A festa do porco

3X-Porco-sub_dividido.jpg

A propósito do Ano Novo chinês, o programa Nós, RTP, fez uma reportagem na Escola Chinesa de Lisboa. Entrevistaram petizes, entre os 6 e os 10 anos (suponho), os quais explicaram a seu modo, espontaneamente, a História e cultura dos seus pais e venerandos avós que assim se celebrava. Mas explicaram através de uma alma lusa, com todos os meneios e particularismos léxicos da Língua observáveis numa outra qualquer criança descendente de Afonso. Uma menina até chegou a ficar envergonhada quando nomeou o ano da Cabra, no que foi uma deliciosa prova de domínio semântico. A prosódia perfeita, para mais servida por singular fluência e confiança na expressão, criava um laço imediato que absorvia as diferenças faciais e etnográficas e as integrava na mesma identidade. Aquelas crianças são portuguesas, temos a mesma pátria. Então, os seus pais também podem ser nossos patrícios. E, indo por aí, chegamos finalmente à consciência de que há muita gente em Portugal à espera de cá chegar.

À espera de uma festa, onde se coma e beba bem. Onde se conviva, para viver melhor.

4 thoughts on “A festa do porco”

  1. Valupi,

    O posto está muito bem esburgado, do ponto de vista do giroflé da integração das etnias. Mas ninguém precisa ser lardívoro ou apreciador de levianos para achar estranho que nesse mapa o porco tenha o peito muito próximo dos tomates, sem respeito nenhum pelas fronteiras.

    Não haverá nenhum marchante ou carniceiro que queira explicar isso à gente?

    TT

  2. Esta é velhinha, mas como veio de um português que se passeia pela China…

    Novo prato da cozinha chinesa:
    Tuga chau chau com azeite de oliveira e figo seco com pinto ao murro…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.