7 thoughts on “Ninfa”

  1. Vejo o rigoroso cálculo da luz que atravessa a matéria já cansada e pressinto na romã o trabalho das manchas de bolor da infância de um ãmor.
    Não é isso a romã? O amor ao contrário, sem a asa do insecto que cai pela tarde e deixa a árvore carregada de tempo e da lentidão de pétalas esquecidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.