Disputatio – IX

Preguiçoso, e perigoso, o lugar-comum que atribui a Portas e Louçã dotes superlativos no campo da discursividade, oratória, retórica. Confunde-se maneirismo, Portas, e melodrama, Louçã, com a arte de persuadir, da comunicação por excelência. Acontece que Portas e Louçã são os políticos mais artificiais actualmente no activo. São obscenamente falsos. Estão reféns das respectivas imagens de marca, não conseguem desviar-se dos códigos de nicho. Contudo, Portas é lúdico, não leva a sério o que se passa porque só precisa do que já tem: um bom emprego, cheio de confortos e consolos. Já Louçã é fanático, não tem outra vida para além da que ambiciona ter: chegar lá, ao trono, e contemplar o povo a seus pés.

Estas duas figuras castiças da cultura portuguesa iam-se pegando ao estalo por causa de umas contas de contar. Um chamou burro ao outro, fazendo uma aldrabice. O outro perguntou se lhe estavam a chamar aldrabão, feito burro. Antes disso, foram exibidos cartões com figuras coloridas, citou-se Salazar, deu-se Berlusconi como prova da vaga xenófoba na Europa, falaram dum puto que escreve umas larachas no website do CDS e leram-se passagens da Fátima Missionária. Depois disso, atacaram furiosamente um problema ridículo que metia telemóveis. Os dois melhores tribunos da República ficaram agitadíssimos, desvairados, com a possibilidade de acabarem o debate deixando a percepção de que tinham consentido uma vantagem ao adversário nessa magna questão. E ainda a esta hora lá estariam, a chamarem nomes um ao outro, não se tivesse dado a fortuna de ocorrer a Judite de Sousa que estava em risco de ser multada por ultrapassar o tempo estabelecido para o debate. Foi o balde de água fria para cima da canzoada.

Na retórica, há uma noção central que está completamente fora de moda, o termo quase desaparecido do vocabulário corrente: decoro (decorum). Diz respeito à conformidade do conteúdo com a embalagem, so to speak como dizem os franceses. Essa conexão, ou falta dela, entre logos e lexis, res e verba, o cu e as calças, amiúde encontra em Portas e Louçã momentos esplendorosamente indecorosos.

7 thoughts on “Disputatio – IX”

  1. gostei! e achei deliciosa a frase “Foi o balde de água fria para cima da canzoada.”
    quanto aos artistas, o portas deixou de ser virgem na última governação mas continua a falar como se ainda estivesse novinho, esquecendo a incompetência pura que foi a governação psd/cds. o louçã, mais pedante que nunca, promete o paraíso (tentando esconder a sua ideologia o mais que pode) com uma retórica demagógia e, surpreendentemente, levou ontem nas trombas (já tinha levado um enxerto do sócrates).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.