Discursos seguros

O discurso de abertura de António José Seguro teve todos os ingredientes de um bom discurso. Tinha que ser, aliás. Seguro sabe que a partir de sexta, acabou-se o conforto do partido, das caras conhecidas, das distritais, dos gabinetes e dos amigos. A partir de sexta, está exposto às luzes implacáveis da ribalta, de onde só sairá em glória ou desgraça. Não há meio termo. E Seguro cumpriu, ninguém o pode negar : foi um discurso inteligente, astuto, bem pensado, definidor das linhas gerais de uma estratégia politica, com um rumo para o Partido Socialista e, muito importante, críticas certeiras ao actual governo. Seria, em tempos de normalidade, um excelente discurso feito por um líder com boas qualidades.

O problema é que não vivemos tempos normais. Muito longe disso. E por isso esta estratégia, e este discurso, são claramente insuficientes para o momento que o país atravessa, e como Seguro em breve descobrirá, para o que vem aí. Foi um daqueles casos em que, para mim, o todo foi bastante menor que a soma das partes. A falta de urgência foi gritante, a falta de indignação para com a golpada – porque não há outro termo – que permitiu a subida da direita ao poder através da falência forçada do país, essa falta de indignação foi gritante. Acabou por ser o que mais me impressionou, essa aceitação, quase subserviente, às circunstâncias politicas que vivemos e de como aqui chegámos. Isto já para não falar na falta de carisma, que se tornava mais evidente a cada berro visivelmente estudado, e para ser sincero, um discurso demasiado longo mais revelador de falta de ideias claras, definidas e fortes do que de profundidade de pensamento. Mais de uma hora? Eu sei que o António José Seguro está contente por ser finalmente Califa em vez do Califa, mas caramba, via-se claramente que já ninguém o podia ouvir, e as ideias importantes, fortes e carismáticas transmitem-se em 20 minutos. E já agora: quem é que teve a magnífica ideia de relembrar a todos os socialistas, já para não falar dos restantes cidadãos, que ainda faltam mais de 1700 dias para se poder correr com este governo? Como grito de reunir as tropas, como fonte de energia e inspiração para o duro trabalho da oposição, era difícil fazer pior. Não há pressa, foi isso que se quis dizer? Isto já para não falar da banalidade absoluta de “as pessoas estão primeiro”, um slogan de instituição bancária, com o mesmo nível de sinceridade e imaginação destas. Foi mesmo o melhor que se lembraram, ou estava em saldo na Young & Rubicam?

E uma ultima coisa que me ficou na memória: eu sei que se calhar parecia bonito andar a exibir o apoio das velhas glórias fundadoras do PS, mas o que o gesto realmente transmite é uma tremenda insegurança, uma necessidade de atestado de qualidade para militante ver, e mais grave ainda, cola a imagem a tempos passados e a batalhas que já lá vão. Ser líder significa estar lá em cima sozinho, caso ainda não tenha percebido, pelo que mais vale ser o seu próprio homem, sem necessidade de se andar  a colar ao brilho dos outros. E, sinceramente,  já não estamos nos anos 80, embora a recuperação do antigo logotipo queira se calhar indicar umas tremendas saudades desse tempo. Já fui feliz aqui, não é?

Percebe-se portanto a estratégia de Seguro para ser primeiro-ministro: exactamente a mesma que o levou a secretário-geral. Trabalho de formiguinha paciente durante anos a fio, sem se expôr demasiado, sem entrar em grandes polémicas ou batalhas, evitar o desgaste prematuro, para depois esperar que o adversário caia de podre e aparecer como o salvador. De preferência o único. Pode ser que seja a estratégia correcta, que sei eu disto? Afinal, temos um governo com maioria absoluta que será protegido até ultimas consequências pelo Presidente da Republica, pelo menos enquanto o conseguir controlar. Mas temo bem que, como habitual, os acontecimentos se precipitem e apanhem Seguro totalmente desprevenido. Como a crise na União Europeia está prestes a entrar em velocidade Warp, creio que em breve descobriremos.

Como nota final sobre o que é realmente um grande discurso, revelador de um pensamento avançado, combativo, moderno, combativo, límpido, combativo, mobilizador, combativo, e com a crucial  – repito, crucial – desmontagem da narrativa dos partidos de direita (já referi a combatividade?),  fiquem com o Francisco Assis. Grande homem, grande pensador, grande orador. Subscrevo por inteiro, sem tirar nem pôr, tudo o que ele diz, de uma ponta à outra. É um dos melhores discursos que lhe tenho ouvido. Se alguma crítica lhe tenho a fazer, é só a necessidade de treinar e controlar aquela linguagem corporal e a velocidade do discurso. É que parece, aqui entre nós, que está sempre aflito para ir à casa de banho. E isso distrai um bocadinho.

14 thoughts on “Discursos seguros”

  1. desta vez não tivemos manobras de elevador, foram pela escada e o patético da cena resume-se ao bouquet de fruta-ò-chocolate exposto na mesa de reuniões no gabinete de congresso. se alguma vez for primeiro ministro vamos ter direito a imagens das retretes de são bento e das patrióticas cagadas.

