Christopher Hitchens


Chegou aos 62 anos e morreu.
Hesitei muito sobre se escreveria acerca deste homem brilhante, controverso, com o qual se concorda e discorda, mas cuja pena nunca gerou indiferença. Não serve de nada dizer mais do que isto, sei o que guardo do que ouvi, do que li, do que me disse aqui mesmo em Portugal. Sei, sobretudo, que há gente mais habilitada do que eu para escrever sobre este ser humano, como o escritor Salman Rushdie. O escritor condenado, escondido várias vezes em casa de Hitchens, testemunhou uma dificuldade nos serões intelectuais em que participou com outros nomes de relevo e, claro, com Hitchens: o dono do mais resistente fígado do mundo estava sempre dez passos à frente, porque pressupunha que os outros conheciam os seus pontos de partida. Não conheciam, não sabiam, não tinham lido tanto, disse Salman Rushdie numa garagalhada.
Não me interessa revisitar a lista de adjectivos atribuídos a Hitchens. Interessa-me apenas um que tenho a liberdade de constatar lendo a sua vasta obra: Hitchens era excepcional.
Há tempos, com ironia e num sorriso, disse que o chato de se estar a morrer é saber-se que a “festa” continua sem nós, mas logo acrescentou que mais aterrador é a ideia de uma “festa” eterna, com ou sem o nosso consentimento, para sempre, subjugados a um ser superior e privados da nossa razão crítica.
Hitchens morreu e com ele um pouco de todos os que, como eu, não lhe perdíamos o rasto. Mas conseguiu, numa obra que fica para além dele e para além de nós, isto: a verdadeira e mais bela eternidade.

9 thoughts on “Christopher Hitchens”

  1. “mais aterrador é a ideia de uma “festa” eterna, com ou sem o nosso consentimento, para sempre, subjugados a um ser superior e privados da nossa razão crítica.”

    realmente deve ser terrível acreditar num ser assim. e o pior é que são as religiões que criam estes crentes.

  2. hummm….cultivava um pouco o culto da personalidade (dele)…a do herói que prefere o sofrimento eterno à beatitude…Tá bem, tá no seu direito. Mas o eterno não é divino?

  3. “mais aterrador é a ideia de uma “festa” eterna, com ou sem o nosso consentimento, para sempre, subjugados a um ser superior e privados da nossa razão crítica.”

    Aterrador, de facto. Não sei como nos é possível viver com esta medonha verdade!…

    Leonor Costa pinto

  4. Pavorosa ilusão de eternidade,
    Terror dos vivos, cárcere dos mortos;
    D’almas vãs sonho vão, chamado inferno;
    Sistema de política opressora,
    Freio que a mão dos déspotas, dos bonzos
    Forjou para a boçal credulidade;
    Dogma funesto, que o remorso arraigas
    Nos ternos corações, e a paz lhe arrancas:
    Dogma funesto, detestável crença
    Que envenena delícias inocentes!

  5. mais um neoconeiro que se vai sem escrever o manual, ficam só as ameaças, à semelhança dos testículos do salmão, companheiro de quarto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.