100 Torga com Torga

Pátria

Serra!
E qualquer coisa dentro de mim se acalma…
Qualquer coisa profunda e dolorida,
Traída,
Feita de terra
E alma

Uma paz de falcão na sua altura
A medir as fronteiras:
– Sob a garra dos pés a fraga dura,
E o bico a picar estrelas verdadeiras…

Vindo de um cultor do iberismo cultural (o único iberismo legítimo e inteligente, mesmo que usualmente demasiado lírico para dar fruto — e só lírico, quando precisa igualmente de ser filosófico), pode ser poema útil para os infelizes a quem nunca explicaram o que a palavra pátria pode querer dizer. Já agora, recorde-se um comentário sharkíssimo.

6 thoughts on “100 Torga com Torga”

  1. Pois é, claudia, o rapaz é muito ecléctico.
    __

    Ana, acho que vem a propósito do Torga, mas sujeito a revisão perante provas concludentes.

  2. Ecléctico cai-me bem, embora me prefira um nadinha esotérico também.
    Na questão em apreço sou um monólito e a flexibilidade vê-se um tudo nada reduzida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.