óPtimo, não é?

Se vamos passar a escrever só (mas também sempre) os «c» e os «p» que pronunciarmos, há uma forma muito simples de conservá-los:

é passarmos a pronunciá-los sempre.

Até hoje, nunca pronunciei «espeCtadores», ou «caraCterística», como ouço tanta gente fazer. Pareceu-me parvoíce. Ah, como eu estava enganado!

17 thoughts on “óPtimo, não é?”

  1. a sério? sempre pronunciei o de característica, mas não o de espectadores… o primeiro ninguém mo tira, afianço-te. nem que mo roubem – já não aprendo. não me digas que aquele p de optarmos por uma pronúncia também é mudo.

  2. Os de caracteristica e espectador são um abre e fecha de garganta sem o qual não passo. De pacto nem vale a pena falar, apesar de na maior parte das vezes já serem mais patos que pactos. mas do tecto já há muito que me caiu o c e de optimo o p. Do baptismo já não me lembro, mas o facto vai ficar assim. Mesmo que o acto seja de facto um pacto abstracto por falta de tacto.

  3. E eu que digo espe(c)tadores, digo facto e cara(c)terística. De facto, digo ótimo mas que ótimo sem p não é tão óptimo como isso, lá isso não é.
    E depois, facto em brasileiro é fato, sendo que fato é terno e terno em português é outra coisa…
    É abstra(c)to.
    Mas os p’s e os c’s, a mim ninguém mos tira. A cada qual a sua língua. Português é português, brasileiro é brasileiro. E uguento é sem trema.
    Pô…

  4. Pesso excuse me porque não sei iscrever bem e a minha compura nao tem assentos e eu nao tive iscola alta em Portugal nem licensa de isqueiros e por iso levei uma murta que ate as unhas dos pes sarrepiaram todas e ficei sem dinheiro pra comprar cigarres e por via diso nunca mais fumei. Na America eu tive 5 anos na university do Orraio mas foi como contino depous levei faia e fu trabalhar pros camins agora tou no ritaia e quria abrir um barrum chomado co nome de Peneda porque o meu sossio é daquelas bandas mas um amigo que e de Marco de Canavezes ele dis que e do Marco de Canavezes da Carmen Miranda não e do outro ele dis que quem quer por nome de couzas destas tem que pagar royalties ao governo essa cambada de ladroaje pior que Deus nos livre. Eu so queria saber se isto e verdade se for verdade a gente muda o nome do barrum e pronte asin a modes que penedo e acabasse a mama.
    Bye bye.
    Joe deMedeios

  5. eu digo esses cês, pelo menos cá que lá fora acontecem umas coisas e logo se vê

    entretanto ó cabrão de tricheur tu não penses que me enganas, a inflacção esteve a dois por cento o tanas, e portanto venha a taxa de juro a três por cento a caminho que tu só tens tomates para mexer 0,25 de cada vez. Ou melhor: vai-te embora pá que fazes fraca figura ao pé do barbas,

    http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_digital/news.asp?section_id=20&id_news=93236

    vê lá se te mando uma curse

  6. (ui, vai recomeçar, uma fofoca do caraças, mas é tudo matéria reservada; quanto a isso do tricheur a pergunta que faço é: é óbvio que a inflacção está indexada à taxa de juro, em correlato positivo, basta ver quanto pesa a subida da prestação da casa no custo de vida das familias normais, e portanto é assim e não contrário como o pulha nos quer fazer crer; taxas de juro altas só é bom para quem tem grandes depósitos, o resto é retórica de legitimação; claro que não é linear, porque se as famílias ficam com mais dinheiro para gastar puxam pelos preços, mas aí cabe-lhes ter discernimento na escolha dos nichos; ai, adios)

  7. ai zazie, tens que me ouvir a pronunciar “espétadores” que é assim que digo. No entanto digo “caraterística”. Não pronuncio o C desta última palavra.

  8. mas tu és uma estrangeirada, claudetta. Por acaso até imagino que tenhas uma pronúncia muito engraçada. Dá sempre boa mistura. Uma das melhores é a da Jane Birkin.

  9. Imagina os americanos a imporem alterações de pronúncia e grafia aos ingleses…
    Havia de ser lindo. Se há questão em que não se lhes pode tocar é mesmo na pronúncia, ainda que eles próprios, também pronunciem tudo de forma diferente.
    “:O))

  10. é verdade, zazie, acertaste em cheio. por mais que disfarce, o sotaque trai-me. perguntam-me sempre de onde sou… e eu tento desajeitadamente dizer que sou daqui, mas esta gente não entende! grrrrrr…

  11. Peço perdão mas então… procurava a solução para esta minha confusão quando dei de caras com a palavra de vossa opinião e não pude me conter não…
    Òptimo ou ótimo meus caros? Na minha opinião não devia mudar nunca não… se o Português é a língua oficial, porque raio terá de se adaptar ao “filho e não o filho á mãe”?
    o C de característica manter-se-á cá para meu lado, pronuncio-o e soa-me maravilhosamente, tal como facto, tecto, pacto! buaaaaack!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.