O trotskismo é a mesma merda que o stalinismo*

* Poste pedido pelo nosso amigo António P., e ocasião para sugerir este texto; o qual, se não demonstra a tese, pelo menos permite-nos encontrar padrões de disfuncionalidade ideológica exactamente iguais nas sociedades americana e europeia ou portuguesa.

9 thoughts on “O trotskismo é a mesma merda que o stalinismo*”

  1. e na disfuncionalidade mais comum em que nada se salva (ou muito pouco) lá vamos sofrendo e rindo….destes “artefactos digitais do contemporâneo” onde trocas e baldrocas trocam as voltas ao que foi e volta ser baralhar para dar.

    e saio. vénia V. com um sorriso.

  2. Sim, piano, o jogo (da cultura) continua, por isso temos de voltar a baralhar, para voltar a dar. É isso mesmo que fazemos há 150 ou 200 mil anos.

  3. Val,

    Porra, Vale! Lá tens de vir com a treta dos ismos. Dá-te um jeito do caraças. Chama aos bois pelos nomes sem os ismos.
    Olha Val, eu sou comunista, mas nunca fui estalinista.
    Também não sou o “comuna” do PS, que ainda não actualizou a linguagem, como se tudo tivesse parado em 75, na Fonte Luminosa.
    Falando de ismos, vê bem como a História é fértil na matéria. E vendo bem as coisas, devemos fazer política com ideias e nunca com insultos.
    Acreditas ou não que devemos tender para o fim da exploração do Homem pelo Homem? Acreditas ou não que cada rico, como nos ensinou já Garrett, custa uma infinidade de pobres? É ou não obsceno que haja gente como Jardim Gonçalves, que, sem produzir seja o que for, recebe aqueles milhões todos, como se fosse a coisa mais normal do mundo?
    Ò Val e as roubalheiras que temos comentado ultimamente?
    A coisa dos soviéticos foi o que foi, mas achas que esta em que vivemos é a última e melhor forma de pensar o mundo?
    Ó Val, acaba lá com a guerra civil, que eu prometo conversar e beber um sereno copo de boa cepa contigo. Vale?
    Vale!

  4. Meu caro Val, não são propriamente a mesma coisa. Entre um stalinismo de consumo interno e um trotskismo a favor da revolução universal vão algumas diferenças. Experimenta pensar no caso do stalinismo como um daqueles cagalhões género tronco de carvalho que um gajo quando o caga até se sente orgulhoso, e no trotskismo como uma daquelas cagadas género vareta, como se diz na minha terra, que borrifa todos os sagrados cantos de uma retrete. Um marca bem a sua posição como única e irrepreensível e o outro espalha-se infantilmente por tudo o que o rodeia. Se de acordo com esta minha comparação não te fiz compreender que são merdas muito diferentes, experimenta pensar no seguinte, o stalinismo vence mais cedo ou mais tarde, nem que seja às custas de uma machadada bem aplicada nas longínquas terras do México.
    Abençoada a esquerda que tem por ídolos semelhantes facínoras.

  5. Eu da teoria da Revolução e Mudança Social nada percebo. Menos ainda de super e infra – estruturas económicas. E, na realidade, sou um explorado, por incompetência minha, desejando ser um explorador.
    Partilho, no entanto, a visão revolucionária de Raul Castro, que no seu recente discurso à nação Cubana, disse mais ou menos isto: deixem-se de tangas sobre os imperialistas, e vão mas é trabalhar seus malandros. Realmente em Cuba existem excelentes oftalmologistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.