Balanço provisório do DN

SORAIA CHAVES E O MESTRE BULGAKOV
716548637[2].jpgbegemot3[1].jpg

Normalmente indigno os meus amigos ao afirmar, com convicção, que o jornal mais bem feito, em Portugal, é o Correio da Manhã (CM). Não se trata de gostar da imprensa popular. Não é por concordar com a linha editorial. Eu acho o CM bem editado: um texto nunca tem 7000 caracteres. Os assuntos importantes são tratados de várias maneiras com várias texturas: temos notícia principal, várias caixas, infografia, pequena entrevista, etc Nota-se que é um jornal pensado em que os editores fazem o seu trabalho. Aquilo que me irrita no Público, para além da existência do José Manuel Fernandes, e no Diário de Notícias (DN) é de ter a sensação que os editores não participam com os jornalistas na discussão da melhor forma de dar valor acrescentado a uma notícia.
A recente mudança no DN deu-me esperança que o jornal começava a ser melhor pensado e se estava a aproveitar decentemente a centena de profissionais que lá trabalham. Infelizmente, apesar do “fogacho” da cobertura eleitoral, parece-me que as coisas tendem a não melhorar. Parece não se perder tempo a pensar qual é a melhor maneira, a mais original, a mais motivante de contar uma história. E depois, há pouca definição dos produtos de apoio: não consigo perceber o que distingue a Notícias Sábado (NS) da Notícias Magazine, para além de na segunda revista, apesar do péssimo grafismo, se encontrar reportagens jornalísticas e na NS só haver lugar para futilidades. Os técnicos de marketing vão-me garantir que uma é masculina e outra feminina, mas isso, agora a sério, serve de pouco.
Apesar de ser jornalista há muitos anos, nunca consegui perceber um produto, dito, jornalístico que não tivesse um único assunto que fosse importante do ponto de vista informativo. Acho que a um jornalista se deve pedir que saiba interessar o leitor e que consiga contar histórias, mas uma revista não pode ser um simples amontoado de consumos e de vidas de famosos.
Houve um dono de um grupo de media que explicou que “as pessoas não queriam ver pretos, pobres e velhos e que para desgraças bastava a vida”. Um director-adjunto garantiu-me que as notícias a publicar eram aquelas que as pessoas desejavam comprar e elogiava um tablóide inglês, com enlevo, e garantia-me: “não tem uma única notícia!”
Lamento muito, não estou de acordo com o “ar do tempo”. Acho aliás que já estivemos muito melhor. A SIC já deu informação muito a sério. O Independente no tempo da Constança Cunha e Sá tinha um grande caderno de reportagem e o Público e a revista do Expresso já foram muito melhores.
Exemplo dessa nova ideologia bacoca, do jornalismo pensado para o que supostamente o público gosta, é a nova revista do DN, ao Sábado, a NS. Vejamos o cardápio: Perfil de Soraia Chaves, o serão do Ministro da Economia, o dono do Majestic, uns tipos que atiram discos na praia, os consumos e gostos do Francisco José Viegas e uma reportagem, que sendo jornalismo, devia lá estar por engano: os detectives privados. A única coisa verdadeiramente positiva que soube, foi que Soraia Chaves lê a “Margarida e o Mestre” de Bulgakov. É inteligente e ganha o seu tempo a ler um grande romance do século XX. Nós, infelizmente, perdemos tempo a ler a revista do DN…Para meu consolo, nesse número fiquei a saber que o jornalista Joel Neto esvaziou a estante para colocar uma consola de computador e que diabo, o bom do Joel merecia, até já tinha dado alegrias suficientes ao pai porque, passo a citar, “não virei drogado nem militante do Bloco de Esquerda”. Depois de ler tal crónica, descobri um herói do nosso tempo. Tive a curiosidade de ir à página pessoal do Joel, a qual aconselho vivamente. No perfil disponibilizado, pelo próprio, soube que « a dignidade de Joel Neto, neste mundo em que “ tudo se vende, tudo se compra”, está em ser um “outsider”. Para o jovem açoriano, a democracia falhou, mas apesar de “as pessoas viverem como penicos embrulhados em cetim” », além de ser autor de uma rica cosmogonia, Joel Neto ainda é um homem que acredita. E de onde lhe vem essa força transcendental? O próprio esclarece-nos de uma forma telúrica: “há uma mãe grávida em cada homem capaz de suportar o parto.” Grande matéria para um próximo número da NS seria uma ecografia deste jornalista prenho de ideias…
Apesar das potencialidades científicas da descoberta, eu cá acho que, para ele e para todos leitores, mais valia ser drogado.

