D. Cavaco I

O Presidente da República deu mais um contributo para a separação das águas, a clarificação do cenário político a 3 meses das Legislativas. Desta vez, meteu-se num braço-de-ferro que obriga à identificação de vencidos e vencedores. E ao castigo e expulsão dos vencidos. Nada de menos.

Ao pedir publicamente explicações sobre as informações contraditórias que indiciam haver interesse da PT em entrar no capital da TVI, Cavaco tem uma das suas mais espectaculares intervenções políticas desde que foi eleito Presidente, só comparável ao ambiente catastrofista que intencionalmente criou para a sua declaração de 31 de Julho de 2008 relativa ao Estatuto Político-Administrativo dos Açores. Então como agora, assistimos a um Presidente da República a ser agente de alarme social e político; coisa nunca antes vista em Portugal, registe-se. Ele próprio o reconhece, ao dizer que está a abrir uma excepção neste caso.

Muito bem. Então, decorre do mero bom-senso admitir que há matéria suficiente para este toque a rebate do Presidente da República em período eleitoral. E se há, isso significa que se valida em Belém a suspeita de cumplicidade entre a PT e o Governo para alterar e condicionar os critérios editoriais da TVI. Muito bem. Então, temos de agradecer ao Presidente por sair a terreiro na defesa do que ele chamou ser a transparência e ética nos negócios. E caso a PT e o Governo não consigam estar à altura desta exigência, as cabeças começarão logo a rolar. Por exemplo, Henrique Granadeiro será demitido e Sócrates acaba de perder aqui qualquer possibilidade de ganhar as eleições. A confirmar-se a suspeita de conspiração para ataque a Moniz e esposa, o PS terá o pior resultado eleitoral da sua história, provavelmente ficando atrás do BE e PCP. Muito bem. Então, o duelo é de morte. E Cavaco foi o primeiro a disparar.


Ontem, 24 de Junho, o Presidente da República discursou em Guimarães, na Sessão Solene Comemorativa dos 900 Anos de Nascimento do Rei D. Afonso Henriques. Foi de novo um despejar de banalidades soporíferas, como são usualmente os seus discursos, mas a temática levou-me num rapto para a Exposição do Mundo Português. Este mesmo discurso teria sido bem acolhido pelo público de 1940 ávido por um nacionalismo de fancaria, tal o bolor mental que o impregna. Contudo, as suas palavras transmitem mensagens subtextuais que colocam o evento no centro da batalha política sem quartel que une PSD e Cavaco contra Sócrates. Repare-se:


Num determinado momento, quebrou o silêncio formulando a vontade de criar Portugal. Infelizmente, o tempo não preservou as suas exactas palavras. Não sabemos como terá transformado o seu sonho em discurso.

Resta-nos a imaginação para reconstituir o modo como persuadiu os seus a escolher segui-lo. Foram proferidas, decerto, palavras de esperança, palavras de crença, promessas. Foi gerada a confiança que justifica a adesão aos seus propósitos. Estabeleceram-se, adivinhamo-lo, compromissos.

Assim se ilustra uma constante da vida colectiva dos homens: quem pensa e actua como se estivesse sozinho, ficará só; quem convoca a pluralidade dos homens, será seguido.

Estamos no campo da parábola e da máxima moral, esta lêndea poderia ter sido escolhida pelo Teófilo Braga para os Contos Tradicionais do Povo Português (ou não, que o Teófilo ainda tinha alguns critérios, mesmo que generosos), mas é tudo feito de forma infantilóide, primária, à bruta. A imagem, repetida até ao enjoo pela oposição, de um Sócrates déspota que anulou a pluralidade no PS e quer acabar com as liberdades em Portugal, tudo decidindo sozinho na governação sem chegar a compromissos, é o alvo da recriação aparvalhada e ridícula. E ainda contraditória, que é o mais engraçado, pois começa com o pressuposto mítico-parolo do voluntarista heróico que abre a boca e funda uma pátria, uma entidade chamada Portugal nascida na sua cachimónia, e de imediato salta para o político moderno que tem de negociar com uns e com outros, a todos satisfazer para que alguma coisa se faça, afinal. Ora, foda-se, Senhor Presidente! Mas nem o Afonso Henriques escapou à decadência da classe política nacional?…

Continua Cavaco:

A pior fraqueza dos fortes é a de só acreditar na força. O Rei D. Afonso I acreditou, como diplomata consumado, na subtileza da negociação. Foi, vinca o cronista, “mui prudente nas suas acções, de inteligência esclarecida”.

