30 thoughts on “Perguntas simples”

  1. A pergunta pode ser simples mas a resposta é complicada. Para mim tem servido para dar conta de poemas, crónicas, notas de leitura e pequenos ensaios que de outra maneira teriam ficado na gaveta. Par mim é um festa mesmo no meio de algumas maldades. Poderá acabar um dia mas não por eu desistir. Gosto do Blog e de Blogs, é para continuar.

  2. Val,

    Deixa as pessoas descansadas…são as férias, é para descansar a cabeça, e vens tu com as tuas perguntas “simples”. Ora esta!

  3. Durante 6 anos fui comentador residente de alguns blogues (terminei recentemente a carreira, agora sou um free-lancer das caixas de comentários). Sempre me fiz essa pergunta e nunca encontrei resposta satisfatória. Já devo ter começado uns 20 blogues, uns com o meu nome próprio e outros com pseudónimo. Nenhum durou mais de um mês porque não percebia a utilidade daquilo. Dia 1 de Setembro vou iniciar o derradeiro e definitivo. Talvez então descubra para que serve um blogue.

  4. para entreter , alguns ; para informar , outros ; para aprender , uns quantos ; para reafirmar/confrontar ideias , outros tantos ; para beber uns copos , o aspirina !
    isto do ponto de vista do leitor.
    do bloguer não sei.

  5. Para mim, no caso concreto, serve para moer a cabeça ao Valupi, biatu caralhadu.

    Tamém serbe para dare discanso á lingua e mandare umas bacuradas, mas de quando em bez, há uns aspertus que me merecem eissepciunalemente umas rispostas maije ilaboradas. Tipu ciganu.

  6. Balupie, balupizinho, fofinho do toute a bere,

    Oube lá, a tua questaõe debia ser mais subtile, pá. Dabias perguntare assim:

    Blogue é sinal de crítica?
    Blogue é sinal de liberdade?
    Sócrates gosta de blogues?
    Blogue é vício?

    tás a bere? Eu da bez em quando tiro os pompons e a makilhage, cufio a bigudaça e toca de pensare. Que axas.Olha lá, kuando é ka tu baies a responder-me? ou falare cumigo? Tás confuso é? Tás cum medu keu seja mulhere é issu? uma mulhere num fala assie, num é?

  7. Arroba, come, ponto come.

    Desculpa lá meu, num keru conumir-te o juízo pá. Tu estase erradu. No caso do aspirina, o vlogue serbe pra inflamar e é anti analgésicu, meue. Purtantos, é um vlogue com caractaristicas vem espacíficas. Apenas eue e o Giroflé e a Cláudia somos os únicos inflamatórios que andam por aqui. Comprimus os objectibos, e há por cá alguns pacientes coum sintomas agravados.
    de ka ladu estase tue?

  8. Então, serve para praticamente tudo. Este, por exemplo, serve para sairmos daqui todos inflamados, cheios de dores e febris. :)

  9. Um blogue serve como palanque. Monta-se no meio da rua, sobe-se lá para cima, e é começar a falar. Se falares bem e disseres coisas interessantes, pode ser que alguém repare, e te comece a ouvir. Uns chamam os outros, e junta-se uma pequena multidão. Se o orador deixar e for um tipo simpático, as pessoas começam a discutir umas com as outras, e cria-se uma comunidade à volta do palanque. Alguns até trazem tenda.

    Há também outros blogues que servem para oradores berrarem uns contra os outros, cada um no seu palanque. Por outro lado, os tipos que falavam das tribunas não conseguem esconder a irritação com tanto palanque junto. É uma barulheira, dizem. Mas muitos lá vão montando também o seu palanque.

    Agora se a questão for “para que queres tu um palanque”, terás que perguntar ao espelho. Mas gosto muito, mas mesmo muito, deste texto. Está lá tudo.

