Nas muralhas da cidade

Para quem não milite num partido, nem simpatize com algum partido, nem seja evangelista nem sectário de alguma ideologia de funda convicção ou epidérmica adesão, e que, mesmo nesse abandono e plasticidade, se saiba e queira apaixonado pela cidade – o meu caso – a situação é esta e só esta:

– PCP e BE propõem um modelo de sociedade com laivos românticos, utópicos ou alucinados (riscar o que não interessa), o qual, em coerência, não lhes suscita qualquer exercício de demonstração de viabilidade. Se a fizessem, ganhariam logo as próximas eleições com 90% dos votos. Como não a fazem, contentam-se em boicotar a democracia e chularem a República, resignados e acomodados ao tribalismo que lhes dá a identidade e o sustento.

– PSD e CDS não propõem qualquer modelo de sociedade, pela simples razão de já se encontrarem a viver no seu modelo favorito, este em que detêm a superioridade económica, financeira e social. Só se preocupam, em coerência, com o projecto do poder pelo poder. Esta condição conduz inevitavelmente a uma decadência intelectual e moral, terreno fértil para a baixa política, a cultura da calúnia e a praxis conspirativa a que reduzem o “fazer política”.

– O PS propõe o cumprimento da democracia liberal, a qual é inerentemente um processo de ininterruptas reformas. As reformas são inevitáveis pelo próprio sucesso da liberdade democrática e pela ontologia do devir histórico, os quais geram constantemente estruturas e circunstâncias novas que pedem correspondente adaptação do regime e da comunidade. No PS encontra-se o melhor do legado romântico da esquerda com o melhor da tradição pragmática da direita. Daí o PS ser atacado à vez, ou em simultâneo, pelas extremidades do sistema dado ocupar o centro agregador da comunidade agente.

Ora, este é o retrato do bloqueio que nos faz mal. Não vemos nos protagonistas, em nenhum deles, as capacidades, sequer o intento, para alterar o status quo. Que fazer? Um desfecho benéfico seria o enfraquecimento do PCP e do BE até ao ponto em que uma de duas coisas acontecesse: ou aceitavam governar em democracia, passando a negociar soluções com o PS, ou desapareciam do Parlamento, acabando o seu disfuncional papel. Igualmente benéfica seria a chegada à liderança do PSD e do CDS de uma geração de líderes que recusasse a decadência e passasse a ter o interesse nacional no centro das suas prioridades. Muito provavelmente, essa alteração de cultura seria ela própria suficiente para longos períodos de supremacia eleitoral a sós ou em coligação com o PS dada a concentração de inteligências e vontades no desenvolvimento de propostas para o enriquecimento do País.

Se nada do que atrás foi exposto acontecer, e para aqueles que continuarem a querer honrar o seu estatuto de seres livres, a terceira alternativa é a de todos os tempos e lugares: saírem de casa, chegarem-se à frente de peito cheio e descobrirem nos vizinhos os amigos com quem vão lutar nas muralhas da cidade.

33 thoughts on “Nas muralhas da cidade”

  1. e pq caralho é que não preferes que o PSD e o CDS se esvaziem? É pq preferes oscilar entre o modelo de sociedade em que já se vive e a sociedade ligeiramente mais coninhas que o teu ps defende, é?

  2. tanta confusão não sei pr’a quê, mudem o sistema para presidencialismo e fica tudo resolvido, quem ganhar as eleições tem condições para governar, sai mais barato e a escória partidária é absorvida pelo ps e ppd, que entretanto mudam de nome.

