Vem aí um Estado novo

Imaginemos que conseguíamos reunir um grupo abrangente representando o escol nacional, do Adriano Moreira ao Garcia Pereira, do Marinho e Pinto ao Roberto Carneiro, do PCP ao CDS, dos sindicatos aos empresários, dos académicos aos artistas. E que lhes dávamos esta tarefa: reavaliem as funções do Estado. Quanto tempo seria adequado estabelecer para esse levantamento e reflexão, tendo em conta as três décadas passadas na construção do actual modelo e as perspectivas a respeito dos factores internacionais que irão condicionar o nosso crescimento económico? Seria um ano muito ou pouco tempo? E que tal seis meses? Mas não seriam os seis meses ridiculamente curtos tendo em conta a magnitude, complexidade e relevância do que está em causa? E que tal 5 anos, seria de mais face ao desafio ou o mínimo para que as decisões fossem fundadas na realidade e nas nossas capacidades?

Consta que Portugal vai entregar à rapaziada da Tecnoforma e das equivalências folclóricas, os mesmos que concorreram a eleições para libertarem a economia da amarra dos impostos mas que têm primeiro de despachar uns negócios antes de tratarem dessa parte, a feitura da coisa. E que vai ser rápido, uma ou duas reuniões e aparece um Estado novo prontinho a usar.

Colhe dizer que o seu à-vontade e completa ausência de pudor dizem mais de nós do que deles. Eles sabem muito bem com quem estão a lidar, os mesmos que os levaram ao pote. Os mesmos que foram avisados do que iria acontecer. Os mesmos que nada aprenderam apesar da gula pudenda ter estado obscenamente à mostra.

6 thoughts on “Vem aí um Estado novo”

  1. Era bom que deixasses de ter razão, Valupi, mas é milagre que nem a criatura esvoaçante de Fátima conseguiria realizar, parece-me a mim de que.

  2. Correcto,
    com uma boa piada à Tecnofarma*.
    Problema, é que estes, estão a completar a ‘Obra’ dos antecessores.
    Para trás, todo um leque de ‘Devoristas’, com uma bela representação de ‘soialistas’.
    A saber, a 3ª República como a nossa via original para uma “Social democracia de cariz socialista”.
    A do triunfo dos Loureiros, Varas & Coelhos, Isaltinos & Cia.
    Agora e sempre, “O Triunfo dos Porcos”.
    Somos assim, expressão do ‘louco’ VPV.
    * Mais fruto do sistema/regime que dos próprios,
    que nele nasceram, cresceram e foram formados.
    Aplica-se ao agora estudante em Paris.

  3. oh monti de merda! refunda & actualiza a lista, podes rebaptizar para “a glória dos freeporcos” e acrescenta cavaco, passos, relvas, broges e canalha associada.

  4. Dear ignatz
    Perfeitamente, admitindo onde está o Polvo:
    PR…AR…Tribunal Constitucional*, nas suas quase todas presenças.
    Não foi este que deu à Sra que pastoreia a AR,
    aos 42 anos de idade,
    uma merecida pensão de reforma?
    Se não gostas do estudante de Paris,
    podes ficar com o Beja Airport.
    Um Aerporto novo só para ti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.