Re-Intermitência

 

 

 

 

“O teu cérebro faz-me lembrar, por vezes, o do Picasso”, digo, sinceridade e seriedade, a L., companheiro de uma noite de debate intenso. “Porquê? Por parecer, por vezes, genial”, pergunta-me, surpresa e ego inflamado. “Não. Por parecer, por vezes, estar morto”, respondo.

10 thoughts on “Re-Intermitência”

  1. Pelo menos teve vida, um dia, e que vida.
    Já outros têm crânios desertos. E o que são por dentro está bem espelhado no lustro de fora.

  2. claudinha, gostava que ficasses porque, parece-me, estares a caminho da luz.
    a ires, diz-me se valeu a pena tanto veneno. :-)

    (brilhaste sempre mais quando sem brilho não foste). :-)

  3. claudia:

    Com coisas sérias não se brinca. Então, não querem lá ver que fiquei preocupado? Estás numa de gozação, miúda? É que estou habituado a ler-te por aqui, E parece que ninguém se importou com a tua «despedida», ninguém se referiu a isso. Responde se é a sério ou a brincar. Espero que seja a segunda hipótese. Se for, toma juízo, porque pode dar-me o badagaio, ouviste?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.