Adeus

Vou abandonar o Aspirina. Este projecto vivia muito da capacidade do Luís nos juntar e motivar, fazendo com que a nossa diversidade criasse uma riqueza que, bem agitada, produzia um blog com muitos sentidos. Os textos do Luís davam as linhas melódicas, eu cá fazia de desajeitado contraponto, outros, como o João Pedro, enriqueciam-no com uma inteligência sempre diferente. O desamor do Luís pelo Aspirina retirou grande parte do prazer de escrever aqui. No entanto, ficou o vício. Acho difícil dizer adeus aos blogs, só consigo dizer: até já, aqui ou em qualquer outro ponto do ciber-espaço.

35 thoughts on “Adeus”

  1. Pena…perdeu-se mais um crítico, recentemente com tiques de censor, com uma cabecinha igual á de todos os outros assessores

  2. Rui Castro:

    No estado em que a Direita se encontra ultimamente, acho que nem com a ajuda Deus himself a coisa lá vai.

  3. “…O Luís Rainha cometeu a imprudência de me convidar para esta embalagem. Trata-se de um conspícuo erro de casting; mas o homem também tem direito a errar, apesar de tudo…” Valupi, no seu post inicial – 29/11/2005.

    Próximo episódio: Valupi vem informar que se alguém deve sair é ele.

    Tudo o que eu possa dizer sobre o assunto é abusivo porque o blog é vosso, mas mesmo assim, cá vai: porque é que não conversam uns com outros, esclarecem o que têm a esclarecer, e só depois, se for caso disso, vêm informar que vão dar outro rumo ao blog ou pura e simplesmente acabar com ele?

  4. Eu assino por baixo!

    (o que acontece quando estas coisas são discutidas em público já todos nós sabemos)

  5. Atenção: não é uma questão de sair por me incompatibilizar com quem quer que seja. Nem me passa pela cabeça que alguém se ofereça para sair, com intenções de aplacar uma inexistente ira.
    Nada disso. O blogue tem vida própria e vai seguir os seus caminhos. E claro que o Valupi continuará a ser parte da sua alma. Discordo (e muito) dele a espaços; mas foi precisamente por isso que o convidei inicialmente!!

  6. As televisões portuguesas (e os outros órgãos de comunicação social) têm vindo a censurar documentários e entrevistas passados na CNN e na Fox News. Porque é que as estações nacionais escondem aquilo que os cidadãos americanos têm vindo a saber?
    Por isso, para furar este cerco de censura, absurdo, deixo-vos com este artigo, publicado em:
    http://sociocracia.blogspot.com ou em:
    http://paramimtantofaz.blogspot.com/ e em:
    http://wwweditorial.blogspot.com/

    (se outros houver outras reproduções, solicito que me informem)

    Que confiança podemos ter nas “nossas” notícias, quando nos ocultam factos destes? Que crédito nos podem merecer os nossos meios de comunicação?
    Ajudem a furar este cerco censório, que faz de nós um país atrasado, um país do terceiro mundo, sujeito a uma ditadura absurda, controlada por Washington… mais até do que a própria América, divulguem esta mensagem, por favor!

    Na semana passada, o actor norte-americano Charlie Sheen (do filme Platoon – Os Bravos do Pelotão, Wall Street) colocou a carreira em risco ao dar duas entrevistas ao activista Alex Jones, nas quais pôs em causa a versão oficial dos atentados de 11 de Setembro de 2001.

    Foi desta forma que ele se juntou a um grupo de centenas de personalidades que, nos últimos quatro anos e meio, têm vindo a público afirmar que a versão oficial não só é implausível como impossível, chegando a violar as próprias Leis da Física.

    Este grupo inclui Andreas Von Bülow, antigo ministro da Defesa e da Tecnologia da Alemanha e ex-director dos Serviços Secretos Alemães;

    Michael Meacher, ex-ministro do Ambiente do governo britânico de Tony Blair;

    Ray McGovern, antigo conselheiro presidencial e ex-analista da CIA;

    Paul Craig Roberts, Secretário do Tesouro durante o mandato do ex-presidente norte-americano Ronald Reagan e pai da sua política económica;

    Robert Bowman, antigo director do Programa de Defesa Espacial Star Wars e ex-coronel da Força Aérea dos EUA;

    Steven Jones, Professor de Física da Universidade de Brigham;

    David Shayler, ex-oficial do MI5, os serviços secretos britânicos;

    Morgan Reynolds, Professor catedrático da Universidade A&M do Texas que integrou o governo do actual presidente norte-americano George W. Bush durante o seu primeiro mandato, e muitos, muitos outros.

