsídios, só se pode fazer quando os preços no mercado internacional estão acima dos €200 a tonelada. Foi o que aconteceu este ano. Para a próxima colheita, pois o milho só começa a ser plantado entre Abril e Junho, veremos como irão evoluir os preços. A colheita na América do Sul (Brasil e Argentina), que terá lugar em Março, influenciará a área plantada este ano em Portugal. Se tiverem uma boa safra, os preços no mercado mundial irão, indubitavelmente, descer até Junho. Isso afastará muitos potenciais produtores do milho em Portugal.
    Também sou importador, pois o nosso consumo anual são de 1,8 milhões de toneladas e nós só produzimos 600 mil tons.
    Agora tenho que trabalhar.

  20. resumindo,o xico é o responsavel pela pipocas que ouvimos trincar nas salas de cinema?já agora, se não se importa perguntava-lhe se não há hipoteses de se produzir mais? e qual a area necessaria para produzirmos as tais 1200 ton.de deficit. quanto ao tratamento por tu é a norma da casa.

  21. eh pá! assim não dá, ali atrás eras cereal trader, agora és produtor e importador, não tarda és o general mills do alqueva ou mesmo cereal killer no próximo conto de fadas da felícia caprina. desculpa lá a minha ignorância, mas a minha wiki não tem essa página, o mais bucólico que se arranja é xico rodrigues lobo e o milho do regadio campos do lis. os números acima não batem com a associação de produtores que fala 1,2 de consumo e 0,8 produção com tendência para aumentar por causa do alqueva, mas milho não é o meu forte, sou mais prá pipoca.
    http://www.youtube.com/watch?v=Q_wy_Pr1bqM

  22. Acabei de ler no jornal de negócios que o Governo que eu apoio, quer criar mais 15 portagens nas auto-estradas portuguesas. Começo a ter de dar razão a quem diz que estamos em pleno PREC novamente. Em 1975 eram criadas barrangens, a torto e a direito, de Rio Maior para Sul. Neste novo PREC as barragens foram substituidas por portagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.