  3. Em resumo, PCP e BE são partidos anti-sistema, ou anti-status quo, pois defendem sistemas sociais utópicos ou alucinados e limitam-se a boicotar a democracia. PSD e CDS são os partidos do sistema (capitalista ou liberal), pois detêm o poder económico e financeiro e limitam-se a exercer o poder pelo poder.
    Quanto ao PS, este é o partido da redenção, pois propõe o cumprimento da democracia liberal (isto é, do sistema capitalista ou liberal), mas contra os partidos decadentes do dito sistema (ou seja, contra os seus legitimos defensores ideológicos), e também o cumprimento de um processo de reformas (neo)liberais, inevitáveis e necessárias para se dar uma boa adaptação (isto é, sem qualquer contestação, protesto ou boicote) da comunidade às novas regras do poder do capitalismo financeiro global (perdão, da democracia liberal e financeira global).
    Só que, parece, o actual PS não tem dirigentes à altura destes desafios que a conquista do poder pelo poder e o devir histórico do capitalismo (perdão, da democracia liberal) colocam. Assim, a alteração do status quo só é possivel com o desaparecimento do BE e do PCP (e da Constituição abrilista e marxizante, já agora), e/ou com a partilha do poder pelo poder (perdão, com a partilha de responsabilidades e com o consenso) entre os partidos decadentes e o partido da redenção. Porque, como disse o Cavaco, o momento grave pelo qual passamos exige consensos alargados em torno do interesse nacional, e não crises políticas que exploram a ansiedade das pessoas inocentes, pacificas e respeitadoras das instituições democratas e liberais.
    Perante este cenário só resta uma solução aos seres livres que não pertencem a qualquer partido nem defendem qualquer ideologia, mas apenas têm pancadas amorosas pela cidade: alucinar e delirar, como os PCs e BEs, e ir para a rua combater o status quo e boicotar a democracia liberal e as decisões tomadas pelos seus dirigentes.

  4. pcp e be são um estorvo para a democracia com custos para os contribuintes, não governam, nem deixam governar, andam em permanente campanha para derrubar governos e atrasados no tempo, defendendo hoje os direitos que atacaram ontem. 40 anos de puro folclore revolucionário de alternativas da treta em nome da liberdade e da democracia que internamente não praticam e se alguma vez fossem poder suspenderiam no primeiro dia de governo para terem condições de implantar os ideais que propagandeiam. agora que têm o governo que ajudaram a eleger, queixam-se das políticas do mesmo e cada vez que abrem a boca é para criticar o ps com quem supostamente querem formar um novo governo.

  5. Ou seja, o fascismo democratico .

    Nao sabia que havia isto no PS . Que o PS tinha sido tomado pelos liberais desde Blair ja era publico e notório mas que agora temos tambem Margaret Thatcher s no Ps é uma novidade.

  6. oh sebento! entre a puta da thatcher e o cabrão do quimfilho, preferiria ser mineiro em durham a ser soldado em pingpongyoung, é escolher entre ser livre com a despensa vazia ou ser aprisionado sem dispensa. bochecha com coceirol que alivia.

  7. Os porreirolas dos comunistas só têm pena que Boliqueime não seja nas Beiras.

    Então seria o paraíso para se imaginarem no paraíso fascista.

    Como eles gostam de um”fascismo”à-lá-portuguesa!

    Mas que felicidade para a uma baderna-à- prec!

  8. o cds e o psd sendo de direita,não os impede impede de defender a nossa permanencia na europa.o pcp alem de social- fascista não quer estar na UE,porque há regras democraticas a cumprir.quanto ao bloco, hoje,nao tenho duvidas que defende a permanencia de portugal,mas aguarda como nós por uma europa mais solidaria e federal. depois disto só posso dizer-vos que o pcp na minha opinião está a mais na democracia portuguesa. lutou contra a ditadura,para impor-nos outra de cariz diferente, mas mais opressivo.luta na democracia,não por melhores condiçoes de vida,mas “pelo quanto pior melhor”.a posiçao vergonhosa de armenio santos sobre o AUMENTO DO ORDENADO MINIMO, mais uma vez confirma o jogo duplo e sujo do pcp!

  9. Isto por aqui está tudo under the influence com a verborreia anti comunista a afectar-lhes a mioleira: O Val ameaça ir para as muralhas da cidade e o nunocm acha que o Arménio Santos, PSD de nascença, é do PCP. Valha-nos a Santa.

