Academia

(poema – autógrafo para Domingos Matos)

Muitas vezes vou cedo chego primeiro
Com a fábrica de sonhos inda fechada
Ainda a relva tem a água do nevoeiro
Ainda a terra tem a frescura da geada

Chego cedo para ter tempo e perceber
A voz da terra que sobe com lentidão
Para respirar a sua postura de mulher
Em sementeiras de ternura e de paixão

Muitas vezes vou cedo chego primeiro
Aqui tudo tem mais peso, mais verdade
Nesta terra nascida dum gesto pioneiro
Secar pântanos para fazer uma herdade

Aqui se fazem as melhores sementeiras
De tudo o que é grande e é mais puro
A escola não tem muros ou fronteiras
Os alunos conjugam verbos no futuro

3 thoughts on “Academia”

  1. I like os poems de todos os senhores meus meninos,
    Iambicos, pentamétrecos, épicos de Camiões,
    Epigramátecos, madrigaje, elegíacus, alexanderinos,
    Odes horacianas e pindáricas, haikus e ritornellos.
    Mas nada bat a estrofe da vieja tabua de Fanhões,
    Quoutrora fazia doces com rodelas de chebolas
    Porque nencontrava na praça os taje marmelos
    Como aquelhos nos petos cabeludos de sus nietas tolas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.