Teve aí a suprema qualidade do estadista: soube esperar. Por muito tempo esperou, sempre munido das mesmas convicções, servindo a mesma estratégia, nunca mudando o rumo.

Saber esperar, eis a suprema qualidade do estadista. Quem o diz é o supremo estadista cá do burgo. Logo, fala de si, contempla-se, lambe-se. E volta à lição, dizendo ao tal forte que ele não passa de um fraco. Porque esse forte não respeita as regras da diplomacia, não aceita as subtilezas da negociação com que este supremo estadista se tem safado na carreira. Consequência? A vingança, servida fria. Aquele que espera, espera a caça. Muniu-se de convicções inabaláveis que irá disparar com pontaria, estendeu uma rede estratégica de forte malha, e não sai do rumo fixo, perseguindo a presa na sua peugada. Ao chegar ao tempo certo, à oportunidade, irá atacar. Assim agem os estadistas de inteligência esclarecida.

Façamos fé nas suas palavras. Quais são, exactamente, as fortes dúvidas instaladas na sociedade portuguesa acerca do negócio entre a PT e a Prisa? Como cidadãos, exigimos saber. Do estadista da inteligência esclarecida, queremos esclarecimentos inteligentes. Há dúvidas quanto às declarações de Sócrates? Há dúvidas quanto às declarações de Granadeiro? Há dúvidas quanto à bondade da operação caso se concretize? E por que razão não há dúvidas quanto às declarações de Ferreira Leite que disse com todas as letras que Sócrates mentiu? Ou para o Presidente da República a chefe da oposição pode ofender a honra do Primeiro-Ministro, e da PT, sem com isso macular os critérios de transparência e ética que Belém pugna por instaurar no regime?

Já que citou Cícero, que tome este remédio:

Nemo doctus unquam mutationem consilii inconstantiam dixit esse

Que é como quem diz: só um burro não muda de ideias. Um burro ou um Presidente da República que interfere na política partidária, e nas decisões das empresas privadas, como se o Reino lhe pertencesse por delegação afonsina. Moral da história: ou Cavaco é genial, e está a salvar-nos de uma conspiração que tem tanto de escabrosa como de estouvada, ou é uma vergonha para Portugal.

19 thoughts on “D. Cavaco I”

  1. 1- é pena que cavaco (em quem eu votei) abra a excepção para falar neste caso (nada exceptional) e não para falar no buraco do século do BPN (esse sim um caso exceptional)
    2- a avó manela tirou mais uma da cartola (o malvado do sócrates quer calar o moniz da tvi) e logo vem o cavaco (e pelo menos tb a sic) a surfar a onda. ficam por isso desfeitas quaisquer dúvidas sobre o alinhamento do aníbal nas legislativas (e tb da sic).
    3- as declarações de granadeiro e posteriormente do próprio moniz vêm comprovar que as conjecturas e suposições da avó manela não passam disso mesmo, suposições. entretanto lá chamou mais uma vez todos os nomes possíveis ao sócrates.
    4- continuo sem perceber a reacção do governo a mais este ataque. sempre na defensiva e sem aumentar o calibre da linguagem. é preciso responder no mesmo tom: a velha pingonheira está xéxé!
    5- este pessoal dos meios de comunicação (e tb do psd e mesmo do ps) estão mesmo com amnésia. se houve alguém que factualmente tentou controlar a tvi foi o governo psd/cds que correu com o marcelo quando este criticava com linguagem soft esse governo (agora critica à vontade com linguagem hard o sócrates).
    6-esta mesma gente já tinha feito o mesmo espalhafato quando os espanhóis compraram a tvi, dizendo que o ps ia tomar conta da estação e depois foi o que se viu com a manela matos. não quero pensar o que seria se o militante nº1 do ps possuísse um canal de televisão.
    7- tudo isto demonstra que esta gente anda toda doida com uma obcessão pelo sócrates a raiar a loucura.

