Ai Marcelo

“Entrevista de Costa vista em Belém como mais uma oportunidade perdida”

(Público)

Não me espantaria se o jornal Público se dedicasse por estes dias a acirrar os ânimos entre Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa. Havendo um fundamento sério no mal-estar entre os dois, noticiado pelo jornal há uns dias (e as razões estão muito longe de ser todas favoráveis a Marcelo), é também evidente que ao jornal e aos interesses que representa convém explorar este desentendimento – porque aumenta as vendas e “morde” nos socialistas por razões bem conhecidas – e dar com isso uma mãozinha a uma direita que entrou em desespero pela não chegada do diabo nem vislumbre do mesmo. Com a situação económica do país a melhorar a olhos vistos e a Geringonça a não dar sinais de quebrar no essencial, os incêndios e Marcelo oferecem subitamente uma boa tábua de salvação a quem se vê a afundar e sem maneira de chegar ao poder. O David Dinis pode estar numa de ajudar. É que estas notícias, por muito verdadeiras e objectivas que sejam, associadas a uma tragédia nacional, transformam-se, na restante comunicação social, esmagadoramente controlada pela direita, numa guerra do Bem contra o Mal, num contraponto entre “os afectos” de Marcelo e “a frieza” de Costa. Num populismo sem pudor.

É fácil omitir que a função de um não é a função do outro. Que o que se espera de um não é o que se espera do outro. Que as responsabilidades de um não são as do outro. Que Marcelo não foi eleito para governar. Que para isso teria que ter sido eleito para a chefia do PSD, coisa que não foi nem quis. Omitir tudo isto é fácil.

Ora, interesses político-jornaleiros à parte, acontece que Marcelo dá mostras de não se estar a importar nada de participar neste jogo/brincadeira irresponsável e calculista. Mais: não é de excluir que tenha sido o próprio a começá-lo. Num pequeno vídeo passado no sábado no Eixo do Mal (em que se vê Marcelo a discursar na entrega de um prémio a Wim Wenders), Marcelo mostra-se claramente desagradado com a Geringonça pelo facto de a mesma obrigar a negociações constantes com partidos anti-europeus, cujas consequências não são, a seu ver, as melhores para o país. É um escolho, de facto. Mas daí até o Presidente pôr em prática um plano de ataque a Costa e de desestabilização política deveria ir um passo muito grande. E maduramente ponderado. E no entanto, o que vemos é a presidência da República a alegar e a aproveitar as diferenças na exteriorização da “compaixão” pelas vítimas para reforçar a aura de «comandante do povo» de Marcelo e a ideia de incompetência do Governo. Muito mau. Mau de mesquinho. O que é que fez o Costa? Não chorou? Mas, mas, mas … o que é isto? O socorro está a chegar às populações como previsto! Os habitantes locais não atribuem ao Governo nenhuma das culpas que o Presidente deixa subentendidas. Nenhuma.

Convém, pois, lembrar ao actual Presidente que 1) é preciso muito mais do que beijinhos, abraços e selfies para resolver os problemas das pessoas atingidas por uma catástrofe – tarefa exigente e criteriosa que não incumbe ao Presidente; 2) nem toda a gente tem feitio para “santo” curandeiro, neste caso de “feridas psicológicas”, como Marcelo parece querer ser; 3) Marcelo não tem o direito de expor a sua personalidade (que crê impecável, mas que muitos vêem como calculista) por contraponto à de outros, que não andam aos beijos e eventualmente encaram as suas funções de forma diferente, colocando o objectivo de eficácia a outro nível.

Esta afirmação (referente à entrevista a António Costa, ontem, na TVI), se verdadeira, vinda de Marcelo, é inaceitável : “Primeiro-ministro falhou a reconstrução da sua imagem junto dos portugueses“. (vd. link acima) O que queria o Presidente? Que Costa se ajoelhasse, lhe pedisse perdão, pedisse perdão aos portugueses e chorasse?

A que ponto de irracionalidade estamos a chegar?

Um presidente simpático poderia ter mais juízo. A sério que é a visão de Santana Lopes no poder que o move?? Se é, é ridículo.

5 comentários a “Ai Marcelo”

  1. nem mais ! o Martelo quer musica , e resposta do António Costa ,e este tem de ser inteligente e só dizer o que quer dizer , e saber aguardar , tantos beijos da que qualquer dia estao enjoados com conversa de chacha dar

  2. No alto da sua alta percentagem de agrado o melhor é deixa-lo a falar só!
    Com as alterações climáticas, se não tiver cuidado pode cair das alturas em
    que se tem e, os bajuladores o colocam … já na mitologia existiu um Ícaro que
    quis voar alto só que as asas derreteram pois, eram de cera! Já o Cavacoiso
    sempre teve altas votações e elevada % na apreciação dos entendidos e aca-
    bou saindo de Belém pela porta dos fundos, por vezes a História repete-se,
    não esquecer que já houve o Presidente Rei Sidónio Pais mas, com outra
    Constituição!!!

  3. o ti célito tá defunto. ele tinha tudo calculado e foi deixando pelo caminho pontos de ignição prontos a accionar assim que o láparo desse o último suspiro para o qual vinha a ser desgastado durante os últimos dois anos o que veio a acontecer com as eleições assim como o ti célito tinha previsto, ver esta ligação entre outras “https://www.dn.pt/portugal/interior/marcelo-desdramatiza-as-suas-palavras-nao-acho-que-o-governo-va-cair-5192256.html”. António Costa inteligente e conhecedor do escorpião foi atento ao animal aproveitando os ventos que por vias do movimento anti láparo lhe iam soprando a jeito nunca descurando o facto que esta dádiva lhe vinha de um animal traiçoeiro. Acontece que o animal foi duplamente traiçoeiro ao actuar no meio dum cenário de catástrofe quando tudo e todos estavam de rastos e utilizando conhecimentos sigilosos como se os desconhecesse. Costa ficou ko mas logo se recompôs e começou a reagir ao golpe traiçoeiro o que deixa o adversário com medo porque sabe, por um lado que ficou muito exposto dado o seu jogo ficar visível por outro que tem um adversário muito mais inteligente que ele que em guerra declarada é muito mais difícil de vencer. Em toda esta reviravolta o escorpião está mais frágil e confuso daí todas as imbecilidades que tem dito e feito e mais tudo o que a seguir vai dizer e fazer que o vão tornar defunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *