Vinte Linhas 543

Dois mundos em confronto – passado e presente

Descobri na Livraria 1870 «Nos bastidores do jornalismo» de Rafael Ferreira, edição Romano Torres com data de 1945. O nasceu em 1865; tinha 80 anos quando o volume surgiu. Um dos temas é a comparação entre dois mundos: «Os rapazes de hoje são, na sua maioria, criaturas de muito mais juízo do que nós fomos, mas julgo que menos felizes do que nós. São pessoas práticas, muito pautadas, que gozam até metodicamente. Arrastam-se nos tangos e nós estonteávamo-nos nas valsas. As nossas ilusões, as nossas ingenuidades, até as nossas tolices ou loucuras, eram próprias da mocidade: E nós queríamos vive-la, para mais tarde não nos arrependermos de não termos sido novos. Mas não aconselho os de hoje a seguirem o nosso exemplo. Os tempos são outros, as responsabilidades muito maiores e cada vez mais se adivinha menos um futuro de tranquilidade e é preciso pensar em faze-lo melhor. Entendo que os velhos não têm o direito de embirrar com os novos, quando nestes reconhecem talento ou vontade de acertar e probidade na maneira de proceder. Em relação aos novos, sou de opinião de que não devem esquecer-se que nem todos os velhos dão maus exemplos e que alguns fornecem lições, senão de inteligência e saber, ao menos de atitudes morais e cumprimento de deveres que à mocidade convém aproveitar». De uma ideia curiosa («Se O Dia foi a minha instrução primária do jornalismo, O Século foi o meu liceu») evoca histórias e nomes: Raul Brandão, José Sarmento, João Correia de Oliveira, Francisco Tavares, Hermano Neves, Adriano Merea, Sousa Costa, Amadeu Cunha, António Guimarães, Câmara Manuel, Machado Correia, Júlio de Lacerda e outros.

2 thoughts on “Vinte Linhas 543”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.