Portugal, viveiro de populistas

Desde que Luís Filipe Menezes tirou o tapete a Marques Mendes, o qual ainda ensaiou uma tímida e avulsa morigeração do partido, que o PSD se entregou todo na mão de estratégias populistas. Derrotados à partida perante um PS ocupando firmemente o centro com políticas sociais relevantes, espírito reformista inaudito e resultados económicos, a crise internacional e a crise da Europa foram as condições sine qua non para a vitória nas legislativas de 2011.

O PSD cavalgou desenfreado o ódio aos políticos e a desconfiança nas instituições da República. Tal postura não é paradoxal, sequer contraditória, pois o PSD pós-Sá Carneiro não é igualmente um partido no sentido militante e representativo, antes uma agremiação de interesses pecuniários e um circo de individualidades. Foi assim que vimos Ferreira Leite e Cavaco Silva a erguerem a bandeira da “verdade” à falta de um qualquer programa, por mais básico que fosse, capaz de ter valor para o eleitor. Não havia programa mas havia uma campanha com séculos e séculos de gasto e de provas dadas, a qual passava por atacar o carácter do adversário a um ponto tal que ele fosse considerado inimigo do Estado e, portanto, merecedor de ostracismo. A inépcia da Manela e do Pacheco deu o belo resultado de 2009, mas não impediu a segunda dose da receita.

Passos e Relvas prolongaram o ataque à classe política, confundida para efeitos de difamação com os governantes de então. Tratava-se de aproveitar o pânico de uma situação internacional completamente imprevisível e indomável, juntamente com as carências intelectuais da população portuguesa e respectiva fraca cidadania, para apontar as armas contra o modelo do Estado Social. Ao pintarem Sócrates como um monstro que na sua loucura e maldade tinha causado os sofrimentos da austeridade, a retórica permitia igualmente vender as benesses de uma redução do papel do Estado. E ao ensaiarem a tentativa de criminalização de governantes socialistas, tendência revanchista que chegou a níveis inimagináveis até há poucos anos, revelaram a irresponsabilidade feroz que neles habita. Foi assim que também vimos, a partir de 6 de Junho do ano passado, a concretização hilariante e pífia desta política de vão de escada, primeiro com a formação de um Governo disfuncional por ter ministros e ministérios a menos, depois com esses hinos ao ridículo que foram os cortes nas viagens em 1ª classe, a expulsão das gravatas para se poupar no ar condicionado, a abolição de feriados, a inibição de férias no estrangeiro e um sem-número de episódios onde o farisaísmo de pacotilha já nem dá vontade de rir tamanha a decadência que expõe.

Há muitas, e óbvias, razões para se utilizarem estratégias e tácticas populistas em democracia. Aliás, se não fosse o endémico populismo do PCP e do BE jamais Cavaco e Passos teriam tido sucesso em 2011. O populismo recusa ou boicota o sistema partidário democrático, ora pela direita num moralismo judicialista, ora pela esquerda num moralismo ideológico. Contudo, importa assinalar uma sua característica essencial: o populismo é consumido por estúpidos e, na maior parte dos casos, produzido por estúpidos. Assim, é comum vermos analfabrutos, por azares na vida passada ou degenerescência na vida presente, a salivarem e urraram a toque das cassetes populistas que lhes garantem soluções simplistas e imediatas, juntamente com espectáculos públicos onde os “políticos” seriam finalmente castigados pela populaça e a “gente séria” inauguraria uma nova idade de pureza e verdade. Mas não menos comum é vermos governantes populistas de uma estupidez galáctica, bastando recordar o desempenho de Relvas desde que foi para a Assembleia da República mentir sob juramento a respeito da sua correspondência com o super-espião e toda a sequência de acontecimentos a partir daí. Um estúpido normal, daqueles que se limitam a comprar o Correio da Manhã ou a escrever os discursos de Passos Coelho, não seria capaz de produzir num mês e meio a colossal estupidez que Relvas generosamente ofereceu ao seu povo.

32 thoughts on “Portugal, viveiro de populistas”

  1. Valupi, no noticiário das 20.00 de anteontem (ou talvez de ontem) na SIC mostraram um gráfico com o título “Balança corrente e capital, % PIB”. Ouvia-se em fundo a voz do José Gomes “Tadinho do Crocodilo” Ferreira, “explicando” que essa evolução era muito positiva e a prova de que as medidas impostas pela troika estavam a surtir efeito. Tanto quanto percebi, tratava-se da famigerada taxa de cobertura das importações pelas exportações, que tanto fez salivar nos últimos dias os do pote e o de Boliqueime.

