3 thoughts on “Co-adoção: ler quem tem por função conhecer as várias realidades familiares e o que é melhor para as crianças”

  1. tss, tss, mais um tiro ao lado.

    Como ficou impecavelmente demonstrado pelo bastonario Marinho Pinto, os traumas causados pelos progenitores naturais e as suas sequelas são definitivamente sublimados pela recordação que as vitimas guardam do momento magico em que sairam da barriga da mãe natural. Isto chega sobejamente para apagar a memoria dos tabefes e violências inevitaveis, que se perdoam a quem procriou e deu à luz como deus manda.

    Ora os homosexuais não têm, nem podem ter, nada de comparavel a oferecer aos seu “filhos”, que os possa fortificar e amparar na luta contra os dissabores da vida… E não me venham com a cantiga que as homosexuais podem também dar à luz. O deslumbramento do Marinho Pinto so se explica porque os pais dele tinham concebido por vias naturais e continuavam a viver santificados pela união natural entre sexos opostos.

    Pai e mãe são a coisa mais santa que existe. Pai ou mãe desnaturados são um insulto à natureza. E a roda, como sabemos, nunca existiu. Alias, sabemos hoje com toda a certeza que o Camilo escreveu aqueles romances apenas porque era avençado pelo lobby gay…

    Boas

    PS : e também não me venham com juridismos, ou terei de vos lembrar os ensinamentos da FDL (antes do 25 de Abril) sobre a legimitimade de discriminar os “filhos naturais” (em relação aos filhos legitimos), dado não terem sido concebidos com “inter-penetração espiritual” (salvo erro, a expressão é do Soares Martinez)…

  2. Interessante perspectiva:

    Citação: «Reconhecemos hoje a falta sem fim que faz a uma criança a figura de sua mãe. Daí ser quase unânime o entendimento de que para ter um desenvolvimento harmonioso, a criança precisa de alguém a quem chame mãe, de alguém que a cuide e a ame e com quem estabeleça aquele vínculo único que a acompanhará pela vida fora.
    […]
    «Quanto aos pais, há relatos muito chocantes de sevícias, mas houve sobretudo uma enorme indiferença, e/ou sentimentos autoritários de posse, que marcaram as relações pais-filhos até à primeira metade do século XX.»

    Atenção, homomachos carentes de parentalidade, parece que a ciência oculta dos grandes números do oráculo de Lesbos começa a favorecer o feminismo antipilas. Cuidado com o fatiamento progressivo do salame, rumo às amazónias utópicas!…

  3. Confesso não ter tido paciência para ler senão na diagonal, mas, saindo um pouco das ideias básicas, notei isto: «a OMS estima que cerca de 100 milhões de raparigas tenham sido vítimas de mutilação genital».

    Terrível, sem dúvida, mas não seria conveniente acabar com a conspiração do silêncio e a discriminação sexual no que diz respeito ao barbarismo das mutilações infantis, consideradas inaceitáveis apenas quando de genitais femininos se trata?

    Vejam, por exemplo, o cartoon norueguês malandreco (anti-tradições estúpidas) que se segue: não tem referências judaicas, mas parece que as consciências não andam lá muito tranquilas. Excisão feminina, nem pensar (e bem, sublinho três vezes); agora circuncisão masculina, desnecessária e a sangue-frio (e seguida de chupadela do pénis infantil pelo rabino de serviço entre os ortodoxos), tudo bem, não há trauma nenhum para ninguém…
    Cartoon:
    http://cdn.timesofisrael.com/uploads/2013/05/12341-e1369831298759.jpg
    Descrição e interpretação:
    http://www.timesofisrael.com/norway-paper-rapped-for-anti-semitic-cartoon/

    Irá o LBST, por exemplo, pronunciar-se sobre este tipo de abuso praticado sobre as tão amadas crianças? Estou em crer que não será para já. Vejam, por exemplo, este belo texto de um tal Romeu gay:
    http://www.cameraoncampus.org/campus-programs/camera-fellowship/Israeli-Inspiration-Portuguese-Citizenship.html#.UbY9p9iP2eY

    “In 2011, the only openly gay member of parliament Portugal ever had, resigned and traveled to Israel. He would publicly post on facebook from the beaches of Tel Aviv, among other places. In 2012 and 2013 he returned to Israel for 1-month stays to lecture and do research at Hebrew University in Jerusalem, while writing about his trips and his fascination with, in his own words, Israel/Palestine. Last year, a group of leading young members of our parliament, from the Socialist Party to the Christian Democrats, officially visited Israel and happily commented on each other’s facebook pages about the interesting books about Israeli History they had bought in Herzliya. The Portuguese Secretary of State for Tourism said recently in an interview he’s fascinated with the State of Israel and that he would love to learn Hebrew. And there are even more examples of portuguese support for Israel.
    “It’s not hard to love Israel, or at least to get some sense of admiration for the country, especially for LGBT people in Portugal. One can mention the 100.000 people who participate in the Tel Aviv Pride Parade, the shelter for LGBT youngsters expelled from their homes which exists in Israel, the fact that Israel recognizes same-sex marriage, the goal of Tel Aviv municipality of becoming the #1 spot for gay tourism in the world, the gay and lesbians serving openly in the IDF, the fact that Israel has been represented at the Eurovision Song Contest two times by a transexual singer. We wish Portugal would have such a record. This list is incredibly striking for LGBT people, but similar lists can be written for multiple areas: the environment, the economy, science, etc..”

    Está a falar obviamente do ex-deputado socialista Miguel Vale de Almeida, do LBST, que de facto se demitiu da AR em 2011 para saltitar alegremente entre Lisboa e Israel…
    http://wp.miguelvaledealmeida.net/2013/03/cronica-225/

    Les belles causes se rencontrent? Curiosas estas devoções simultâneas a tão belas causas. Não é só a dra. Moreira, longe disso.

    Mais glórias portuguesas:
    http://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/168491#.UbVHP9iP2eY

    “Holocaust denial is another form of anti-Semitism which is prevalent today and must be fought, Dr. Mario Silva told Arutz Sheva. Dr. Silva, chair of the International Holocaust Remembrance Alliance, took part in the 4th conference of the Global Forum for Combating Anti-Semitism which was held in Jerusalem this week.”

    http://en.wikipedia.org/wiki/Mario_Silva

    “Mario Silva, (born June 11, 1966) is an international legal scholar and former Canadian politician. Silva served as a Canadian Member of Parliament from 2004 to 2011. […] Born in the Azores, Azores, Portugal, […] Silva was the first Portuguese-Canadian Member of Parliament. Shortly after the election, Silva came out as gay in a Toronto Star profile.(…) Silva will assume the role of the Chair the Task Force for International Cooperation on Holocaust Education, Remembrance and Research (ITF) in 2013.”

    «Portugal deu novos mundos ao mundo», não é assim que se diz? Agora dá isto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.