5 thoughts on “Sabiam?”

  1. Nandim de Carvalho já era

    Um dos fundadores da maçonaria regular abandonou a organização. Diz-se traído e acusa a Grande Loja de ser “um deserto de fraternidade” com jogos de poder

    Ao fim de 20 anos, o ex-grão-mestre bateu com a porta da Grande Loja

    Luís Nandim de Carvalho saiu da Grande Loja Regular de Portugal (GLRP/GLLP) em litígio com o grão-mestre Mário Martim Guia. “Penso que não será como organizador de jantarinhos ou de palestras como Past GM [ex-grão-mestre] que serei útil…”, escreve Nandim de Carvalho numa carta de 26 de Março deste ano, a que a SÁBADO teve acesso.
    As queixas de Nandim são contundentes e estendem-se à forma como diz ter sido tratado nos últimos seis anos, sobretudo pelos grão-mestres José Manuel Anes, Trovão do Rosário e, agora, Mário Martim Guia: “Fui remetido a um gueto”, refere, sublinhando que não é do seu feitio ficar mais tempo à espera. “Nem mendigo nem aceito esmolas”, escreve.
    O homem que em 1996 esteve envolvido na guerra com José Braga Gonçalves na célebre Casa do Sino garante que se fartou de estar numa maçonaria propícia a jogos de poder, à cobrança de quotas e pouco dada à fraternidade. “Diria, pois, que com alívio de alguns fui considerado totalmente descartável.” Nandim lembra que nem sequer lhe foi permitido votar, em Dezembro de 2006, nas últimas eleições para grão-mestre. “Apresento serenamente o meu pedido de atestado de quite. Renuncio à qualidade de membro e sócio (…), e da GLLP demito-me administrativamente.”
    A SÁBADO contactou Nandim de Carvalho, que não prestou declarações. O mesmo aconteceu com o grão-mestre Mário Martim Guia. “Não estou disponível para falar”, disse, remetendo a SÁBADO para um porta-voz que também não fez comentários.

  2. Bem engraçado, vais ver Valupi que descobriram aquele tal de espaço-tempo complexo e bazaram. Mas a data é que não percebi. Deve ser um número complexo.

  3. “Diz-se traído e acusa a Grande Loja de ser “um deserto de fraternidade” com jogos de poder.”
    É preciso ter uma cara de pau daquelas. Este senhor, Luís Nandim de Carvalho, está a ver-se ao espelho.
    Deve-se-lhe reconhecer, é certo, o trabalho que prestou à Maçonaria Portuguesa num período muito difícil.
    Depois, teve uma posição inqualificável: faltar à “passagem de malhete” para José Manuel Anes.
    Fraternidade, ele???
    Jogos de Poder, só os outros???

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.