  2. Dedicaste um ror de linhas a constatares um situação que se repete, e repete, e repete, no panorama europeu de “lutas” pela chefia de partidos da ronha, e com mais frequência que a subida e descida do preço da fava ou tremoço. Portanto saiste-te com tudo menos novidade. Há um ano o Seguro tinha tanto a ideia de que viria a ser aquilo se tornou como tu tinhas a de que virias a compor cuidadosamente este resumo do parlatório de apresentação às massas de mais um socialista enlatado.

    O carácter marionético dos presidentes e secretários gerais e generais de partidos é um sine qua non para a manutenção do poder pela velhas oligarquias pouco badaladas. Não aprendendo isso arriscas-te ao futuro pouco risonho de andares à mercê de tombos para ganhares o equilíbrio. O que é mau, concorda comigo.

  3. Francisco Assis representa o caso típico de inteligência e sagacidade, numa criatura feia. Nem toda a gente pode ser uma Cleópatra (nem Cleópatra era Cleópatra – aquelas figuras cunhadas nas moedas são uma deturpação abençoada da sua beleza modesta). Mas Assis podia aprender alguma coisa com José Sócrates, cujo perfume e segurança sempre seduziram mais mulheres (e gays) do que eleitores. José Seguro não tem ponto de erotismo, e todos apostamos que não sabe fazer bom sexo oral. Porque digo isto? Porque a política é ainda uma compensação sexual, um entrave semi-bélico às orgias destrutivas, e por isso deve ser pensada com sensualidade. A Assunção Esteves, por exemplo, é sáfica até dizer chega e a sua voz roufenha ainda lhe pode valer uma apreciação singular pelo povo lésbico. Há ganhos que vêm donde menos se espera. Assis tem de ter um ar mais limpo e estiloso, e de praticar algum desporto para reduzir aquela flacidez (a do corpo). As suas ideias esquerdistas ficaram na gaveta durante o governo de Sócrates – mas tirando o aborto e o casamento gay, o que é que não ficou de esquerda nas gavetas?

  4. Obrigada pelo link para o discurso que não tinha ouvido, e que pena tenho que o Assis não tenha ganho. Enfim, espero enganar-me mas a vitória do Seguro parece-me um sinal de mediocridadezinha de rabo entre as pernas. Podendo ter ideias e um projecto, optaram por essa coisa do partido ou das estruturas ou seja lá o que fôr que não percebo

  5. Assis elegeu mais elementos para a Comissão Nacional do que Seguro lhe oferecia, 31%, contra os 25% oferecidos por seguro. Assis tinha pedido 33%, correspondente a percentagem que obtivera nas directas, como condição para apresentação de uma lista única. No lugar de Seguro não estaria muito seguro.

  6. Eu cá nunca fui muito pró-seguro. Ora vamos lá fazer contas. Fui vereador de 1981 a 1983. Membro da Assembleia Municipal de 1983 a 1986. Em 1987 deixei de ser militante. Acho que o Seguro já lá andava por essas alturas. Ou não? Na Js ou coisa parecida, não? Se não andava nessa altura quando entrou? Se já andava lá em 1987 já se passaram 23 anos. Neste tempo que fez o Seguro que tenha merecido a atenção da população incluindo eu próprio visto que nesse período não fui militante. Não dei por nada. Alguém me pode explicar o que fez desde os tempos da Js? Ou se foi mais um a comer à mesa do orçamento.

  7. sim, Mário, porque chove muito – mas para o caso da analogia não interessou nada: interessou ele estar à rasquinha e o título de penico que o povo vos atribuiu. :-)

  8. EM ASSIS VEJO UM IDEAL, UMA AMBIÇÃO, UM PROJECTO. EM SEGURO SÓ VEJO RESIGNAÇÃO, SENTIDO DE ESPERA, A FRUTA HÁ-DE AMADURECER, O IMPORTANTE É ESTAR NO SITIO CERTO À HORA CERTA. E ELE ESPERA POR ESSA HORA. SEM PRESSA, CONTANDO CALMAMENTE OS DIAS, OLEANDO A MÁQUINA PARA QUE ESTA NÃO GRIPE. E O PODER HÁ-DE CHEGAR UM DIA, QUANDO CALHAR, MESMO QUE A FRUTA JÁ TENHA APODRECIDO, COMO CHEGOU A OUTROS MEDIOCRES QUE POR ELE SOUBERAM ESPERAR E QUE PUDERAM DIZER: CHEGUEI A PRIMEIRO-MINISTRO. SÓ QUE, SE ESSE DIA CHEGAR, SE O PODER LHE CAIR NO REGAÇO, NADA DE NOVO ACONTECERÁ, PORQUE LHE FALTA O TAL PROJECTO, PORQUE LHE FALTA A TAL AMBIÇÃO, PORQUE LHE FALTA O TAL IDEAL. E O PAÍS E OS PORTUGUESES, NESSE DIA, INEXORAVELMENTE, ESTARÃO MAIS POBRES, MUITO MAIS POBRES.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.