Aviso ainda a tempo por causa das coisas da Cultura

Pois é, apareceram aqui no «aspirinab» uns parvalhões a tentar dizer que a Direcção Geral da Cultura não existe. É óbvio que o símbolo está na contracapa e nunca se reproduz a contracapa dum livro numa nota de leitura. Mas a título excepcional fui colocar esta no scanner.

Para quem ainda tiver dúvidas, para quem possa ter acreditado que eu me tinha enganado, aqui vai a imagem da contracapa do livro de Carlos Lobão.

Ainda a tempo por causa das coisas.

31 thoughts on “Aviso ainda a tempo por causa das coisas da Cultura”

  1. Para mim é igual ao litro que haja ou não Direcção Geral da Cultura, mas o que eu leio na “imagem da contracapa do livro do Carlos Lobão” é Direcção Regional da Cultura.

  2. Vamos lá explicar – para mim a Direcção é Geral embora esteja integrada num Governo Regional. Mas a natureza é muito mais importante do que a circunstância. Escrevo em jornais dos Açores desde 1982, vai para o ar todas as semanas uma crónica minha na RDP Açores, sou amigo pessoal do representante do Governo Regional em Lisboa. Acontece que tenho o direito de pensar pela minha cabeça e para mim a natureza da Direcção é ser Geral antes de ser Regional. A partir daqui não vale a pena insistir. Só me arrependo do que não fiz, não tenho nada a esconder – por isso coloquei a contracapa do livro de Carlos Lobão.

  3. O que pode ler-se nesta contracapa é, efectivamente, Direcção Regional da Cultura. Não é pelo interesse da questão, mas pela desfaçatez deste senhor, que levado pela sua prepotência e vaidade não tem a humildade de dizer que se enganou. Pelo contrário: «… para quem possa ter acreditado que eu me tinha enganado…», escreve ele. Enganou e continua a tentar enganar, servindo-se da foto da contracapa do livro em tamanho reduzido, que não dá para fazer uma leitura capaz. O que este burro – como gosta de apelidar os comentadores – e aprendiz de vigarista esquece, são as «potencialidades» da Net. Basta clicar com o rato em cima da foto para que esta apareça de tal modo ampliada que dá para ler sem necessidade de usar óculos! Um merdas que tem a lata de escrever: «…apareceram aqui no «aspirinab» uns parvalhões…»! O maior parvalhão és tu, meu merdas, que não serves nem para pano do pó! Sê homem. pá, sê homem!

  4. Então, pões a contracapa do livro para mostrar que tens razão, que é Direcção Geral da Cultura, e agora viras o bico ao prego??? Que explicação tão esfarrapada a tua! Até dá vontade de rir – sem fugir à regra de estenderes o lençól da tua cagança, repetida e fastidiosa, a provocar vómitos. «Tenho direito de pensar pela minha cabeça», vai daí, do alto do teu trono, trocas um nome pelo outro, sem mais cerimónias! Não desarmas, pacóvio! Fica a sugestão: José do Carmo Francisco a Constituição Portuguesa é toda tua; altera de acordo com a tua cabeça, filho! E ficamos à espera que te candidates a primeiro ministro, presidente da República, enfim, o que tu quiseres. Qualquer uma das eleições, está no papo, é ou não é? Ridículo, simplesmente ridículo e lamentável…

  5. Fui eu que levantei a questão, portanto é justo declarar aqui que me rendo às evidências. Está muito claro que errei. Peço desculpa ao José do Carmo Francisco e prometo nunca mais vir aqui comentar.