  2. Estou com Cavacu,
    tambem defendo a transparencia e a etica
    sempre, sempre
    e sobretudo no caso BPN!!!
    Há que esclarecer como se compra acções dum banco
    e se as vende
    quando ainda não estavam cotadas em bolsa
    e hoje se sabe da sua realidadeintestina
    transparencia sempre
    etica always…

  3. A vingança é um prato que se come frio. Não é assim?

    Lembro ao autor da bonita e aparvalhada prosa que a honra do sr. Primeiro Ministro ficou patente no Congresso do PS, quando ele atacou o telejornal do sr. Moniz e da sra. Guedes.

    Lembro ao distinto autor da prosa que o sr. Primeiro Ministro fez as mesmas acusações contra o governo liderado pelo PSD.

    Lembro ao autor da prosa que orelhas de burro levam ao Céu mas não dão desconto no Continente. lololololol

    A azia que por aí vai… Dá-se! ohohohooho

  4. :)))))))))))))))

    pois desta vez estou completamente de acordo com esta “prosa bonita e nada aparvalhada”___________________.

    olá Valupi…..

  5. Devagar, devagarinho vai o Algarvio mostrando com quantas solhos se faz uma canoa.

    Começou o strip a doer. O homem lentamente tira a camisola de Presidente da Republica e veste a de presidente do PPD, e a idosa gosta… e grita, tira tira, tira tudo, força Anibalsinho agarra-te ao varão mostra-lhe a transparência.

  6. O historiador Cavaco falou! Descobriu que D. Afonso Henriques foi um diplomata consumado. Esperemos agora explicações para a crise de 1383, as causas da expansão portuguesa e outras reflexões do género. Estou curioso! Entretanto é de aguardar o pedido do Sr. Presidente da República para o cabal esclarecimento de outros casos que estão na ordem do dia (BCP, BPN, BPP e outros). Repito a pergunta que foi deixada acima por assis: o que seria se o miitante nº 1 do PS fosse o possuidor de um canal de televisão ? Cavaco está finalmente a fazer aquilo que muitos de nós já esperávamos como defensor extremoso da democracia, aliás na sequência daquilo que foram os seus consulados. Os comentadores do costume salivam e a procissão ainda vai no adro.

  7. Estou desiludido com o senhor presidente Cavaco Silva.
    Foi infeliz,

    a ânsia em secundar a sua querida amiga detentora da verdade “absoluta” levou a ter de ouvir algumas…verdades. A este propósito recomendo que ouçam um insuspeito social-democrata, Rui Moreira:
    [http://tsf.sapo.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=1273483]


    Sempre pensei que só em Jesus Cristo podíamos confiar que falava a verdade…afinal estamos no tempo em que um partido arroga-se de ser o detentor da verdade ..e todos nós seremos mentirosos.
    Provavelmente Cristo à beira destas gentes do psd não passaría de um mentiroso qualquer. Provavelmente, claro! Ou de certeza absoluta, diría MFL.

    Hoje, os factos e as afirmações categóricas do presidente da Pt e do próprio…Moniz! deitaram pela sanita abaixo as insinuações torpes e as “certezas absolutas” da Sra Verdade, e também as de alguns partidos que pretendíam cavalgar a “onda”.
    A ânsia deitou tudo a perder e cegou-lhes o espírito!

    Espero que sejam tiradas ilações deste episódio negro do desespero a que chegou o psd.