  10. O meu Amigo António, um luso-americano, diz ‘a minha computadora’ não sei porquê sendo um catedrático de línguas hispânicas (logo português) com muita literatura publicada. Se ‘o’ blog fosse feminino eu diria que a sua função era a pessoas prostituirem-se (sem ofensa para as (por vezes) belas postas do Val).Cum.tos

  11. Lirio,

    Desculpará. O seu amigo António é catedrático em que escola dos USA? Peço desculpa se me intrometo, porém, faço-lhe a questão, pois sou bem capaz de conhecer e ele de conhecer outros que conheço.

    Cumprimentos

  12. Com sua (dele) licença, que julgo não me levará a mal: jubilado da Universidade de Wisconsin. (A minha posta foi uma brincadeira, para o que também servem ‘os’ blogs).Já agora, também é transmontano. Ctos

  13. olha , tou ta ber , andei por aí agora a ler umas coisas aqui e acolá e parece-me que , do ponto de vista dos bloguers , os blogs servem também para se insultarem uns aos outros. kekaxas? ké axim um substituto da bola as polémicas estéreis ? paint ball a ver quem fica mais sujo de tinta ? um escape pró stress estas soaps amaricanas ?

  14. Lirio,

    Agradeço a sua resposta. Wisconsin, then. De certeza que ele conhece as pessoas a que me refiro apesar de serem estado – unidenses e também jubiladas mas pela UCLA. Um deles com cátedra na Academia Brasileira de Letras.
    Cumprimentos

  15. Arroba, dote, ponto come

    Insultar não. Jamais. Brincar sim, mas insultar nunca. Eue num insultu ninguém. mas possu riagire, tás abere.
    Nem pudia insultare pá. Num mistures as cousas, tu não ma moas o juízo pá.

  16. Val,
    Um blog é aquela coisa nova aberta ao mundo que veio substituir a velha coisa fechada a cadeado dita “a gaveta”.
    Na maioria dos casos porém é a continuação da mesa de café com inúmeras cadeiras.

  17. una computadora? É como diz o Chavez…

    Também dá para aprender a fazer sopas. Depois do sucesso das nabiças o caldo verde também saiu bem. Só que tem um problema, tenho andado com um esquentamento mental e parece que é da cebola, pelo menos por coincidência vi esse alerta em O Nome da Rosa,

    Portanto agora vai ser sopa de abóbora. Edie: tens alguma dica?

  18. Letra do alfaveto whatever,

    Esquentamentu mentale? Coitadu, onde andastes a metere a tua caveça pá?

    Oube há uma onion soup que é uma delícia e uma pea soup que nem calculas.
    Keres a receita? Eu dou-ta. Também sei fazer sopa da pedra.

    mas num saria maije facile consultares o cardápio do GIROFLÉ? Ele travalha em prole desta cumunidade aspirinica, unde tudos se kerem vem. Inté furnaceu os pressus e tudo, ora consulta. Poupas-te ao travalho, meue.

  19. Achas que reagiste à aliina ou terá sido ao ácido tiopropiónico? É que não há sopa de abóbora sem estes condimentos…

    Dicas: nada de especial. Vejamos: feijões encarnados e cebolinho flutuando sobre o fundo laranja, atenção nos temperos para contrariar a extrema doçura da abóbora.

    E foi o nosso momento Maria de Lurdes Modesto.

    Achas que o blogue também serve para aprender a fazer sarapatel?

  20. Pingback: V9 at Aspirina B
  21. bem, hoje confesso que estou autofágico: cheque-cheque de caranguejo. Ainda assim essa do cebolinho cheira bem.

    tou-te a ber pergunta antes onde é

  22. Cunta ái, pá, atãoe andas autofágicu, cum catanu, içu é maue.
    Baie uma canjinha rala de galinha do campo?

  23. Claudia, bella,

    Andas por aki, minha? Oube lá, atãoe cuments canja onte?
    Oube já axplij«kei ao Balupi pra num ta boicutare os teuse cumentarius. è pracizo condimentare os escritos de auto-prumussaõe de terceirose, tás a bere. Ora bai dar uma bolta por algunse desavafus ka tenhu feitu por aki, e berás cuncretamente o ka ta keru dizere.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.