Balada triste do Bairro Alto

Meu Bairro, terra queimada

Campo de batalha perdida

Minha lágrima tão isolada

A quem não respeita a vida

Viver era uma aventura

Hoje o medo é distribuído

Sacos cheios de amargura

Passam, não deixam ruído

São Bombeiros Sapadores

Câmara, Junta e E.M.E.L.

Que se curvam os senhores

Para nos darem taças de fel

Quando os dísticos trocados

Veio a E.M.E.L. ao lugar

E fomos todos burlados

Passar não é estacionar

Bairro Alto é Tarrafal

Onde a vida amaldiçoa

E a Polícia Municipal

Devia ser de Lisboa

E não de certos senhores

Que ocupam um espaço

Comos se fossem favores

Nascidos no velho abraço

Quando passa a carrinha

Em frente a este lugar

Fecham os olhos em linha

Só pensam em bloquear

Nos muros dos Calafates

Há lugares não há vontade

Sapadores dos disparates

E bombeiros sem verdade

Irmãzinhas do Convento

Que vivem do outro lado

Os lugares são o tormento

Se fica tudo bloqueado

Rua dos Mouros mentira

Há espaço e ainda sobeja

O bombeiro ainda retira

Um lugar que se deseja

Junto a um respirador

Onde não vive ninguém

Para o pobre sapador

O lugar é mais além

Travessa da Boa Hora

Perdemos oito lugares

Ninguém veio rua fora

Compensar os populares

Meu Bairro, terra queimada

Mapa dos tristes sarilhos

Ali viveu despreocupada

A geração dos meus filhos

EMEL, Bombeiros e Junta

Mais Câmara Municipal

São origem da marabunta

Numa cidade só de mal

Onde o bem era o preceito

Sardinheiras na varanda

Agora queimam a eito

A vida de quem cá anda

13 thoughts on “Balada triste do Bairro Alto”

  1. Não tentes fingir que és má.Eu só quero ser tratado com respeito e foi por esta falta de respeito e por esta mentira que abandonei o meu lugar na Assembleia de Freguesia. Não se brinca com coisas sérias.

  2. Ó pobre gente do Bairro que quer deixar o piano de cauda no espaço público onde bem lhe apetece, se for à porta de casa, melhor. Ter um automóvel é um direito humano, e ocupar o espaço público com ele, gratuitamente, ainda mais direito é.

    Qual é a percentagem de moradores no bairro alto que tem automóvel? Em Lisboa são 30%.

    Os outros 70% não estarão satisfeitos de não terem que andar a fazer ziguezagues por entre as caixas de metal?

    Quanto espaço seria necessário se cada morador quisesse por o carro por perto. Façamos por menos. Um carro por fogo.

    São 3000 fogos. 3000 automóveis estacionados nas ruas do bairro alto.

    Seria um bairro lindíssimo.

    Nos tempos do Bairro que recorda com saudade, jcf, quantos automóveis havia por lá estacionados em cima dos passeios ?

    Finalmente há um executivo camarário a tentar pôr a polícia municipal e a EMEL a funcionar. Já não era sem tempo da maior parte dos Lisboetas (os que não têm carro) serem servidos.

  3. Não façam demagogia : eu apenas acuso os Sapadores de anularem lugares junto a muros onde não há nem portas nem janelas: muro dos Calafates, muro das Irmãs de S. Pedro de Alcantara e respirador dum prédio da Travessa de S. Pedro que dá para a Rua dos Mouros. Não me venham com tretas – eu não defendo estacionamento em passeios. Os muros são outra coisa, não são casas…

  4. Espero que tenhas percebido que estamos a lidar com gente terrível, gente que faz tudo ao contrário: os bombeiros são maus, a junta não defende os moradores, a câmara finge que depende dos bombeiros – quando é o contrário. Isto é um Tarrafal e a Brigada Brava é a Polícia Municipal. Topas???

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.