    É verdade que as vitórias inebriam, levam a dizeres extemporâneos, levam muitas vezes o vencedor a encher o peito e a deitar foguetes antes da festa ….e levam fatalmente à arrogância.
    A vitória do psd nas europeias tornou-os demasiado arrogantes e extemporâneos..
    Cada vez o povo percebe mais o erro que cometeu pois o Psd é neste momento o Partido Arrogante e o Partido da Roubalheira.
    “quem com ferros mata com ferros vem a morrer”

    Falar mal e insultar já sabemos que eles são bons, quase tão bons como os seus gestores e homens de confiança nas Roubalheiras.
    Falar de bancos e gestores é assunto tabu para o psd, falar de propostas e ideias para resolver a Crise Mundial e os problemas dos portugueses é assunto tabu para o psd. Mas falar mal, insinuar, conspurcar, mentir, atirar areia para os olhos, desconversar e usar de contra-informação….Ó meus amigos!! nisso ninguém os bate, não haja dúvidas!
    O problema para eles é que já atingiram o ponto de não retorno, viciaram-se no insulto, na suspeição e na calúnia que esqueceram-se que os problemas dos portugueses não se resolvem com a maldicência constante.

    “Ok, ok Dra. Leite, já percebemos que também sabe dizer mal…mas…e quais as suas ideias e propostas concretas para resolver os problemas do país???
    Os portugueses não comem maldicência!”

    Dra. Leite, eu vejo os países todos a apostar em investimentos público com força para alavancar a economia e criar emprego…e a única coisa que a senhora diz é PÁRA-TUDO?! NAÕ FAÇAM NADA E VAMOS RASGAR OS ACORDOS TODOS?! O último que fez isso chamava-se Vale e Azevedo para mal-grado de muitos”

  8. Ainda por cima esta de invocar transparência para os outros esquecendo os telhados de vidro próprios. Safa!

  9. A discussão política neste país está a ser reduzida ao debate de suspeições. Esta situação é preocupante porque afasta o debate do essencial que são as propostas e porque evidencia que os promotores da política do medo estão a ganhar vantagem. E é triste que tenhamos um PR que se alie a esses propósitos. Vamos cá estar para ver como estará o prestígio do cargo quando o Cavaco Silva o largar.

    O condicionamento eleitoral a que temos assistido por parte do PR é vergonhoso. Não bastava ter sido atingido pela ponderação súbita dos investimentos públicos e agora foi atacado pela moralidade dos investimentos privados. Mostra-se preocupado com a independência da comunicação social e quando foi primeiro ministro entregou as televisões privadas à igreja e ao principal histórico do seu partido. Realmente não lhe faltam argumentos para falar nestes assuntos.

    Em matéria de meter os pés pelas mãos esta declaração do Cavaco Silva conseguiu bater aos pontos tudo o que a Manela e a sua tropa fandanga tinham feito até hoje. Mas foi por pouco tempo porque nisso a líder do PSD está disposta a cilindrar a concorrência. Passadas poucas horas já estava a gabar a humildade do Santana Lopes por ter aceite candidatar-se à Câmara de Lisboa. E logo a Lisboa, uma autarquiazita sem qualquer importância. Gabo-lhe a humildade.

    Esta gente pensa que os Portugueses são mesmo estúpidos e então vá de lhes passar licenciamentos de imbecilidade. Deve ser a alternativa que propõem para substituir as novas oportunidades.

  10. bastou Manuela Ferreira Leite espirrar num dia para que no dia seguinte Cavaco Silva aparecesse cheio de tosse, nem se deu ao trabalho de dissimular a fonte do contágio. Se alguém tinha dúvidas de que Cavaco Silva abandonou a camisola de Presidente para vestir a de um qualquer J do PSD pode deixar de as ter. Há muito que Belém era uma fonte de crise política, agora evoluiu de forma clara para o envolvimento no processo político.

    Mas pode ser que Cavaco Silva tenha azar e os portugueses não lhe satisfaçam o desejo de acumular o cargo de Presidente com o de primeiro-ministro, algo que sempre ambicionou. E se isso suceder Cavaco corre um sério risco de voltar a Boliqueime mais depressa do que espera.

