Vamos lá a saber

Qual é o aspecto mais relevante, ou mais do que um, na absolvição de Bruno de Carvalho em todas as acusações no caso da invasão à Academia de Alcochete?

9 thoughts on “Vamos lá a saber”

  1. O mais relevante ainda está por acontecer: a indeminização a pagar por nós todos ( estado) por mais uma incompetência dos donos disto tudo. Ainda me lembro daquela imagem da procuradora loura a interrogar um fulano da claque ….

  2. incompetência, invencionismo & irresponsabilidade. o mais grave disto tudo é o sorriso do costa, o distanciamento da ministra e o penteado da procuradora-giral ignorarem olimpicamente o fartar de vilanagem da associação sindical ventoinhas.

  3. O mais relevante é que um cidadão foi injustamente acusado e suportou custos e, no limite, perigos por esse facto.
    Em todos os sistemas judiciais há erros, mas no português há demasiados erros e demasiadamente repetitivos.

  4. O mais relevante é continuarmos todos a pagar o ordenado da Dr. Cândida Vilar, tal como pagaremos a sua aposentação (infelizmente, não compulsiva). O mais relevante é haver acórdãos da Relação de Lisboa a corroborar a qualificação do crime de Alcochete como “terrorismo” para justificar um ano de prisão preventiva para mais de 30 pessoas das quais só 9 foram condenadas a prisão efectiva (e mais devido aos antecedentes do que aos factos por cuja prática foram condenados). O mais relevante é que se queira aproveitar a absolvição de um mitómano grosseiro, que foi a julgamento sem que alguma vez fosse conhecido algum indício que o implicasse no crime de que foi acusado, para desacreditar a acusação contra um outro mitómano grosseiro contra o qual há um oceano de provas.

  5. O mais relevante no meio disto tudo seria tirarem um tempinho para ler Vigiar e Punir de Foucault . Tá lá tudo. “Democracia” o tanas, ninguém vos liga nenhuma.
    Kick out the Jams, motherfuckers!

  6. O mais relevante é continuarmos todos a pagar o ordenado da Dr. Cândida Vilar, tal como pagaremos a sua aposentação (infelizmente, não compulsiva). O mais relevante é haver acórdãos da Relação de Lisboa a corroborar a qualificação do crime de Alcochete como “terrorismo” para justificar um ano de prisão preventiva para mais de 30 pessoas das quais só 9 foram condenadas a prisão efectiva

    Subscrevo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.