Vinte Linhas 364

Carlos Ramos (1907-1969) guitarrista e intérprete do fado

«Carlos (Augusto da Silva) Ramos nasceu em Lisboa (Alcântara) em 10-10-1907. Começou a tocar guitarra nas tabernas do seu bairro e em 1939 acompanhou Ercília Costa numa digressão aos EUA. Tornou-se profissional do fado em 1944 no Café Luso e passou pelas adegas Mondego, Machado, Tipóia e Tágide antes de fundar em 1960 a sua casa típica – A Toca. Amália Rodrigues, Alfredo Marceneiro, Maria Teresa de Noronha, Fernanda Maria, Natércia da Conceição e Maria do Espírito Santo cantaram em A Toca. Carlos Ramos participou nos filmes Cais do Sodré, O Fado, Lavadeiras de Portugal e Fado Corrido. Actuou em Espanha, França e Brasil além dos Açores, Madeira, Cabo Verde, Angola e Moçambique. Participou em várias revistas ao lado de Hermínia Silva, Ercília Costa e Maria Albertina. Senhora do Monte, Não venhas tarde, O amor é louco, Despedida, Mas sou fadista, Saudade, Toca o mesmo, Recordar é viver ou O teu olhar são fados que consagraram a sua voz inesquecível de grande intérprete do fado. Faleceu em 6-11-1969 em Lisboa.»

Esta poderia ser a breve nota para um verbete numa enciclopédia portuguesa. Mas Carlos Ramos está ausente. Lembro-me bem de uma festa de homenagem que lhe foi feita em 1968 no Monumental e de uma fotografia que os jornais publicaram: Hermínia Silva, Madalena Iglésias, Francisco Nicholson e Armando Cortês em pose ao lado de Carlos Ramos. O artista tem uma bengala, sinal dos problemas de saúde que o viriam a matar um ano depois. Só em talheres e loiças foram mais de duzentos contos que «voaram» da sua casa típica. Carlos Ramos, artista, morreu de tristeza porque não soube ser comerciante.

2 thoughts on “Vinte Linhas 364”

  1. Confesso não me lembrar do fadista.

    Por outro lado:

    Hitler ensaiou infrutiferamente obter receitas na blogosfera

    Refugiado num bunker em Berlim, poucos dias antes de 30 de Abril de 1945, data do seu suicídio, Hitler é confrontado pelos seus generais com o débâcle total do seu blog, donde esperava receitas suplementares que lhe permitissem prolongar a guerra.

    No auge do desespero, Hitler dispara em todas as direcções e nem sequer poupa os outros bloggers, com especial incidência no Blasfémias, Arrastão, Causa Nossa, etc.

    Vídeo legendado em português

  2. Ó pá essa não vem nada a propósito. Hitler não tem nada a ver nem como má metáfora do que quer que seja…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.