    Resta-me fazer uma sugestão a Cavaco Silva: que vá perguntar ao Moniz se este não estará interessado em ser despedido e receber três milhões de euros. Eu diria mesmo que o director da TVI tem feito tudo para isso. Aliás, é ridículo vir com estas intervenções quando há apenas uma semana Moniz pôs a hipótese de deixar a TVI e ir para o Benfica. Terá sido Sócrates a pressionar a candidatura?

    É muito grave que um Presidente da República use uma empresa privada para lançar suspeitas em público sobre o primeiro-ministro. É o bater no fundo de Cavaco Silva enquanto Presidente da República.

  11. Por puro oportunismo politico, do mais baixo que tenho visto nesta democracia que se vai arrastando, aos soluços, O PCP e BE calam-se vergonhosamente perante o desastre que é para o País o Presidente Cavaco estar a destruir a mais alta magistratura de Portugal. Não sei o que restará depois desta loucura presidencial. E não entendo porque decidiu encabeçar a oposição, TODA, ao Governo Sócrates. Começo a acreditar que na mira estará a mudança para o regime presidencialista. No fundo, eu penso que tal regime será bom para o País. Sérá mais fácil a governação. Será como que a chegada do «simplex» ao topo da Administração Pública. Se houver referendo, este simplex ganha. E que o mandato seja pelo mínimo de sete anos. Estou convencido que esta estabilidade seria benéfica, depois de o governo de Sócrates ter lançado, nos últimos 4 anos, as bases de um País mais expedito.
    Mas Cavaco quer colher os frutos da governação de Sócrates e ser o primeiro desse novo regime governativo.
    E não olha a meios. Escolheu o confronto aberto com o Governo e o Ps não sabe o que há-de fazer. O povo está a ser confrontado com um presidente divinizado pela comunicação social TODA e um Primeiro Ministro a ser linchado na praça pública por ess mesma comunicação social. TODA. Haverá tantas «fugas de informação» quantas as necessárias para atordoar jaimes silvas e linos de carvalho, que vão para a TV gaguejar. O silêncio do «barões» do PS é atroz. Alguém disse, em qualquer lado, que Sócrates está mais sozinho do que pensa. E disse bem. Está-se a ver.
    Nunguém no PS, nem o proprio Sócrates, foi capaz de dar um murro na mesa e gritar que quem introduziu e puxou pela história da «linha editoirial da TVI foi Diogo Feio e não Sócrates, que se espalhou ao comprido, mordendo a isca. NInguém desmontou a marosca!!!
    Quem está encarregado de fazer o trabalho de sapa é o CDS. Viram a comissão para lamentar ao BPN? E a rosinha maria de belém só não beijou em público, na boca, o parlamentar do partido de Cavaco que devia estar debaixo de fogo, porque se acanhou de ir tão longe! Era o banco dos tais barões e baronetes de que fala a MFL mas quem estava na grelha a assar era o ex-secretário geral do PS: tratado como um criminoso, nas palavras de Jacinto Nunes! A rosinha de Belém, presidente da coisa, nem estava aí.
    O Valupi vai dizer que eu estou a delirar com esta do presidencialismo. Esperemos para ver. E não esqueças, Valupi: com esta cacetada matam-se dois coelhos de uma só vez: salvam-se os barões e baronetes que fizeram a burla maior da história de Portugal e Cavaco retoma o cargo de governante.
    Reprovo os meios que estão a ser usados mas considero que neste parto doloroso e feio e torto vai-se escrever direito para Portugal.
    Penso eu de que…

  12. Clara França Martins tens aqui um voluntário para atestar o depósito do carro que irá transportar o dito para os reinos dos Algarves. E olha que não é altruismo é apenas patriotismo!

  13. Um PR que não cumpre minimamente as suas funções, dando guarida a criminosos de alto coturno – ele próprio incluido, e instrumentalizando as suas funções que se querem neutras ao serviço do seu partido e de forças económicas ocultas, não devia ser deposto?

