26 thoughts on “Vamos lá a saber”

  1. Eusébio representa uma portugalidade com mais de 500 anos.
    E há muito português que julga que é mais branco que Eusébio, mas apenas é brancos dos…dentes.

    A incultura de muito europeisata portuga, nunca compreenderá “Eusébio”.

    Hoje até já a Suécia tem um avançado escuro e procuram-se explicações.

  2. Eusébio foi o português mais conhecido e mais admirado na Europa dos anos 60, pelo menos. A única vez que o vi ao vivo foi nos anos 80, num lamaçal que rodeava o velho Estádio de Alvalade. Ele ia a pé, sozinho, no meio de vagas de gente anónima, para um jogo que já não me lembro se era um Sporting-Benfica. Ninguém parecia dar por ele. O terreno, cheio de entulho das obras do Metro, obrigou-o a trepar um muro escalavrado. Parei e fiquei a vê-lo a saltitar no meio da lama e a sujar os sapatos. É o flagrante que quero guardar do grande Pérola Negra, um homem muito simples que deu tudo pelo seu clube e por Portugal. Para mim, ele simbolizou, e bem, o povo português.

  3. No geral representa a enorme importância que o povo português dá ao futebol.
    Chega a ser ridículo ver pessoas a perderem direitos a serem atirados para a miséria e quando lhes perguntas o que deseja neste ano novo…
    Que o benfica seja campeão!
    que o porto seja campeão!
    que o sporting seja campeão!

    dasse apetece me cortar os pulsos

  4. O futebol é (apenas) um espectáculo, mas Eusébio foi sempre mais do que o espectáculo que o fez famoso. Convém ter a noção do que significa nascer numa colónia, fazer parte de um grupo social que era vítima da falta de oportunidades, que era a regra para a maioria negra de Lourenço Marques — e que continua, infelizmente, a ser, no Moçambique actual.

    Apesar de tudo isso, com vontade de ferro, o jovem Eusébio triunfa, agarrando-se à única via de ascenção, na escala social, a que tinha acesso. Pelo seu talento e esforço, como virtuoso profissional do espectáculo do futebol, acedeu, ainda jovem, à fama e a glória. Mas nunca essa circunstância lhe subiu à cabeça; permanceu humilde perante as tarefas e os adversários que enfrentava em campo; mas nunca tão humilde ao ponto de não ter consciência do seu valor em campo; do valor do trabalho que executava, como ninguém. Isto ficou desde logo patente quando recusou o contrato que o Sporting lhe oferecera, por motivo de aquele clube não querer pagar aquilo que, então, a qualidade do trabalho do jogador valia.

    O primeiro-ministro, se não quer ficar conhecido por (mais um) acto de hipocrisia, deve necessariamente complementar a declaração de três dias de luto nacional com um feriado nacional extraordinário, no dia 6 de Janeiro de 2014, para permitir que os portugueses que o queram fazer se possam deslocar ao estádio a fim de prestarem a sua última homenagem a Eusébio.

  5. Eusébio a presidente.
    O outro está morto.
    Parece que representa o país, coisa que o outro não faz.
    Se a humildade é que conta… afogue-se a arrogância e a presunção do outro.

  6. Simboliza a gloria que os governantes deste país não conseguem alcançar. Alguém que simplesmente desempenhou bem o seu papel é reconhecido por isso. E isto não tem mal nhenhum. Já o eco e o aproveitamento que a CS tira deste facto e da sua morte, parece-me escandaloso e perturbador. Um sinal claro de uma manipulação feita à media, na medida do tempo que vivemos.

  7. Apesar de concordar com a distinta homenagem a Eusébio, há uma coisa que me intrigou.

    O Presidente Cavaco Silva apressou-se em fazer uma declaração ao país sobre o falecimento de Eusébio. Não me lembro de ter feito o mesmo aquando a morte do Prémio Nobel da Literatura – José Saramago.

  8. joão pft,essa estoria de ele ter recusado o sporting,por não pagar o que que o jogador merecia,peca por falta de rigor.não entro por agora em pormenores publicados nos jornais recentemente,por respeito a um homem bom.viva o rei.

  9. Sinceramente, não sei o que simboliza…
    O que eu sei é que quando se fala no Eusébio lembro-me sempre dos tremoços, se calhar deve haver uma simbologia qualquer.
    Se o Nobel da literatura teve direito a dois dias de luto nacional e a ausência do presidente da republica nas cerimónias fúnebres, é perfeitamente natural que um antigo jogador do Benfica tenha direito a três dias de luto nacional, a presença do presidente da republica, do primeiro-ministro e restante governo, cobertura nacional das rádios e televisões e ainda tolerância de ponto para poder assistir às cerimónias.
    Se isto simboliza qualquer coisa só pode ser a decadência das instituições, para não falar do seu lado mais negro.

  10. Quem quer pôr nos pratos da balança Eusébio e Saramago, é inculto, não tem memória, não sabe quem é o povo português e nem conhece a alma lusa.

  11. daqui endereço,os meus sentidos pesames ao beira-mar ,clube onde eusebio terminou a sua carreira como futebolista.

  12. Por acaso é verdade, quem conhece bem o povo português e a verdadeira alma lusa só mesmo o Reaça que é um gajo bastante culto, basta ver pelo “nick”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.