28 thoughts on “Vamos lá a saber”

  1. 1ª comprava outro povo , um que não desse chatices , que não envelhecesse nem adoecesse e que trabalhasse muito e produzisse tanto quanto eu , PM , quero gastar comigo e com os outros do partido . que merecemos ser tratados como os do tempo da outra senhora , caramba.
    2 º comprava as Seychelles , para ir de férias. a praia dos tomates já cansa.

  2. Saúde, logo a seguir auditorias a todos os Hospitais Centrais do País . Gastar 5 milhoes de euros em equipamentos e estar 2 anos à espera de licenca de utilização, com pessoas a morrer porque nao sao diagnosticados a tempo. Num País a sério penso que alguém ja estava preso.

  3. 1) Retomava o investimento a sério que se começou no passado em matéria de energias renováveis. Sócrates estava no bom caminho (como estava também no aeroporto de Alcochete e nos comboios de alta velocidade).
    2) Investia num plano de reindustrialização dando máximo apoio a empresas exportadoras e de hi-tech. Não temos que abandonar as nossas fábricas e comprar chinês. Neste momento, Portugal é o maior exportador de bicicletas na Europa, ao nível das melhores que se fazem no mundo. O New York Times falou há dias disso com admiração e inveja. Essa indústria, que esteve aqui totalmente decadente, poderia ter simplesmente desaparecido, como aconteceu com muitas outras.
    3) Investia a valer nos museus e no património cultural em geral, incluindo bibliotecas, arquivos e respectivos profissionais. A situação actual do sector é miseranda, à beira da catástrofe.
    Instituía um plano de aquisição permanente de obras de arte (portuguesa e estrangeira) para enriquecer os nossos museus. Os príncipes da Europa compraram arte durante séculos, sem imaginarem o ganho enormíssimo que os seus países iriam retirar disso no futuro. Aqui desbaratou-se o dinheiro da pimenta e do ouro do Brasil em igrejas, conventos e luxos inúteis. O Louvre, o Prado (criado por uma princesa portuguesa), o MET ou o Hermitage têm, cada um, mais visitantes e mais interessantes do que Fátima ou a Champions League.
    Investia também a valer na melhoria dos websites dos nossos museus, bibliotecas, arquivos, etc. O atraso português nesse domínio é colossal. O site do MNAA, por exemplo, é uma pobreza franciscana. O site do Museu de Lisboa, outra miséria. Não há um site português decente, de que me lembre. Nem sequer o da Gulbenkian. Nisso estamos atrasados 20 anos em relação aos espanhóis. Há a ideia provinciana de que se se expuserem as obras online com boa definição os estrangeiros não vêm cá vê-las. É o contrário!

  4. Esta será uma questão para o “grande” inconomista conhecido como o “Gomes
    das iscas” vulgo J. Gomes Ferreira da SIC que, dizem, já escreveu livros sobre esse
    tema e adjacentes!!!

  5. 1) Retomava o investimento a sério que se começou no passado em matéria de energias renováveis. Sócrates estava no bom caminho (como estava também no aeroporto de Alcochete e nos comboios de alta velocidade).

    R – então não esteve ? entregou o projecto do negócio a privados mas com garantias do estado ( ou seja, investimento sem qualquer risco e com retorno garantido, agora o povão paga a electricidade ao preço da platina, e ainda por cima ao tinhoso do patrão chinês, a utilização da matéria prima, sol, ar e água é gratis e as infraestucturas geradores tendem a ser cada vez mais baratas mas o mexia, e o novo-mexia querem sempre mais lucros, também já se produz electricidade em casa com painéis solares e o excesso é injectado na rede com o produtor doméstico a amealhar para aí uns 87.000$00 ( caso do eng. pimenta, o pimentinha do ppd ) toda a produção é vendida e portanto comprada pelo estado, se não se gastar vai para o lixo, o povo paga .
    tenho que acrescentar que essa medida dos painéis solares era dum socialismo-extremo, porque direccionada aos mais pobres dos pobres, que são quem tem dinheiro e casas para instalar tais aparatos , depois até criou um benefício fiscal em que se deduzia no todo ou em parte o montante gastro .
    para colocar a cereja no topo do bolo, proclamou no meio de um grupo de jornalistas, “portugal já é energeticamente autosuficiente”.
    sem esquecer a cena das troca das lâmpadas incndescentes por etapas, alegadamente por imposição de brusselas, as primeiras, de tubos incandescentes perdiam potencia e iam à vida num instante, já nem se fabricam porque tinham mercúrio, as segundas, de filamento economizadoras mais económicas também já foram descontinuadas, vamos nas led, mas as de tipo led-estrela também já foram proibidas, o melhor mesmo é mandar o souto moura gazer a planta da casa com uma clarabóia das que ele sabe para aproveitar a luz natural .
    em suma, o tema da ecologia transformado em negocio, socrates cagadela 1 .