    O interessante do gráfico (que começava em 2007 e ia, em previsão, até 2013) é que a tal evolução positiva, que provava, segundo o Gomes Ferreira, a bondade da receita troikista, estava representada por UMA LINHA QUE COMEÇAVA A SUBIR A PARTIR DE 2008 E MANTINHA UMA SUBIDA UNIFORME ATÉ 2012, COM UM MUITO LIGEIRO AUMENTO DA INCLINAÇÃO ENTRE 2012 E 2013. Ora entre 2008 e 2011 reinou o actual fantasma de Paris e não estava cá troika nenhuma!

    Todos sabemos que eles se fiam demasiado na capacidade que julgam ter para nos comer as papas na cabeça a qualquer hora do dia ou da noite e que o Gomes Ferreira é um mestre do frete e da cambalhota, ou pode até ser que o desenho estivesse mal concebido, mas se acaso era fiel à realidade talvez desse para tu ou a Penélope analisarem a coisa e desmascararem o paleio do rapazola, com a reprodução do gráfico aqui no Aspirina.

  2. “Aliás, se não fosse o endémico populismo do PCP e do BE jamais Cavaco e Passos teriam tido sucesso em 2011.”

    Vejamos se nos entendemos, o PSD teve sucesso em 2011 porque houve uma maioria de eleitores que votou neles. Ponto. O”populismo endémico” é sobre o quê exatamente?

  3. Excelente, Joaquim Camacho!

    _____________________________

    Zé, vejamos se nos entendemos bem: “o PSD teve sucesso em 2011” não “porque houve uma maioria de eleitores que votou neles” (39% dos votantes não são “uma maioria” de coisa nenhuma), mas porque foi de todos o Partido mais votado, o que quer dizer apenas isso, foi o Partido mais votado. Como o PS em 2009 e em 2005, o PSD em 2002 e por aí diante (ou atrás…).

    O “populismo endémico” não tem a ver com os resultados, tem a ver com os motivos pelos quais se vota e serão sempre um domínio subjectivo e de opinião, nunca poderás esgrimir com base apenas em factos. Tu podes achar que o PS (atual ou passado) é populista, eu posso achar que o PSD é populista, em especial na Madeira (e já desde há mais de 30 anos), outros poderão achar que o PC e o BE são (também) populistas. É uma discussão sem fim e só vale a pena entrar nela se estiveres disposto a ouvir e a contrapor com honestidade os teus argumentos.

    No caso deste Artigo, o populismo endémico versa “exactamente” sobre a preferência do PSD (e não só) de apelar aos institntos básicos e impulsivos em vez de preferir estimular a inteligência e o conhecimento. Ou não leste o texto?

  4. oh zé! se é endémico ou não, não sei, mas quando os comunas e a tijolada vêm para a rua, a direita sobe nas sondagens ou ganha eleições. ora vê lá se estas últimas esperas ao primeiro ministro e ao cavacóide não inverteram a curva de popularidade, só não há agradecimentos públicos para não espantar a caça.

  5. Eu ia comentar, mas depois vi melhor esta frase:
    “…um PS ocupando firmemente o centro com políticas sociais relevantes, espírito reformista inaudito e resultados económicos…”
    E acho que não vale a pena.

  6. penso eu que o Jorge Morais está a falar dos “verdadeiros” defensores das políticas sociais e dos direitos dos trabalhadores, como o Mário Nogueira, que é homem da estirpe de um Relvas. fosse eu professor e, calhando, pespegava-lhe dois pares de esatalos. certamente ainda vai ser reeleito.

  7. Populismo ? SIM!!! mas populismo, do mais rasteiro…..

    Analisem o »» O agora ou nunca, de Portas…«« ou «« Eu conheço muito bem como o País está, de Passos Coelho…«« oui ainda ,,, «« Depois da n/ voitória, as taxas iniciarão uma descida natural…..Eu conheço os “investidores” falo todos os dias com eles, de CARLOS MOEDAS….