  6. Frankie, pá, meu granda trambolho.Quem pensas tu que és, hein? Chamas burros aos outros, mandas-nos encolher o morango, seu parapiçamole e ousas qualificar os outros de parvos????????????? A que escola foste tu, pá? Aproveitas a coisa para te auto – promoveres. Olha, o representante do gajo que governa os Açores deve ser um trambolho igual ao César. Granda lata, pá, como se fosses amigo do rei da Cochicina, pá.Todos nos lembramos do discurso do César nos EUA, acerca da Cultura. Tás a ver a coisa? Estás mesmo? Só para te adoçar a curiosidade: já um dia te disse que te encolhesses na tua vaidade, porque nunca sabes quem te lê. Sabes que há um da Academia Brasileira de letras que se ri muito contigo? Sabes, aquele país onde és muito conhecido, dizes tu. Toma tento nessa cagança, acautela-te. Volta a fazer-te de novo, pá, segue o meu conselho. BURRO, PARVO e IGNORANTE és tu. PERCEBESTE, mas PERCEBESTE MESMO?
    O valupi, que escreve umas combinações de letras que suscitam alguma discussão, deve ser muito teu amigo, porque se fosse comigo, já te tinha posto a marchar há muito.

    Queres ser artista, escritor, poeta? Sofre primeiro. Tem vida interior. Despoja-te da tua vaidade. Gosta dos outros, gosta sobretudo de ti, e depois, então, pensa em escrever sobre sentimentos, realidade empirica, até espiritual. Sobre pessoas, natureza. O que te falta em sensibilidade, em generosidade, em garra, em humildade, enfim em artista, sobra-te em cagança, em vaidade, em anedotice.

    Cresce e aparece. Cuida do coração e depois da língua. Depois escolhes: ou falas com o coração ou falas com a língua, mas para já, não falas nem com um nem com outro. Nem croquis, te chamaria. Pede desculpa a quem ofendes e já começas por demonstrar que pelo menos sabes lavar as mãos.

  7. Ideias: parabéns! Não podia estar mais de acordo com as suas palavras. Bom texto. Para reflectir, se encontrar eco no visado, evidentemente…

  8. Este tipo começa por afirmar uma coisa que é mentira e depois tenta confirmar a mentira servindo-se de um embuste, a contracapa do livro. A seguir já nem argumenta nada em relação à contracapa que lhe servia de prova da sua afirmação, como se não tivesse publicado o post! O que é que ele pensa? Que somos parvos? Isto nem num blogue se admite. Deve haver vagas no manicómio da vaidade. Um fulano que se julga uma celebridade e não tem onde cair morto?!

  9. Este tipo a avaliar pela conversa (e pelas “editoras” que o publicam) deve pertencer ao Governo Regional (ou será “Geral”?).

  10. Na tarde chuvosa, enevoada e fria de Lisboa – Camões, Bairro Alto, Chiado –,
    o meu olhar buscava-te num corpo de mulher-menina, onde a geografia da memória se perdia entre montras vestidas de Natal e a vontade irrecusável de ir até ao bar do Peter, no Parque das Nações, tomar o meu gin tónico.
    A tristeza que me tomou ao passar no jardim do Príncipe Real, sombra de um passado de verdes luxuriantes, e a saudade dos dois girassóis assassinados por ordem da CML, deu lugar à alegria ressuscitada perante os quadros do meu amigo Rouslam Botiev. Não fui ao Peter Café Sport. Decidi voltar para casa e sentar-me ao computador. Acabava de ter uma ideia deliciosa para me livrar da bronca de dar o dito por não dito. «Escrevo em jornais dos Açores desde 1982, vai para o ar todas as semanas uma crónica minha na RDP Açores, sou amigo pessoal do representante do Governo Regional em Lisboa. Acontece que tenho direito de pensar pela minha cabeça e para mim a natureza da Direcção é ser Geral antes de Regional. A partir daqui não vale a pena insistir.»
    Comecei pelo título, delicioso, na geografia da página virtual: «AVISO AINDA A TEMPO POR CAUSA DAS COISAS DA CULTURA». Depois coloquei no post a contracapa do livro de Carlos Lobão. Aqueles parvalhões que apareceram no «aspirinab» iam engolir um a um todos os comentários que me fizeram!

    cjFrancisco

  11. SINHÃ,

    Eu não tenho nojo do meu produto castanho. É um nutriente incrivel para cerebros como o seu. Posso providenciar um pouquinho para si, mas tem que me pagar muito bem, não faço desconto. Posso fazer-lhe uma demonstração em cima da cara, para poder aquilatar da qualidade da escorrência.

