Espero que não gastem as balas todas no António Borges

Confesso que tenho visto com algum espanto a onda de indignação que se gerou com a morte de António Borges. Não por pensar que as suas ideias não merecem indignação, merecem e muito, mas por esta onda de indignação ter surgido em força só agora no momento da sua morte. E espanto por esta onda de indignação não se estender ao Governo que o contratou e que tem posto em prática as suas ideias. Até parece que o homem obrigou Passos Coelho a seguir os seus conselhos e que é o único responsável pela política de empobrecimento e de cortes que o Governo tem levado a cabo. Se calhar alguns dir-me-ão que sim, que António Borges era a voz dos grandes interesses económicos e que o Governo tinha mesmo de o ouvir. Então por que razão nunca se gerou uma onda de indignação pelo facto de termos um Governo de fantoches totalmente manipulados por pessoas como o António Borges? Em vez disso, o que se tem visto é uma onda de apatia, que se estende, inclusive, aos partidos da oposição. Mas, pronto, podemos sempre esperar tranquilamente que morram todos e no fim fazemos uma grande festa.

20 thoughts on “Espero que não gastem as balas todas no António Borges”

  1. “Então por que razão nunca se gerou uma onda de indignação pelo facto de termos um Governo de fantoches totalmente manipulados por pessoas como o António Borges?”

    Anda muito distraída. O que nunca faltou foram ondas de indignação contra Borges.

  2. O mal é que nos ficamos sempre, pelas grandes ” ondas de indignação”. No fim acabamos por nos espraiar mansamente pela areia. Somos inconsequentes, com as grandes nossas indignações. Talvez seja esse o nosso destino

  3. Mas afinal o que fez António Borges por este país, para assistirmos agora a tantas loas e elogios fúnebres, por parte daqueles que nos governam? Borges apenas cuidou dele, e, enquanto esteve no Goldman Sachs, no Cittibank e no FMI, ainda contribuiu para agravar a imagem do país… Estas, são razões para muitos portugueses rejeitarem o coro das carpideiras que agora choram pelo defunto. É natural a indignação que por aí vai.

  4. Ó Guida, parece que está a haver uma certa confusão…a indignação não é com a morte do Borges. O problema é que houve um palhaço em Portugal, que se lembrou de enaltecer um defunto em detrimento dos outros.
    Até parece que o finado em questão, foi glorificado pelo número de vidas que conseguiu destruir.

  5. Carlos Sousa, vai uma enorme confusão, vai. O homem era conselheiro do Governo, foi um dos braços direitos da Ferreira Leite, era um deles. As ideias que tinha eram e, aposto, vão continuar a ser bem acolhidas pelos actuais governantes. Estavam à espera de quê, que não o enaltecessem no momento da sua morte, ou que viessem enaltecer mais outro qualquer defunto? E se o tal palhaço tivesse chorado baba e ranho com a morte dos bombeiros já podia enaltecer o Borges à vontade?

  6. Não Guida…
    Assim como o tal palhaço não chorou baba e ranho com a morte do Borges também não era preciso chorar baba e ranho com a morte dos bombeiros, mas se quer enaltecer um tem de enaltecer os outros.
    E o homem não tinha só ideias (pagas a peso de ouro, por sinal), como deves saber, era também responsável pelas privatizações.
    Os bombeiros existem em função do próximo, e podem morrer no exercício da sua função, e só esse simples facto merece no mínimo um louvor.
    Deixa-me fazer uma pergunta…
    O que é que o Borges fez?

  7. Carlos Sousa, parece que a confusão continua, por que é que me fazes a pergunta? Não defendo as ideias do Borges em momento algum, nem digo que não são merecedoras de contestação, pelo contrário. O que digo é que gostaria que essa contestação se estendesse a quem o contratou. Parece que tem existido abundante contestação ao Governo e sou eu que ando distraída, mas mesmo assim…

    Também te deixo uma pergunta: tens mesmo a certeza que era o Borges o responsável pelas privatizações? Estava mesmo convencida de que o responsável é o Governo, lá está, e que o Borges, não sendo ministro, era apenas conselheiro para o assunto. Adivinha quem agradece este tipo de confusões.

  8. Carlos Sousa, pelo menos um assume a sua ignorância. Não sabe o que Antonio Borges fez para merecer o elogio de muitos portugueses. Pois além de muitas outras coisas foi o número dois do FMI. Foi um catedrático de renome internacional. Um economista mundialmente reconhecido, só por ter representado o povo português com este brilhantismo mereceu estas homenagens.

  9. “Um economista mundialmente reconhecido, só por ter representado o povo português com este brilhantismo mereceu estas homenagens.”

    ganha juízo pá! foi o principal comissionista do endividamento nacional, depois foi consultor da velha para esconder a dívida que ajudou a vender e acabou como vendedor avençado do património nacional para pagar a mesma dívida e só não ajudou a contrair mais dívida porque entretanto morreu.

    “Pois além de muitas outras coisas foi o número dois do FMI.”

    porteiro, talvez e deve ter sido da porta dos fundos. fez constar que era quase dono da goldman, mas foi para impressionar o cavaco e outros pategos a quem vendeu dinheiro ao dobro do preço e quando acabou o negócio foi despedido.

    “Foi um catedrático de renome internacional.”

    pensamento nickles, obra pickles e projecção intelectual batatóides

    http://economico.sapo.pt/noticias/nao-produziu-pensamento-original_175924.html

  10. concordo, borges representou o povo português com brilhantismo, defendendo que os ricos deviam ficar mais ricos e os pobres mais pobres e os empresários do meio (os 98%) eram uns ignorantes por não defenderem a morte do cosumo e a escalada fiscal. Também com brilhantismo participou na mafiosa organização goldman saca, especialista em geradora de crises.

    Só não me representou a mim, mas eu sou uma minoria.

  11. guida,
    a onda de indignação surgiu muito antes da morte do borges. o que surge agora é a onda de hipocrisia defensora da faceta odienta e carismática do ultraliberalismo ultra everything that fucking moves if it’s not finantial interest.

  12. Borges foi a Joana Vasconcelos dos teoricos económicos portugueses : tal com a referida artista, muita parra, pouca uva.
    Não merece os elogios que certa casta social de gentes ( por sinal consumidoras da Vasconcelos) por aí anda a impingir.
    Nem mais nem menos.
    Que descanse em paz e que desapareça o quanto antes das páginas justas da história.

  13. Um catedràtico de renome internacional, e um economista mundialmente reconhecido , diz o Campus…

    E eu respondo olhe que não olhe que não

    Foi um deligente e bem pago funcionário da Banca,, e serviu a contento os seus patrões.

    Não se lhe conhece obra teórica inovadora, nem se consta que alguma vez tenha sido proposto , para algum prémio internacional na sua área da economia.

    Teve realmente uma capa na Fortune, mas convenhamos a Fortune não é a Time….

    Por Portugal e pelo seu povo não fez nada de relevante.

    E conseguiu na morte um consenso, a maioria dos portugueses destestava-o

  14. ” não queimem as balas todas com antonio borges” se nos quer dizer que há outros responsaveis na direita ainda vivos, por esta pilhagem ao povo portugues, estou de acordo consigo, e era bom que não ignorassemos o conselho.

  15. Ó campus é pena sofreres de dislexia, senão tinhas lido a pergunta correctamente. Eu perguntei o que é que o Borges fez, e não o que é que o Borges foi.
    Mas acredita que eu fico muito contente por prestares homenagem ao homem que foi responsável pela ruína de milhares de famílias, e sabes porquê? Porque fico com a certeza, que esse, não vai desgraçar mais ninguém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.