Arco de pedra

Ao terceiro arco de pedra o teu olhar

É um volume nas estantes da livraria

Livro por abrir a tua idade é um lugar

A convocar um clarim que te anuncia

Aos trinta e sete anos a idade só existe

Para quem vive de costas para os dias

O teu tempo não é um relógio triste

A marcar uma sucessão de nostalgias

O tempo é o teu olhar, o teu sorriso

Que dá títulos a livros numa estante

O tempo é o teu perfil, belo e preciso

Definido pelo teu olhar de viajante

Viagens sem sair do mesmo espaço

Livraria que é também para navegar

Ao fim do dia não mostras o cansaço

Cada livro recebe a luz do teu olhar

8 thoughts on “Arco de pedra”

  1. Gostei do que escreveste. Só gostava de saber quem esteve na base destes versos. Por mais que junte algumas peças do puzzle, não chego lá e, se calhar, nunca lá chegarei. Pode ser um ser imaginário :-P

  2. Não não se trata de um ser imaginário, trata-se de uma mulher real e verdadeira. Simplesmente o que precipitou a escrita do poema foi uma fotografia de uma livraria em 1992. Entre o arco de pedra e o canto da foto, lá está a mulher. Assim nasceu o poema que como todos os poemas procura ligar de novo aquilo que o tempo separou. Chame-se tempo. morte ou esquecimento…

  3. Ainda bem porque para fazer mal já há por ai tanta gentinha. Procuro trazer para os meus poemas alguma beleza das mulheres-meninas que tenho conhecido ao longo dos tempos. A regra é sempre a mesma: «só há uma medida para o amor, amar sem medida».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.