Vamos lá a saber

Esta actual direita no poder é decadente não só por utilizar os eleitores como carne para o seu canhão oligárquico (mas eles gostam, pelo que têm o que querem), por não ter qualquer ideia de comunidade (para além da ideia de acabar com os pobres através do aumento da sua miséria) e por se limitar a fazer o que certos poderes estrangeiros exigem (assim conseguindo dormir descansada posto que não se responsabiliza pelas consequências das suas decisões governativas). A decadência começa a montante, por estar espelhada, e operativa, no discurso. Um discurso que não ambiciona ultrapassar as capacidades cognitivas e respectiva literacia do homo correiodamanhãpitecus nãosapiens. Quando algum pafioso abre o bocal, já sabemos que vem aí asneira da grossa.

Quais têm sido, então, os argumentos mais hipócritas, mais estúpidos e mais neofascistas que foram até agora lançados no espaço público pelos direitolas?

5 thoughts on “Vamos lá a saber”

  1. Val,
    o mais perigoso é o da tradição, porque é facilmente assimilável pela generalidade das pessoas, que tendem a associar a tradição a coisas boas e respeitáveis, esquecendo que existem, existiram e existirão tradições terríveis.
    Mas a mais estúpida é a do Arco da Governação! Os direitolas admitem no limite que o PS ainda pode governar, desde que a direita esteja pelos ajustes, habituada que estava ao radicalismo sem sentido da restante esquerda. Esta, por outro lado, apesar da retórica, parece ter aprendido, finalmente, que a aliança contra natura que serviu para derrubar o PS resultou nos quatro anos mais ruinosos que este pobre país viveu nos últimos anos.
    Ao acordar, a esquerda percebeu que poderia fazer ouvir a sua voz se deixasse os radicalismos para a direita. Esta, felizmente, ainda está atordoada com a mudança e continua sem norte mas se lhe derem tempo ela arranjará novos truques.
    Graças ao Cavaco a esquerda uniu-se, esperemos que não fraqueje com as habituais manias das suas ‘verdades absolutas’.
    Tradição era ter escravos, ter um rei ou governos de centro, centro-direita ou extrema direita. Tradição é ter touradas, bater na mulher, cuspir para o chão, mandar piropos às ‘gajas’, tratar melhor os animaizinhos do que os necessitados. Tradição deverá ser preservar o que merece ser preservado o resto são cantigas.

  2. Vai ser linda vossa queda! E ainda ficaremos livres para estar de fora a gozar o prato…

    Rumo ao tusto! HAHAHA

  3. Valupi, e essa coisa aparentemente neo inclui também os tipos nascidos a 15 de Julho de 1939 que, em 1974, já levavam 35 anos nas nalgas? E aqueles que nasceram a 12 de Dezembro de 1948 em berço tradicionalmente fascista e que, em 1974, têm no cadastro dezenas de anos de militância na Legião Portuguesa? E, por falar em tradição hobsbawmiana, ainda se incluem os tipos nascidos à beira de 20 de Fevereiro de 1973 e que, afinal, são apenas saudosistas do que não viveram? Se sim, prometo que tenho ideias fortes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.