  10. dédé,o nome é tão pouco vulgar,que até o troquei.peço desculpa ao visado e retifico para armenio carlos. essa do anticomunismo,já nem barbas tem.dédé,mantem as “fezes”!

  11. Conclusão, para o Valupi a ESQUERDA portuguesa é alucinada, e deveria desaparecer, para que o Ps podesse fazer todas as negociatas e arranjinhos com a direita e a extrema-direita, sem que ninguem os incomodasse.

    É caso para chamar o Galamba , para ele repetir o que escreveu sobre o Cavaco.

  12. a cgtp inicia uma negociação pelo aumento do salário minimo, onde se equaciona a defesa dos custos de contexto (energéticos e outros) e o acesso a financiamento; a ugt na genética vocação traidora mete-se ao barulho e aceita a demagógica descida da tsu para as empresas – acentuando o descalabro da segurança social – e o arménio é que é mau, valha-nos nosso senhor jesus cristo, que longe vai a parvoíce.

  13. O PS sempre em conjunção com o PSD foi dos que mais prejuizos trouxe para o povo: BPN, PPP, Swaps. Não há perda de milhares de milhões nos últimos anos em que o PS não esteja envolvido.

  14. Sim, sim, põem os óleos a ferver, preparam os pedregulhos, sobem às ameias, e só depois é que se lembram da greve das pontes levadiças e reparam que já não está ninguém lá fora.

    E ainda bem, senão ainda acabava tudo à cacetada, em cenas deste género:
    http://www.youtube.com/watch?v=9V7zbWNznbs

    A calma é boa conselheira.

  15. nm.os trabalhadores com a cgtp,vão de vitoria em vitoria até a derrota final.depois de não cumprir a lei laboral com os seus proprios trabalhadores (bem prega frei tomas…)trai os restantes nas empresas, com rejeiçoes sucessivas de acordos colectivos de trabalho.o principio do “quanto pior melhor” (que jeronimo quer colar ao ps,sem resultados) está bem presente tambem nesta estrategia.nota: os professores e os funcionarios publicos,estão pelos vistos a viver um periodo vibrante,dada a ausencia de greves! arma sempre utilizada quando os socialistas estão no poder.que os pariu.

  16. Tens, Nuno Cm, uma memória muito selectiva se não te lembras das greves que tem havido, desde sectoriais, com professores, transportes, guardas prisionais, etc., às gerais, duas, com o Governo do PSD-CDS/PP.

    O “quanto mais assinarmos melhor” da UGT cujo ex-secretário-geral ontem lá vi na mesa do Congresso do PS tem dado um resultadão. Vivemos no melhor dos mundos.

    Hás-de explicar-me agradecia, que caminho defendes para a Europa que nos vá tirar da crise em que nos enfiou – sempre sem auscultação nem explicação do que realmente estava em cima da mesa e que tão bonito é, embora tenhas a lata de chamar à coisa democracia. De que forma é que a solução federalista nos trará um mundo melhor, se até os camaradas holandeses de Seguro nos trama diariamente a vida. Diz-me lá como vai ser esse milagre fabuloso, que já há dias te expliquei o que achava que devia ser o caminho da Europa.

  17. nm, dá-me vontade de rir essa das greves setoriais nos professores.onde estão as grandes manifs? trocaram a dignidade e a educaçao pelas avaliaçoes.trabalhei 30 anos numa empresa onde o acordo coletivo só foi assinado 2 vezes.isto tambem faz parte da politica “do quanto pior melhor”. nm,quem nem voto tem para a eleiçao do seu sec geral,não tem autoridade moral para reivindicar nada da europa!fica descansado que o caminho da europa há-de ser melhor do que o da europa do social-fascismo que jeronimo te continua a impingir!

  18. Nunocm, essa do social-fascismo é boa.Se calhar o Pedro Nuno Santos(olha gostaste do discurso dele?) é cá um social-fascista uii.O tsipras também deve ser um social-fascista do pior.Tudo radicais da pior espécie,incluindo aqueles do PS…

  19. E as swaps, Valupi ?

    E as sondagens, Valupi ? De Março para Abril o PS perde 8,1 pontos.

