Balada do mapa de Alfama

Na Rua Augusto Rosa
Vinte e sete, rés-do-chão
Uma ideia generosa
Teve a sua conclusão
Design de Sara Gama
Gravura Telmo Alcobia
O Bairro e quem o ama
Na porta da Livraria
Na janela da cidade
Entre guitarra e piano
O mapa diz a verdade
Todos os dias do ano

Nas suas cartografias
Inclui o Bairro inteiro
Chafarizes, Livrarias
O Castelo, o Mosteiro
Revelando os tesouros
Do Bairro medieval
Farmácias, Miradouros
Os Museus e a Catedral
Para quem quer ser feliz
Em Eléctrico e Autocarro
Segue as linhas dos carris
E o fumo dum cigarro

Levado na força da brisa
Entre Esquadras e Igrejas
Onde quem escreve precisa
Dos Marcos cor de cerejas
Parques de estacionamento
Multibanco, seus cartões
Completa-se o documento
No Metro com as estações
Da Feira da Ladra ao Tejo
Do Terreiro do Paço à Graça
Este mapa traz um beijo
Ao olhar de quem passa

10 thoughts on “Balada do mapa de Alfama”

  1. Obrigado Edie, pela leitura. Obrigado Valupi pela rectificação do erro ortográfico. Obrigado Fabula Urbis pelo mapa. Obrigado Sara Gama e Telmo Alcobia pelos desenhos e ilustrações.

  2. Eu, que só sei dizer mal de tudo e mais alguma coisa, acho que esta balada do Zé está muito boa. Notei foi a ausência dum verso ou dois sobre o cheiro da sardinha assada e do manjerão.

    Toute aber,

    Não chames JFK ao Zé, ele não é católico, é márxio.

  3. Hi Giroflé,

    Pois, eu chamo-lhe JFK carinhosamente, mas olha que ele não me responde. Achas que é amigo do valupi e se concertaram na greve do silêncio?

    Tu como sempre, em forma!

  4. Meu Caro Luis Eme a questão é que só Alfama não envolve toda a Lisboa embora não me custe a reconhecer que depois de 44 anos de Lisboa já sou um bocado lisboeta e já sinto a cidade como minha. Não me custa ver (em termos de História, Património, Vida, Tradição, Ambiente, Panoramas) o espaço de Alfama como paradigma da Cidade. Mas este poema é só o louvor de um mapa.

  5. bem giro! Tudo. Já estou a ver é que ainda nos cruzamos tod@s por aqui. Agora não sei como vai ser para marcar encontro.

    Deixa cá experimentar fazer sopa de ervilhas com presunto, daquelas muito verdinhas. Mas só com uma cebola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.