    E que dizer do “COMPRIMISSO HISTÓRICO PORTUGUÊS” ( PSD/PP/PCP/BE ?) Não quero falar nas diversas tentivas de “matar politicamente Sócrates” Nem da “morte do pec IV” e consequente derrube do governo. Não quero falar do “padrinho” o principal culpado desse “crime”. Já falta pouco para os Portugueses serem informados de tudo isso…

    Mas os Portugueses já sabem como se iniciaram os trabalhos parlamentares….O Compromiso Histórico, mais o “padrinho” iniciaram o “agora ou nunca”….como recordo….
    a revogação duma lei do Governo de Sócrates s/ carreiras dos PROFESSORES, E A APROVAÇÃO D `UMA QUE ABRIU O ORÇAMENTO a mais 400 MILHÕES DE eUROS!!!!! E, “eles” sabiam como o País estava. Imaginem se nã soubessem …..POPULISMO ? Não!!!!. Muito mais grave, mas recuso escrever o qualificativo…..imaginem…

    N.B. O Silêncio de Sócrates é aterrador…. Até Pacheco Pereira já começa a admitir que o PEC IV teria sido bem melhor….Amanhã, há outra amanhã…..

  8. A tragicomédia é tal, que os atuais políticos dizem mal da classe política como se eles não tivessem nada a ver com o assunto!
    Mas o que é mais triste é ver que, salvo raras e honrosas exceções, a corrente formativa e informativa tende a seguir o mesmo padrão.
    Daqui a chegarem ao padrão do “botas” faltará pouco tempo até porque não se vê grande gente disposta a fazer-lhes frente.
    No PS e no BE ainda há quem estrebuche e tente lutar contra o monolitismo serôdio que por lá se instalou e promete continuar, nos restantes é mais do mesmo.
    O quanto pior melhor, tem até agora servido praticamente todos os setores da linha de combate, embora cada um tenha os seus próprios desígnios e alguns até nem são compartilháveis, mas para já servem o calculismo mesmo aquele que diz que se está a lixar para…

  9. Dando de barato tudo o resto que faz parte da cassete contra o PCP, transformado agora em “endémico populista”(?!), registo o regular e inevitável regresso a Sócrates.
    Até parece que o PS nasceu com Sócrates e morrerá sem Sócrates … a não ser que ele ressurja da bruma em qualquer manhã para animar e salvar os resistentes.
    Enfim, delírios!

  10. egar! pois é mesmo esse o receio dos bernardinos e da geróminada. quanto a k7, deves ter o curso, mestrado, licenciatura, honoris da universidade avante camaradas.

  11. Joaquim Camacho, tentarei encontrar esse gráfico.
    __

    Zé, de facto houve uma quantidade de gente que votou no PSD em 2011, mas o seu sucesso dependeu também de ter existido uma quantidade de gente que não votou noutros partidos ou que votou noutros partidos. É sobre essas razões que digo alguns disparates.

    O “populismo endémico” é aquele populismo inerente ao modo como o PCP e o BE se recusam a ser parte de qualquer solução governativa enquanto que pretendem ao mesmo tempo estar no Parlamento e receber o dinheirinho pelos votos recebidos. O discurso dos comunistas e bloquistas é sempre igual nisso de acusaram os restantes partidos de serem inimigos das suas causas, e desse modo e nessa lógica passam o tempo a fazer promessas estúpidas que apenas servem para manter a aversão à democracia entre as suas hostes.
    __

    Jorge Morais, sábia decisão.
    __

    edgar, larga o vinho.

  12. “O “populismo endémico” é aquele populismo inerente ao modo como o PCP e o BE se recusam a ser parte de qualquer solução governativa enquanto que pretendem ao mesmo tempo estar no Parlamento e receber o dinheirinho pelos votos recebidos.”

    – A solução governativa, portanto, que nos trouxe até à Toika, que nos trouxe a um desemprego brutal. Fez muito bem o PCP em não alinhar em cantigas, até porque a grande bandeira do PS para a crise é mais federalismo, ou seja, mais dependência da Alemanha. É para isso, enfim, que têm servido os votos no PS, no PSD e no CDS.

  13. Valupi deixa-te de merdas, não aceitam politicas económicas liberais, que mais que destruiram o pais.Sim,valupi, diminuir o estado e a auteridade não é solução.Se o teu conceito de governar é aceitarem essas politicas, então ainda bem que estás ai quietinho e não sais do teu computador.Na grécia havia um partido chmado pasok, que implementou essas politicas.Foderam-se pois claro

  14. João., o que nos trouxe até à Troika foi o Big Bang, uma explozãozinha que ocorreu há perto de 14 mil milhões de anos, embora não espere que compreendas o nexo.
    __

    rr, sábias palavras. Ainda bem que Portugal conta com a tua inteligência e força de vontade.