    E o Congresso de 1800 delegados que reune apenas 100 congressistas às 22h30 do dia 27.4 ? Tózé Seguro e demais dirigentes não mobilizam o PS quanto mais o País.

    Vão pá estiva, malandros…E alguns frequentam este blogue.

    João Pedro

  20. O novo social-fascismo, o social-fascismo de ontem é o federal-fascismo de hoje – que é como quem diz o federalismo capitalista de que o PS, em Portugal, é o maior defensor. Enquanto não institucionalizarmos o estatuto de colónia, enquanto não o inscrevermos na Constituição, o PS não descansa.

  21. nuno cm, escusas de me vir empurrar com o jerónimo que não me afectas, embora valha mais que muitos sócrates. já te disse que não milito em porra nenhuma e até já te expliquei que ans penúltimas presidenciais votei soares

    vejo que quanto à europa continuas sem me explicar o que queres se é isto que os teus construíram e também não me explicas onde é que alguma vez o partido onde votas te pediu opinião sobre a europa.

    gostava mesmo que me explicasses onde anda a tua democracia na construção europeia, no actual momento europeu e também nos congressos com mubaraks e outros queridos líderes da internacional socialista.

    A gente horrível como Jerónimo – que se farta de exercer tirania e dizer e fazer coisas profundamente antidemocráticas e tornar este um país terrível de crise, desemprego, desigualdade e pobreza – bem podes juntar a de perigosos social-fascistas como o economista ferreira do amaral que comeu criancinhas ao pequeno.-almoço como assessor económico de Mário Soares e Jorge Sampaio, Manuel Maria Carrilho ou o ainda pior Krugman – gente que consegue convergir em mais coisas que os P”S”, linha Sócrates, Assis, Santos Silva, Amado e Costa.

    Quanto aos professores bem podes tapar o sol com a peneeira. Falas de greves e quando tas dou, acenas com força manifestante, quando nunca vi tanta manifestação como desde que este Governo tomou posse, embora admita que haverá sempre achar que encontraste um qualquer sector menos lutador, como por exemplo o dos manufactureiros de vasos de barro. Esqueces além disso que nas escolas, contavas também com uma brutal massa de professores laranjas que esses sim, são quem verdadeiramente mina a paz social e sabota a sociedade em política de quanto pior melhor. São esses que agora não estão dinamizados. Ou achas que o Nogueira, de quem não gosto nada, arrastava aquela gente toda para a rua sozinho quando estava em causa a avaliação e agora não arrasta quando estão em jogo milhares de postos de trabalho? Pq é que cessaram os constantes surgimentos de professores com espaços nas televisões e na comunicação social? Pareciam-te todos comunas? Deliras.