    2) Investia num plano de reindustrialização dando máximo apoio a empresas exportadoras e de hi-tech. Não temos que abandonar as nossas fábricas e comprar chinês. Neste momento, Portugal é o maior exportador de bicicletas na Europa, ao nível das melhores que se fazem no mundo. O New York Times falou há dias disso com admiração e inveja. Essa indústria, que esteve aqui totalmente decadente, poderia ter simplesmente desaparecido, como aconteceu com muitas outras.

    nota prévia: se o chinês deixar . e não me parece que esteja interessado em deixar de vender.
    acho bem quanto às exportadoras de bens, mas com a alteração ao código do trabalho para que os trabalhores nacionais recebam o justo valor do seu trabalho e não sejam tratados como serventuários do estrangeiro e modern slavery .
    quanto à chamada exportação de serviços, pura e simplesmente acabava com essa balela, desde logo porque os serviços ( de restauração e hotelaria ) são prestados cá dentro, nao vão os criados la fora fazer o serviço, portanto não há exportação coisíssima nenhuma, depois, é o sector que mais cresceu e o que sempre pagou pior .
    tira lá o hi-tech porque isso cheira-me a sacar fundos ao estado para fazer star-ups e depois dar em tecno formas e vamos ao fundo em banda larga .

    3) Investia a valer nos museus e no património cultural em geral, incluindo bibliotecas, arquivos e respectivos profissionais. A situação actual do sector é miseranda, à beira da catástrofe.
    Instituía um plano de aquisição permanente de obras de arte (portuguesa e estrangeira) para enriquecer os nossos museus. Os príncipes da Europa compraram arte durante séculos, sem imaginarem o ganho enormíssimo que os seus países iriam retirar disso no futuro. Aqui desbaratou-se o dinheiro da pimenta e do ouro do Brasil em igrejas, conventos e luxos inúteis. O Louvre, o Prado (criado por uma princesa portuguesa), o MET ou o Hermitage têm, cada um, mais visitantes e mais interessantes do que Fátima ou a Champions League.
    Investia também a valer na melhoria dos websites dos nossos museus, bibliotecas, arquivos, etc. O atraso português nesse domínio é colossal. O site do MNAA, por exemplo, é uma pobreza franciscana. O site do Museu de Lisboa, outra miséria. Não há um site português decente, de que me lembre. Nem sequer o da Gulbenkian. Nisso estamos atrasados 20 anos em relação aos espanhóis. Há a ideia provinciana de que se se expuserem as obras online com boa definição os estrangeiros não vêm cá vê-las. É o contrário!

    incondicionalmente ou com ranção garantido para todo o povo socialista ?
    cheira-me a medida com cláusula “aparelhemos” .

    Passar bem

  6. esqueci-me do camboio, era um projecto top, parece que já estou a ver os regionalistas-tribalistas a reclamar um tgv para porto-gondomar e outro para porto-gaia, ambos com ligação ao estádio do cagão .
    no aeroporto de alfinete não assentava eu o rabo .

    prontes, é só.

  7. ao cuidado do Júlio : se quer a reindustrialização do país , 1º terá de investir em centros de formação de operários especializados , que em Portugal já não há há praí 20 anos….e sem ovos não temos omeletes , né? um país de “doutores ” não dá para reindustrializar. ah pois é , bebé.

  8. e 2º : terá de convencer os futuros “doutores” que com doutorices não ganham sustento e que é muito mais cool , giro , moderno e dá logo subida de estatuto social serem metalo mecanicos frezadores operadores de máquinas e essas coisas todas altamente vintage.

