Vinte Linhas 377

«Todas as nossas filarmónicas perdidas…»

Hoje domingo dia 12 de Julho de 2009 pelas 11 horas da manhã aconteceu uma coisa quase mágica. Debaixo daquela árvore do Príncipe Real que dá muita sombra e onde gostavam de parar dois que a Terra da Verdade já lá tem (Agostinho da Silva e Eduardo Guerra Carneiro) surgiu a Filarmónica Frazoeirense de Ferreira do Zêzere para tocar durante 30 minutos várias peças musicais debaixo daquela sombra.

Nasci perto de uma «casa do ensaio» e sou bisneto, neto, sobrinho, sobrinho-neto e primo de filarmónicos rurais. Lembro-me bem de ver grupos de homens chegarem dos trabalhos do campo e, depois de comerem em casa qualquer coisa à pressa, irem para a «casa do ensaio» ás vezes com o pó da terra preso aos vincos das calças. E lembro-me bem de achar (já nessa altura) quase mágico esse encontro luminoso entre o pó da terra e a pureza perseguida dos sons lidos nas linhas das pautas nas estantes de madeira.

(Tantas estantes de madeira que o meu avô fez para malta amiga com bocados que sobejavam das portas e das janelas, ainda hoje devem servir e ele já morreu em 1979…)

Depois passei a tarde no Rossio onde as doze filarmónicas foram chegando via Rua Augusta para tocarem o hino respectivo e depois uma peça em conjunto – «Lisboa à noite». Por fim um grupo formado com elementos das mais diversas paragens do país (de Vila Real de Santo António a Crestuma, de Seia a Alcácer do Sal) foi dirigido pelo maestro Délio Gonçalves. Diz um poeta meu amigo (e tem um livro com um título assim) que a nossa vida é as Filarmónica que vamos perdendo. Esse poeta chama-se Mário Machado Fraião e está certo. Hoje foi um dia mágico: as filarmónicas vieram de novo.

5 thoughts on “Vinte Linhas 377”

  1. É mesmo, deviam ser devidamente divulgadas. Insistentemente divulgadas.
    Um abraço pela memória.
    Jnascimento

  2. é curioso, JCF, cresci distante das filarnónicas, mesmo na provincia.

    foi preciso vir para Almada para perceber o valor e o sentimento que faz parte de cada uma destas sociedades filarmónicas, quase todas com escolas de música…

    a cultura musical suburbana não é apenas rock ou hip-pop…

  3. Há, contudo, outro tipo de filarmónicas que têm tendência a abusar:

    No Daily Show – A nossa única hipótese como país é o Osama bin Laden colocar e detonar uma grande bomba nos Estados Unidos

    Jon Stewart: Ontem à noite estava a ver o programa do Glenn Beck na Fox News. Ele estava a falar com um ex-analista da CIA, Michael Scheuer, sobre como esta Administração não nos está a proteger dos terroristas… E depois ouvi uma coisa tão demente que ia caindo…

    Michael Scheuer: A nossa única hipótese como país é o Osama bin Laden colocar e detonar uma grande bomba nos Estados Unidos. Só o Osama é capaz de executar um ataque que obrigue os americanos a exigir que o Governo os proteja.

    Jon Stewart: Mas que m… foi aquela? E, já agora, sabem o que é fascinante na nossa cultura? Aposto que censuraram quando eu disse merda. Porque o Governo Federal decidiu proteger-vos e aos ouvidos dos vossos filhos desse tipo de linguagem. Entretanto, o gémeo malvado do Pai Natal [Michael Scheuer]… está à vontade para propor um massacre de americanos, para conseguir apoios para o programa de segurança dele.

    Jon Stewart: Pois, aquele bin Laden é um desmancha-prazeres! Quando não queremos que ele mate americanos, ele mata, e quando queremos, não mata. É um parvalhão! E quando ele detonar uma bomba na América, esperemos que não seja nas partes “boas e verdadeiras”.

    Vídeo

  4. Olá a todos,

    Sou músico da Filarmónica frazoeirense de Ferreira do Zêzere, actuei nesse dia no Principe Real e fiquei lisonjeado com o texto que acabei de ler! Quando actuamos, raramente temos feed-back do público que nos vê e ouve, porque por vezes parece que ninguém nos liga… parece que ninguém pára para nos escutar… muitas vezes é essa a sensação com que ficamos.

    A nossa filarmónica é das mais antigas do país, os nossos antepassados também iam para os ensaios com as botas cheias de terra e deixavam as enxadas à porta… e temos muito orgulho que tenha sido assim… são as nossas raízes.

    Hoje em dia já ninguém leva a enxada para o ensaio… mas o ensaio continua a ser depois de um dia de trabalho… por vezes bem comprido… tempo esse que “roubamos” ao nosso tempo livre para levar música e magia às pessoas… como foi nesse dia em Lisboa… porque a vida e o mundo não são só feitas de desgraças e miséria como vemos no telejornal, também tem coisas muito boas… ainda vale a pena viver neste mundo, ainda há pessoas que não se acomodam!

    Hélio Antunes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.