  22. meu amigo, eu sou do tempo do compromisso historico em frança entre o ps e pc,e sei no que deu ao fim de pouco tempo.vivi o prec,deu tambem para ver qual era o rumo.se o pc deseja governar em democracia,que faça o tirocinio,e não fuja às dificuldades.quero lá saber do que o nuno santos pensa.se vivesse em aveiro,já lhe tinha perguntado se espera alguma coisa do pcp.não comparo o bloco ao pcp.muitos dos seus militantes e dirigentes defendem a social democracia que o pcp tanto abomina.nm,gosto de liberdade,e como tal não quero ser candidato a: vitima,bufo,ou uma especie de pide com outro nome e mais violento.a democracia é para democratas. enquanto não surge nada de diferente,é o regime que mais agrada a todos os democratas.a europa será o que os povos quizerem. os ex paises do leste pelos vistos estão satifeitos.vimos algum pais sair? vês alguem em portugal, mesmo com dificuldades pedir o regresso ao fascismo? mas não tenho duvidas que ainda há fascistas,como tambem temos comunistas,poucos,mas perigosos porque se sentem como peixe na agua em situaçoes de grande dificuldade como esta que actualmente estamos a viver. quanto pior estivermos,mais feliz fica o pcp,caso contrario aceitava repartir o poder nem que fosse para ter direito a 8% de medidas suas implementadas no pais.faço minhas as palavras do presidente do benfica,sobre as arbitragens: depois de tudo que aconteceu nos ultimos anos,é preciso ter lata. termino, citando frases de um texto no jn de 14 maio de 2008 de manuel pina (premio camoes e de esquerda): “arauto das “amplas liberdades”e denunciante de qualquer pontual deriva autoritaria em portugal,o pcp aceita com normalidade as prisoes arbitrarias da china,a tortura, a ausencia de liberdade de expressão,ou de associaçao politica na china(como aceitara antes na urss).talvez depois de apresentar uma moçao de censura ao governo (ps) a pretexto do novo codigo do trabalho,o pcp queira explicar aos portugueses,os direitos de que gozam os trabalhadores no “paraiso socialista chines” este texto é escrito depois de uma visita do pcp à china ,chefiada por albano nunes, que no regresso teceu chocantes elogios ao exito chines na construçao do socialismo. nm por hoje chega.termino dizendo-te que andei por outros caminhos,hoje sou menos “ambicioso” e por isso luto por uma europa prospera e solidaria,onde os nossos filhos e netos possam ser felizes.em liberdade tudo é possivel.os cubanos e coreanos anseiam por ela! 8% dos portugueses querem joga-la pela porta fora !por esse caminho não vou.

  23. nm,eu não culpo os professores por não haver greves.culpo mario nogueira que pelos vistos só tinha “tomates” quando o governo era do ps.hoje bandeiras não faltam, para as greves se justificarem, mas o “quanto pior melhor” e o dinamismo acelerado de armenio carlos no seu folclore para “se mostrar” não o permite!

  24. Continua, nuno cm, sem me dizer o que quer da Europa.

    O Resto é conversa que nada tem a ver com o papel do PCP, que não governa nem nunca governou nas coreias, nem em cuba. relações são tão relações como as do ps com khadaffi ou mubarak, igualmente gente boa.

    Como diz Jorge Jesus a prática é o critério da verdade. E a miséria portuguesa e a falta concreta de democracia em que vivemos na Europa tem cara, focinho e rosto e esse não é do BE, nem do PCP.

    nas escolas, é óbvio que a movimentação foi do PSD. perdida essa vontade, o nogueira mais não consegue que mover dez a 15 por cento por dos professores, o resto está-se tão cagando para ele como os PS

  25. como não posso impor o socialismo democratico a todos os europeus,desejo que a europa seja federal,maioritariamente de esquerda democratica,para poder levar a cabo politicas de esquerda e em liberdade.temos um passado que nos orgulha.infelizmente nem todos podem dizer o mesmo.o pcp não governou na coreia nem na china,mas subscreve as politicas levadas a cabo nesses paises.nm para este peditorio não dou mais.lê o texto de valupi,e contesta os seus argumentos.

  26. Bem pelo menos o Pedro Nuno Santos, chama os bois pelos nome: diz que as flexibilizacoes e privatizações foram um erro.Com o pcp não diria, mas com o BE não me causaria nenhum nojo.Melhor do que com o PSD ou CDS
    Dizes tu que não podes impor o socialismo á Europa, mas ela pode te impor a ideologia dela á vontadinha .Um contrasenso autentico

  27. “Se nada do que atrás foi exposto acontecer, e para aqueles que continuarem a querer honrar o seu estatuto de seres livres, a terceira alternativa é a de todos os tempos e lugares: saírem de casa, chegarem-se à frente de peito cheio e descobrirem nos vizinhos os amigos com quem vão lutar nas muralhas da cidade.”

    E não vai acontecer…estás, portanto, pela revolução, Val.?.?
    Eu, neste momento, estou, claro que não conta para nada mas sou capaz de não ser the only one. Uma revolução na Europa…Que utopia…outra vez.
    http://www.youtube.com/watch?v=IgHyXlbahkU
    (há poucas imagens portuguesas para o tema, é pena)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.