15 thoughts on “Balanço provisório do DN”

  1. drógado, assim com acento. e essa última frase do joele devia ser segmentada, dissecada e analisada por partes. por exemplo: quando ele fala na mãe que vive dentro de um homem capaz de suportar um parto: será a sua própria mãe? e quantas vezes ele pariu?
    por aí fora.

  2. Nuno, nao digas mal do Joel que e o melhor cronista desportivo portugues. http://www.futebolmesmo.blogspot.com/ esta na minha lista de favoritos. A quem escrevia sobre o Jose Peseiro como ele perdoa-se tudo.
    Este teu texto tem, de resto (e como sempre) ideias interessantes. Essa de o Correio da Manha ser o jornal portugues mais bem feito -es bem capaz de ter razao.

  3. Concordo com o Nuno em que o Correio da Manhã é um jornal muito melhor feito do que os restantes. Embora não goste do seu pendor político-social, das poucas vezes que peguei num Correio da Manhã, sempre fiquei agradado com o facto de todas as notícias relevantes lá estarem, e estarem tratadas de uma forma legível e agradável. Era bom que houvesse no mercado outro jornal como o Correio da Manhã, mas com um pendor mais esquerdista e sério.

    Também concordo com o Nuno sobre o péssimo grafismo da Notícias Magazine. É uma coisa que me faz pena, porque esse suplemento já foi, há uns anos atrás, muito bom. Hoje está pelas ruas da amargura, sem absolutamente nada de interessante.

  4. “não queriam” em vez de “não criam”. Caso contrário, a tua crítica ao jornalismo e seus praticantes perde todo o sentido.

  5. o Correio da Manhã é exemplarmente bom e útil na medida em que diáriamente faculta a maior quantidade de anuncios de putas da imprensa portuguesa. (e isto não é piada para os jornalistas do pasquim, porque esses até são bem menos)

  6. Também concordo que a Notícias Magazine está menos má do que a NS. O que não quer dizer k seja boa. Agora, a verdade é q tenho lá encontrado muito boas reportagens. Viram aquele artigo sobre os subúrbios? Ou outro sobre plantadores (será assim que se diz) de cannabis? Bem feitos e bem escritos… Agora da NS é raro encontrar uma coisa que prenda. É uma revista de dentista ou, na melhor das hipóteses, de cabeleireiro

  7. cheguei a esta página ao buscar informações em Português sobre o romance de Bulgakov: admirei-me da tiragem inicial de cem mil exemplares, como está registrado em outro sítio http://www.publico.clix.pt/docs/cmf/artigos/fernandoPintoDo%20Amaral.htm a propósito esta foto que ilustra o artigo foi retirada do jornal “CM”? A ilustração é da edição portuguesa do romance de Bulgakov?! – paranaense de Curitiba, ouço falar pela primeira vez de Soraya Chaves (desculpem-me os amigos portugueses)

  8. o correio da manha e o 24horas sao dos piores jornais que estão nas bancas…sao sensacionalistas…isto é para quem diz que o correio da manha é o melhor jornal…

  9. Éne yésses.

    Foi assim que li o título da NS pela primeira vez, e até hoje.
    Os “yessses” ditos e repetidos ao “boss” da revista, todos os que fossem precisos para garantirem o taco ao fim do mês a meia dúzia de “jornalistas” que, provavelmente, mereciam muito mais ao venderem-se por tão pouco. Ou talvez não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.