  15. é assim a vida val: as pessoas no mundo são old-fashioned way.Preferem ideias diferentes á camalionização das ideias que propoes, e acima de tudo o original á copia.Por isso é que o ps em portugal foi de vela, por isso é que a esquerda unida espanhola sobe nas sondagens e o psoe está estancado, por isso é que o principal partido de esquerda na gécia é o syriza, por isso é que o corresponde holandês ao bloco de esquerd lidera as sondagens. acima do pvda e do vvd.Estás em contraciclo com o eleitorado

  16. Por isso…..Por isso, o Pcp/BE derrubaram o PS e apanharam a porrada que apanharam!!…
    Por isso…. A Extrema Direita em França, avança à custa dos Trablhadores cansados das promessas dos …« amanhãs que cantam»» ….Continuem a pensar “SÓ” em votos e a “babar” ódio contra o PS, que de “vitória “em “vitória” chegareis à derrota final…. QUem vos avisa….

  17. oh atRRasado! tá bom de ver quando a esquerda não se entende a direita reforça, os flutuantes ps passam a psd, os pcp a cds e os be a pnr ò andas a beber licor de syriza.

  18. licor de syriza até nem é mau de sabor ignatz.Mas queres unidade: então, nao cortes apoios sociais, nao subas impostos e nao privatizes! Ser socialista ou liberal, é escolheres

  19. “O PCP e o BE são igualmente populistas como o PSD/CDS”…. “E o populismo é feito por gente estúpida e sufragado por gente estúpida….” (mais ou menos isto)

    Para o(a) Valupi o coordenador do BE e os seus eleitores são estúpidos…
    Se Louçã tivesse um “heterónimo político” ainda me havia de rir muito por ver os comentaristas do CDS-PSD-PS a saírem-se com um ufano “it’s the economy, stupid.”

  20. oh buRRo! a democracia não é a preto e branco, isso era no estado novo. eu não corto nada, quem corta é o passos with a little help of block friends, a syrização deu merda e para variar a culpa da louça ter partido é do socras. deixa lá que nas próximas o eleitorado do bloco vota pnr.

  21. ignatz, a verdade é que ou se um caminho ou se escolhe outro.O que deu merda foi o pasok a lamber os tomates aos da troika, passar de 160 para 33.

  22. e quem é que tá a governar com a direita loukanikos, sabes? tu é que te estás a lixar os gregos ao apoiares aquele memorando de agressão.

  23. loukanikos: o que é a utilidade util? Aplicar um programa que vai destruir a economia? naaa.Olha e vai chamar anormal á puta da tua mãe

  24. oh aRRtolas,

    . 1- percebo que tenhas ficado irritado por falta de argumentos mas a minha mãe ou a tua não são para aqui chamadas.

    . 2 – para que é que precisas de economia na sociedade que apregoas, pensava que era depositar batatas na caixa agrícola e receber os juros em nabos.

    . 3 – qual apoio, qual memorando e qual agressão? ganha juízo pá! agressão vejo eu na síria e o binómio gerómino/louceiro não pia. deliras à falta de argumentos.

    . 4 – por falar em lixar gregos, sabes quem é que tramou o sócrates? ou queres que te avive a memória?

    . 5 – quem está a governar é o psd + o cds, apesar de haver bué de comunas recrutados para assessores.

  25. ignatz, mas eu argumentei: e chamares-me atrasado é algum argumento? eu ofendo quem me ofender, portanto ofenderei-te as vezes que quiser
    E não estamos a falar da direita, estamos a falar de porque é que o syriza tem votos e porque é que o pasok nãotem! sim e é de memorando , porque foi um partido da vossa famlia politica que levou a grécia aonde ela está agora.Passa bem

  26. oh rástapaRRta! és tão básico que ainda não aprendeste que para se ofender alguém é preciso que esse alguém fique ofendido e o que tu fizeste foi chamar puta a uma senhora que não conheces de lado algum, o que demonstra falta de educação característica da esquerdelhada. se ficas ofendido com o que escrevo, problema teu, é essa a intenção e pelos vistos sou bem sucedido. tamém confundes argumentos com sarna, trata-te que podes contagiar a família, que não tem culpa.

  27. “…porque foi um partido da vossa famlia politica que levou a grécia aonde ela está agora.”
    oh aldRRabão! gostavas que fosse, mas tás com azar, foram os mesmos que governam agora.

  28. Ignatz,e tu conheces de me algum lado para me chamares essas coisas também?
    E quem é que implementou o memorando deles foi o ND? E achas que o problema começou em 2004? Pois..e o pasok tambem governa ehehehe,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.