    Para ler o texto completo e ter acesso aos links, p.f. visitar um dos blogs indicados…

  7. Tinha prometido a mim mesmo deixar de comentar no Aspirina… Não gosto da forma como certas pessoas reagem à crítica e não tenho gostado de alguns posts…
    Mas sempre que aqui passava e havia posts do Nuno tinha vontade de voltar…

    Discordo muitas vezes do Nuno mas aprecio a forma inteligente como ele escreve…

    Criei, já lá vai tempo, por aqui algumas polémicas, fui respeitado sempre pelo Nuno… O mesmo não posso dizer de outros…

    Sai o Nuno, perdem também um leitor…
    passem bem…

  8. Rui Castro: malta decente da direita ? Só se for eu… que por aqui não vejo mais ninguém. Só enculés de Bush… bof…

  9. É pena, apesar de todas as discordâncias e concordâncias. Que se mantenham pelo menos as argutas imagens que apareciam de surpresa. Avise/a no regresso.

  10. Há mais de 2 anos que tinha deixado de comentar nas diferentes versões do BdE, facto que de vez em quando ainda é recordado por alguns pesquisadores “simpáticos” em janelinhas de outros blogues.
    Mas não foi por este motivo que cá vim, nem por saudades, apenas para dizer que o Filipe Moura é que é um grande bacano.

    E pronto, estou já de saída.

  11. só outra questão que já me esquecia.

    Mudando de nome, de gerência, de grupo, de partido, do que vier à ideia, o importante mesmo é que o Jorge Mateus continue a mostrar essas maravilhas na blogosfera

  12. A blogosfera perde muito com a dissidência de dois dos seus mais ilustres – Luís Raínha e o Nuno Ramos de Almeida do Aspirina B. Provavelmente deixarei de a tomar diariamente…
    Um abraço aos dois.

  13. Todos os dias leio o Aspirina B. Nunca comentei mas agora não posso deixar de dizer algo.
    E é para ti Nuno. Não abandones um projecto que também é teu. Venho cá principalmente para ler o que escreves. A opinião, a informação, o que transmites revela uma coerência e verticalidade que é reconfortante e me faz acreditar que vale a pena…
    Embora pareça lamechas, peço-te: por favor não abandones o Aspirina B. Onde te vou ler depois?

  14. Escrevi,
    Não chora, aguenta. Podes sempre continuar a ler o Nuno Ramos de Almeida no jornal do Bloco de Esquerda. Este mês, aliás, deve ter uma entrevista com uma qualquer trabalhadora do sexo de um país sul americano!
    Vais ver que te divertes mais a ler esse pasquim de que o Nuno é Director (e não editor como eu uma vez o chamei!) do que este blogue “infestado” de gente de direita (que nojo; só de escrever a palavra direita até fiquei agoniado!).

  15. Caro Rui Castro:

    O Rui Castro nem sabe a sorte que tem aqui com o nosso escriba. Houve uma portuguesa que fez um estudo sobre aspectos relacionados com as trabalhadoras do sexo no Reino Unido e com isso obteve um grau académico. Consta que também ela passou a ser uma stripper ou coisa que o valha. Eu nem vou fazer mais comentários para não me agastar com a Senhora Doutora.

    É isto que me lixa na vida, toda a minha vida quis ser de esquerda, mas estas realidades activam a minha costela mais reaccionária.

  16. Nuno Ramos de Almeida, deixa de te fazer passar por um tal Rui Castro: é impossível existir um gajo de tal modo burro. Confessa que és tu que escreves aquelas parvoices no Incontinente (nome de blog rabeta).

  17. Joaquim,
    Bem pensado: só um bloquista imbecil podia inventar um gajo de tal forma primário como esse Rui Castro.

  18. “(…) o Rui Castro é filho do Carlos Castro e sobrinho do Castelo Branco (…)” e pai de 2 patetas de seu nome Joaquim e Diogo Lopes!
    Abraços aos comunoides todos que infestam e pululam apatetadamente por aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.