Só para quem gosta de lutas na lama

Quando há sangue no ar, surge depressa a bicharada necrófaga. Desta vez, anda por aí a rabiar uma “senhora” que pretende equiparar um seu plágio descarado ao faux pas da Joana Amaral Dias. Claro que nada existe de similar entre os dois casos. A JAD teve um deslize, um momento menos feliz, c’est tout. A “Joana” do Semiramis foi apanhada a copiar parágrafos e parágrafos para depois se gabar da sua erudição. A melhor defesa que conseguiu então apresentar passava por negar a cópia de conteúdos de um site, admitindo no entanto o plágio de um ou mais livros. Como se tal fosse desculpa para o esbulho sem tino nem vergonha do trabalho alheio.
Agora, apanha boleia de um caso díspar para vomitar alguns insultos e apodar de “matilha de trogloditas” todos os que lhe toparam, e bem, a careca. Tentei responder no local próprio com um comentário. Mas começo a suspeitar que ele nunca irá ver a luz do dia. Assim, e por muito que me desagrade mexer nesta imundície, deixo a seguir o texto que deveria estar apenso ao delírio mitómano da plagiadora.


Bravo, Joana. Acabou de ganhar o prémio “desculpa esfarrapada do semestre”!
Não copiou da net, copiou de um livro. Bela, belíssima defesa. Claro que assim o plágio é desculpável :-)

Mas só se está a lembrar de partes da história. Deixe-me avivar-lhe um bocadito a memória:
“No ano passado, o matemático António Machiavelo proferiu uma palestra, intitulada ‘O Número de Ouro: Factos e Mitos’. Esta está assim resumida no site da Faculdade de Ciências do Porto:
‘O número de ouro também chamado Divina Proporção desde que Fra Luca Paccioli, sob a influência de Piero de La Francesca, escreve um livro de treze capítulos só sobre este número com desenhos de Leonardo da Vinci (o primeiro a utilizar a expressão sectia aurea), é talvez, de todos os números, o mais famoso e ubíquo.’
Agora, eis a versão da Joana: ‘O número de ouro também chamado Divina Proporção desde que Fra Luca Paccioli, sob a influência de Piero de La Francesca, escreveu um livro sobre este número com desenhos de Leonardo da Vinci (o primeiro a utilizar a expressão sectia aurea), é talvez, de todos os números, o mais famoso e ubíquo.’

Claro que foi só coincidência. Uma entre várias.
Que vergonha, senhora; mas acha que alguém com um pouco de tino vai acreditar nisso? E não se ponha em bicos de pés nem compare o seu caso ao da Joana Amaral Dias: ela teve um pequeno, ínfimo deslize, você plagiou páginas inteiras.
Olhe: no meio do seu delírio, achei especial graça à passagem das “cartas anónimas”. Como se sabe, entre nós os dois, sou mesmo eu o anónimo…
Quanto aos seus insultos raivosos, guarde-os para a sua mãezinha e para o senhor seu pai, que lhe deviam ter ensinado algumas maneiras.

PS: os que não acompanharam este sórdido mas insignificante caso, podem ler o “outro” lado da questão aqui e aqui.

17 thoughts on “Só para quem gosta de lutas na lama”

  1. Bem a velocidade com que se posta neste blog comunista, so me leva a tirar duas conclusões possiveis: ou são uns desocupados ou são funcionários publicos. Se calhar ja iam trabalhar!

  2. Melhor ainda: sou um miserável explorador da classe operária. Estou aqui a flanar ao teclado enquanto a equipagem de escravos rema.

  3. É que o discuso é sempre o mesmo, “coitada da classe operária”, se calhar ja viravam o disco, e produziam, trabalhavam. Não é ter um emprego, é ter um trabalho e TRABALHAR A SÉRIO!

  4. A «Joana» é uma jovem senhora com problemas de afirmação e que teve a chicoespertice de pensar que lhe bastava copiar uns parágrafos de onde quer que fosse para passar por culta e inteligente aos olhos dos mansos frequentadores do blogue que criou. Coisa que faz com frequência.
    Em terra de cegos, quem tem um olho é rei.
    O que ela nunca imaginou foi que a tranquilidade do seu virtual refúgio pudesse ser perturbada por inesperados visitantes do espaço exterior, mais dados à leitura e ao pensamento do que à adulação.
    Quando lhe desmontam os argumentos e lhe descobrem a careca, a senhora perde as estribeiras e desatina.
    A facilidade com que resvala para a chinelada revela um espírito grosseiro, mal escondido pela fina camada de verniz que pretende ostentar.
    Foi exposta como um ídolo com pés de barro e agora esperneia como uma danada.
    Não tem importância nenhuma. Vai-lhe acontecer o mesmo que à rã da fábula.

  5. Já há muito tempo que não ouvia dizer que os comunistas comiam criancinhas.
    Bem visto, José. You are the special one.
    Faltou-te a da injecção atrás da orelha, mas fica para a próxima.
    E não esquecer que os comunistas também matavam as plagiadoras com uma bala na nuca.

  6. O que faz falta a um espaço como este é o irmão gémeo do José Tim…
    Um comuna do antigamente para lhe infernizar a vida com passagens do livro negro do capitalismo, Campo das Letras…
    Ou então para o mandar para a Sibéria, paraíso com que ele sonha em cada noite, ou para aquele campo de férias que os amigos tém em cuba, vestindo-lhe um fato macaco cor de laranja para lhe alegrar a vida… olá manito, benvindo a bordo…

  7. Grande Joana … ehehe… obriga-vos a ler tudo o qe ela escreve .. religiosamente… pode ser que assim fique um resquício nas vossas mentes prevertoeucaliptianas…que tudo sugam ..a unica maneira de testar se realmente estes mal amados deles próprios lêem fervorosamente , verificam , conferem ..é colocar umas armadilhas .. e como eles caem como patos …

    Realmente é interessante ver como vários milhares textos de uma unica pessoa podem ser tão lidos ..e verificados … resta uma esperança .. será que fica alguma coisa ?? duvido ..mas existe a esperança de que com o tempo eles venham a compreender … obviamente não há garantias de espécie alguma ….kákáká.

    e aí ? querem ir para debaixo de agua ?

  8. Oh Luis Rainha, és um “homúnculo bisbórria”? E esse teu nick não tá com nada, quiá, quiá, quiá!!
    Que palermice pegada tudo isto…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.