Um livro por semana 272

«Rio sem margem» de Zetho Cunha Gonçalves

Zetho Cunha Gonçalves (n.1960) viveu a infância e a adolescência no Cutato (Kuando-Kubango) estudou no Huambo e em Santarém, tendo-se estreado em livro com «Exercício de Escrita» em 1979. Poeta, tradutor, autor da área infanto-juvenil, organizador de antologias e edições especiais (Fernando Pessoa, Mário Cesariny, António José Forte, Natália Correia), Zetho Cunha Gonçalves regressa neste livro à sua Angola a que chama «pátria inaugural da Poesia».

Partindo da poesia de tradição oral de Angola, Moçambique, Etiópia e México, o autor que dedica o livro a Óscar Ribas e Ruy Duarte de Carvalho, desenha uma gramática do Mundo nestes 27 poemas. Vejamos a geografia num poema Cabinda: «Tem uma mulher três filhos:/dois com o juízo perfeito, /o terceiro é demente/ – o Céu, a Terra / e o Mar». A vida e a morte surgem num poema Kwanyama: «Figueira-brava. / De um lado, /os ramos / carregados de frutos maduros. / Do outro /jovens folhas despontando. / Assim os homens:/ – uns a morrer, / outros a nascer.» O título do livro nasce de um poema Umbundu: «Aprende a andar /pequena gazela /aprende a andar: / -um dia, / encontrarás / rio sem margem!…» A busca de Deus na tradição Umbundu («Deus está tranquilo. /Deus é como o vento. / Deus é feiticeiro.») liga-se ao olhar sobre a morte da tradição Cabinda: «Uma criança / morreu / – é um morto. / Um velho, rico e poderoso, / morreu / – é um morto».

Esta poesia pode ser vista por muitos como primitiva mas para o autor é a «mais moderna, a mais viva e imperecível ou seja: a derradeira guardiã da memória da Humanidade».

(Editora: NÓSSOMOS, Capa: Gravura rupestre do Kaningiri – Angola)

2 thoughts on “Um livro por semana 272”

  1. junta-te ao gajo e formem o cluster da poesia rupestre, depois é franchisar por esse mundo fora com a marca jcf, josé chicken fried.

  2. «Uma criança / morreu / – é um morto. / Um velho, rico e poderoso, / morreu / – é um morto».

    … e se a criança fosse rica e poderosa e o velho só velho, como é que resolvias a equação?
    o diccionário liliputiano de caneças já desenvolveu uma ideia semelhante, com bué de sucksexo no jéte7.

    e porque não uma fábrica de embutidos literários, em prosa ou verso, no montijo? o qren tem uns trocados para estas iniciativas desde que garantam exportação, mas tu queres é subsídios & croquetes a troco dumas manhosices mal enjorcadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.