    O Frankie aqui não «shita» em ninguém a não ser nele próprio, e a avaliar pelo estrago, o tipo faz merda até dizer chega. Soltura em constante soltura!

  12. Sinhã, porque tentaria irritar o teu personagem?

    Na minha balança só pesa o que quero. Tu nem pluma és.

    Mas já agora, eu nunca faço força, pá, bebo tanta água durante o dia, que aquilo que tu mandas fazer ao Frankie, sai facilmente, podendo deixar o selo na tua cara, porém, tipo tatuagem na hora…se fores castanhinha, posso dar-te produto de outra cor, para o selo te ficar bem visivel. A testa, que me dizes? Já vi que és glutona, pensas logo em abocanhar tudo, pela forma como recomendas ao frankie!

  13. Não percebo como ainda continuam a vir aqui chatear quando levaram com uma prova da vossa estupidez pela goela abaixo.
    O José do Carmo Francisco, além de grande Poeta, com p grande, é um Jornalista, com j grande, que ainda traz a tarimba do tempo em que se fazia Jornalismo a sério e sabe muito bem dar resposta à altura de quem vem aqui achimcalhar por tudo e por nada, além de ter a humildade suficiente de aprender com os erros.
    Desta vez, deu umas bengaladas valentes a quem dizia que a «Direcção Geral da Cultura» não existe. Exciste sim, senhores e a fotografia não engana.
    Um abraço José do Carmo Francisco, um grande Senhor da Poesia e do Jornalismo do nosso País.

  14. Sinhã, achas que vou linkar o que vem de ti? Poxa, se tu metes o dedo no sítio e o levas à boca, que queres que eu faça? Não te sigo, tu é que tens que te mostrar e dizer onde queres que te larguem aquilo que recomendaste ao Frankie que fizesse aos outros. Vá, despacha-te, que ainda ontem comi feijoada e a coisa promete.

  15. ai, ai.:-)

    (fazes mal – muito mal. perdes a grande oportunidade da tua vida em linkar, estou crente que para ti, numa zona altamente erógena). :-D

  16. SINHÃ,

    Ouve lá, ó género indeterminado. Já vi que crês no que queres, pois crês mas a mim pas de crença em ti. Achas que ia acreditar num género com o teu tipo de recomendações? Nem sequer te aperto a mão, fogo, deves cheirar mal como o caraças. Perdeste a oportunidade da feijoada, mas deixa estar, a sugestão está de pé, que ontem e hoje já comi marmelos e castanhas assadas! Já viste o cocktail? Aproveita pá!

  17. Curios, a resposta á Luisa Costa não foi publicada! Porque será? É que as palavrinhas da Luísa Costa receboa-as pela óptica certa.

    Frankie, chama aí um dos teus epítetos preferidos á Iluminada Senhora, por exemplo, Trambolho, e manda-a esconder o morango. Vá-se lá ver, pode ser que ela mude de opinião sobre ti, pá. Também podes chamar o avô torto da Senhora! Depois, Cara Leitora, volte aqui para continuarmos a lista de elogios ao seu grande poeta.

    Aposto que ele lhe fez um poema, daqueles sem sal e pimenta cayenne!

  18. Mais, Cara Luísa, quando chama estupidos aos que aqui escrevem e se pronunciam sobre as argoladas da poeterdice do seu grande poeta, está certamente a rever-se nos seus destinatários. Quanto a goelas, vejamos, tem uma, é? Mas pelos vistos a estupidez vem pela sua goela acima!

  19. SINHÃ,

    Arrotar, todos arrotamos, mas fogo, com classe, agora tu, deves ser uma mangueira rota e esgrouviada. Continua a mandar links, que deves precisar de exercitar os dedinhos.

  20. Sinha suspira, mas poe mascára à frente. Continua a exercitar os dedinhos, que já vi que não deves perceber grande coisa do que quer que seja, e «amandas-te« aos links da tua natureza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.