  9. Eu sou a 2a vaca burra a defender a 1a. Ao acabarem com as Escolas Industriais e Comerciais acabaram com os chamados técnicos. Gerações e gerações de doutores inundaram o nosso mercado de trabalho quando o que nos faltam são operários especializados. Foi das decisões menos brilhantes no que se seguiu a reestruturação do ensino que se seguiu aí 25 de Abril. Sei bem de quem foi a mãozinha que empurrou estas decisões e sei bem quem se vendeu a ir atrás porque nesse tempo estas alianças eram imprescindíveis. Estamos a pagar caro aquilo foi uma decisão sem fundamento e profundamente marcada pela suposta necessidade de alterar o que estava. Tinha sido acabada de lançar uma política de ensino que estava bem organizada. Neste momento não me lembro do nome do ME , isto foi já no fim do Estado Novo e um punhado de gente que nem sabia no que estava a mexer exigiu que essa distinção de classes que, diziam eles, se refletia no ensino tinha de acabar. Deram assim a luz a geração dos doutores.

  10. há quem tenha sódades na formação operários especializados a dar à manivela para trabalharem com máquinas de controlo numérico programadas por computador e despois arrote umas nostalgias de cenas que se aprendiam nas escolas comerciais e que hoje não servem sequer para embrulhar castanhas, mas se calhar é só falta de proletário especializado em substituição de lâmpadas fundidas das madames que de tão burras nem vacas chegam.

  11. estropiciozinho , a tua ignorância é de facto muito atrevida . ora vai lá à yazaki saltano ou a outras indústrias de cablagens , moldes , rolamentos e pergunta quais são as necessidades deles em termos de profissionais. pergunta também à tua vizinha maria quanto tempo levou a encontrar um pedreiro e qual o diploma de habilitações de construção que lhe apresentou.
    vai lavar pratos , que é só para isso que serves.

  12. e es parvo de todo , diz porque essas indústrias deslocalizaram a parte da produção para o 3º mundo ? daaaaaaaaaaaaaaaa. é por haver lá muitos doutores ou muitos operários?

  13. Ignorante é a vovózinha. Lava a cabeça dos slogans idiotas que te ensinaram. Foram idiotas iguais a ti que criaram esta situação. Já fui, não dou mais para este peditório.

  14. É por isto que eu adoro discutir seriamente neste saco de víboras sectárias. Não se aprende nada. Energias renováveis? Corrupção e energia cara pagas pelo bom povo (já dizia o Trumpa). TGV? É para Porto-Gaia. Alcochete? Cheira a cu mal lavado. Reindustrialização? Só se o chinês deixar (ignorância atrevida, não sabe que a UE sempre teve barreiras alfandegárias e anunciou muto recentemente um novo pacote de medidas contra a dependência chinesa). Investimento no património cultural? Suspeita de nepotismo socialista. Fecha a janela, dona gina, que tás com insolação pupu-lista.

  15. “… ora vai lá à yazaki saltano ou a outras indústrias de cablagens , moldes , rolamentos e pergunta quais são as necessidades deles em termos de profissionais.”

    são muitas e serão cada vez mais, quanto menos pagarem e menos investirem maior será a necessidade de mão de obra para fazer aquilo que não querem pagar em robotização, normalmente as séries de produção são diversificadas e pequenas quantidades que oneram muito os custos fixos das linhas de montagem. mas isto são cagalhões para esclarecidas como tu e a tua tia, apologistas da gestão dona maria, visão estatégica do botas para 45 anos fascismo.

    “… diz porque essas indústrias deslocalizaram a parte da produção para o 3º mundo ? ”

    mão de obra barata e não foi para o terceiro mundo, foi para a franja comunitária baratinha.

  16. ah , robots…robots que nunca avariam , né? já viste uma linha de produção ou de montagem ? eu já. aquilo nunca para , nunca entope , nunca encrava…já foste aos moldes ? soldar nem é preciso com os robots soldadores :) es mesmo cromo , se fosses do pcp expul
    as máquinas nunca se avariam , claro , no teu mundo imaginário de indústrias unicórnios com a parte da produção sem humanos…
    e não deve haver muitos centros de formação que habilitem a trabalhar na indústria pq o Cenfim , aqui na minha zona , está cheio de gente ( felizmente o povo muda primeiro que os tolos das paixões pela educação e mais tralhas avulsas , que os levaram por caminho que conduzem ao desemprego ) que vem até dos Açores.

