Vinte Linhas 263

O campeão «Nani» e o seu professor

Logo que terminou a transmissão televisiva do jogo Manchester United – Chelsea, o primeiro telefonema que fiz foi para o professor João Couto. Se alguém tinha sido decisivo na carreira de Luís Carlos Cunha (nome civil de «Nani») na passagem do Real para o Sporting Clube de Portugal, essa pessoa foi o professor João Couto. Contra tudo e contra todos, seguro, indiferente a desconfianças e a burocracias, respondeu sempre com esperança e convicção. João Couto tinha a vantagem de ser treinador e professor de «Nani» ao mesmo tempo. Conheceu Luís Carlos Cunha como atleta e como aluno. Conheceu a família, conheceu o seu envolvimento social, o seu bairro, as suas origens. Por isso mesmo teve artes de convencer a estrutura do futebol juvenil do Sporting a ter tempo e paciência (dois valores difíceis de obter no futebol); por isso durante largos meses «Nani» treinava mas não jogava. Foram problemas na obtenção da nacionalidade, foram dificuldades em juntar as assinaturas certas das pessoas certas, foram demoras na burocracia do Ministério da Administração Interna. Nessa altura «Nani» foi aos EUA numa viagem organizada pela jornalista Nélida Gomes exactamente porque estava mais livre de compromissos desportivos obrigatórios. Se João Couto não tivesse investido e acreditado nas qualidades de «Nani» não teríamos esta alegria pura e imensa de o ver levantar a Taça da Liga dos Campeões da Europa depois de, minutos antes, ter resgatado o falhanço de Cristiano Ronaldo com um remate certeiro no pontapé da marca de grande penalidade que não podia falhar. E não falhou. Tal como, anos atrás, o seu treinador e professor João Couto, não falhou na aposta. Eu sei, eu vi, eu estava lá, eu não esqueço.

6 thoughts on “Vinte Linhas 263”

  1. Descobrir blogs bacanas como o seu é um prazer!! Cada blog que escolho visitar sempre tem algo que me agrada muito… Gosto de praticidade, e visual diferente… Assim como este! Ler coisas interessantes e ver imagens gostosas de admirar! Parabéns!
    Abraços

  2. Caro Pedro Oliveira. Longe de mim fazer outra coisa que não referir apenas a teimosia de João Couto junto das altas esferas leoninas. Esse foi o ponto fulcral de todo o processo perante a demora burocrática. Críticas como a sua são sempre bem aceites.

  3. Não é nada, «nique» não sejas niquento. O essencial é a teimosia de João Couto perante os altos quadros leoninos, nada mais. Se eu não estivesse lá não podia contar como foi mas isso é outra situação. Não sejas maldoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.