    Cavaco é o Bush português.
    Com tanta ética e transparência que exige aos outros, vai-se ver e tem a cueca borrada.
    Vai ficar para a história como o pior PR de que há memória, inerte quando se requer acção, activo quando devia era estar calado.
    Passa constantemente atestados de imbecilidade ao povo português sem que ninguém o ponha a andar. . .

  14. E hoje até tem o descaramento de insinuar críticas ao pobre do Jorge Miranda!

    Ele, que nada conseguiu para que os Partidos se entendessem nesta história “edificante” do novo Provedor de Justiça, sobretudo por arrogância e teimosia irresponsável do P. P. D., que fez orelhas moucas aos apelos do Presidente, ele que, assim, também falhou por absoluta inépcia neste tristíssimo assunto, tem agora a suprema lata de vir açoitar o único inocente no meio disto tudo!

    É de uma baixaria inqualificável, este “mestre-escola” bacoco que estará mais dois anos ainda como nosso inquilino em Belém…

  15. O primeiro-ministro veio afirmar que este governo se oporia a uma aquisição de parte do capital da Prisa pela PT. Sendo assim a ondulação rebentou muito antes da praia. Numa democracia a sério, as declarações do PR e da oposição exigiriam que os digníssimos representantes se retratassem. Estava a brincar… nós já sabemos que estas figuras fazem duas piruetas e um mortal encorpado à retaguarda e, ficam logo lavadinhos. Só que o problema principal mantém-se: é o de avaliarem o carácter dos outros por eles próprios. Pelo que se tem visto, escolhem fraca bitola e nós temos memória dos tempos em que governaram e utilizaram as estratégias que supostamente agora querem denunciar.

    Quando já havia quem argumentasse que a interferência do governo na linha editorial da TVI já era estratégia do Sócrates para condicionar as legislativas de 2010 ou 2011, inevitáveis (para alguns) perante a ingovernabilidade que resultará das eleições deste final de Verão, constatamos que o delírio e as estratégias de congeminação e suspeição não têm limites. Isto não vai lá com piruetas e outras gracinhas. Este pessoal está a precisar urgentemente de uma cura de desintoxicação para ver se conseguem assentar os pés na realidade e deixar de nos intoxicar também a nós.

  16. assis, excelente resenha do que está em causa.
    __

    aires bustorff, pois é, o nosso Cavaco é um paradigma de transparência.
    __

    Rennie, e qual é o problema de ter atacado corajosamente quem o ataca cobardemente? Tu não atacarias a TVI na mesma situação, é isso que queres dizer?
    __

    Olá piano. Estamos afinados, então.
    __

    nianja, nem mais, está tudo cada vez mais a nu.
    __

    jafonso, e logo o Afonso Henriques, que batia na mãe e a chegou prender, é que tinha vocação para a diplomacia. É um novo milagre de Ourique.
    __

    Primo, exactamente.
    __

    baladupovo, eles apostam tudo na calúnia. É este o verdadeiro situacionismo.
    __

    jcfrancisco, olá se têm.
    __

    tra.quinas, é como dizes, Cavaco está a pôr em causa o prestígio do cargo.
    __

    Clara França Martins, nem mais. Belém tem estado a conspirar em regime de guerra declarada, mas encapotada, desde meados de 2008. Agora, avançam mesmo às claras no terreno. É algo nunca visto.
    __

    Mário, essa ideia de se estar a preparar uma mudança para um regime presidencial é fascinante. Não acho que delires, acho apenas que não há condições sociológicas para que tal seja possível. Portugal não esgotou o actual modelo, e pode até dizer-se que ainda não o aprendeu a usar na sua plenitude. É que Portugal é um país muito deficiente em cultura política (a qual implica a cultura toda, pois), precisamos de nos ajudar e ensinar uns aos outros. Só depois estaríamos em condições de reflectir sobre essa tão drástica mudança.
    __

    Andre, grande imagem: Cavaco é o Bush português. De facto.
    __

    Marco Alberto Alves, o Jorge Miranda deixou-os de rastos. Mas eles não querem saber, não revelam ter um pingo de respeito por Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.