  17. ó homem , vai fazer uma formação em buscas… reparaste quantas entradas estão centuplicadas? god , burro.
    depois de eliminares as repetições , vais e eliminas as de caracaca ( higiene e segurança , atendimento , francês , e unhas de gel ..etc .) e só no fim destas difíceis e nada óbvias operações …, quase como resolver uma matriz, é que ficas com o número aproximado ( não te esqueças que muitas já não existem , telefona para lá para saber) .
    chega como trabalho de casa ?

  18. Era para ser servida fresca ontem à noite mas agora a vileza dita que os ddt ataquem os comentadores e depois encravem o sistema antes de ir dormir, para que seja respeitado o recolher obrigatório do direito de resposta .

    Em resposta a julie :
    não contradita nada, faz um jingle, depois mais um episódio do samba do crioulo louco, faz de conta que não entende a brincadeira do trocadilho alcochete/alfinete – e sobre isto havia interesse em discutir quem iria beneficiar com os fundos comunitários para fazer as obras, as empresas concretas e os consórcios, mas depois diria que benefeceriamos todos, é o costume, resmunga por eu protestar por a energia estar cara, sem sequer querer discutir se está ao preço justo, mete pelo meio um trumpa, que eu não sei o que seja, insinua que eu referí corrupção na energia, o que é falso, conforme todos os que conseguem ler podem ir verificar, discorre impante sobre a política da UE, desconhecendo que quem mada na UE é a Alemanha, que defende bem os seus próprios interesses e tem um mercado enorme na China para onde exporta desde carros de luxo até leite, pasme-se, desde que ocorreu aquele escândalo de mixordia de leite com plástico (resina sintética) os chineses exigem leite alemão, e de igual modo não tem tempo para ver (pesquisar na net) a quantidade impressionante de grandes empresas de topo e de alta-tecnologia alemãs instaladas na China, desconhece que na Alemanha não existem chineses piolhosos como os que infestam portugal, e por último arenga aobre suspeitas de nepotismo socialista .
    Suspeita ? Não é suspeita, é certeza . Inda hoje se soube que a mulher de um que vai sair, vai entrar . Sai cabrita, entra Vitorino . E vieira da silva só não está porque a filha mariana gordinha disse que gostava muito de ir trabalhar num gabinete ministerial . São gostos socialistas ……

  19. ainda bem que explicas como lá chegar, tamém me pareceu que 140 milhões de centros de formação eram um bocadinho exagerado para o nosso país. vou consultar a tecoforma para confirmar quantos existem.

  20. não contradita nada, faz um jingle, depois mais um episódio do samba do crioulo louco, faz de conta que não entende a brincadeira do trocadilho alcochete/alfinete – e sobre isto havia interesse em discutir quem iria beneficiar com os fundos comunitários para fazer as obras, as empresas concretas e os consórcios, mas depois diria que benefeceriamos todos, é o costume, resmunga por eu protestar por a energia estar cara, sem sequer querer discutir se está ao preço justo, mete pelo meio um trumpa, que eu não sei o que seja, insinua que eu referí corrupção na energia, o que é falso, conforme todos os que conseguem ler podem ir verificar, discorre impante sobre a política da UE, desconhecendo que quem mada na UE é a Alemanha, que defende bem os seus próprios interesses e tem um mercado enorme na China para onde exporta desde carros de luxo até leite, pasme-se, desde que ocorreu aquele escândalo de mixordia de leite com plástico (resina sintética) os chineses exigem leite alemão, e de igual modo não tem tempo para ver (pesquisar na net) a quantidade impressionante de grandes empresas de topo e de alta-tecnologia instaladas na China, desconhece que na Alamanha não existem chineses piolhosos como os que infestam portugal, e por último arenga aobre suspeitas de nepotismo socialista .
    Suspeita ? Não é suspeita, é certeza . Inda hoje se soube que a mulher de um que vai sair, vai entrar . Sai cabrita, entra Vitorino . E vieira da silva só não está porque a filha mariana gordinha disse que gostava muito de ir trabalhar num gabinete ministerial . São gostos socialistas ……

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.