Um reaccionário é um reaccionário é um reaccionário

O PCP lamenta a morte de Kim Jong-il mas não aceita participar num voto de pesar pela morte de Vaclav Havel. O ódio dos comunistas portugueses à democracia é absoluto, é ontológico. Tem por isso muito interesse ver o papel do PCP no desgaste do anterior Governo, tendo dado directo apoio ao PSD e CDS para que esta direita tomasse todo o poder. Ninguém melhor do que os fanáticos do marxismo-leninismo sabe que não há coincidências em política, só alianças e confrontos. E na era Sócrates as alianças dos reaccionários de direita com os reaccionários de esquerda eram celebradas tanto no Parlamento como no espaço público. Por exemplo, Bagão Félix chegou a promover a ideia de um psicadélico Governo PSD-CDS-PCP. Os 30 tarecos que se vestiram de branco para estarem durante a hora de almoço frente à Assembleia da República, a patética nano-manifestação “Todos pela liberdade”, vinham dos extremos ideológicos, misturando fachos reciclados com estalinistas freelancer. E quando Relvas junta na sua equipa João Gonçalves com António Figueira, sob a bênção do sectário Pedro Correia, não estamos perante um entusiasmo multiculturalista, estamos é a constatar a actualidade do velhinho adágio de que os iguais se atraem. No caso, iguais na soberba decadente.

O PCP só continua a existir porque controla os sindicatos, não por ser incansável a repetir as cassetes evangélicas. É até elogiado por esse serviço policial pelos patrões, qual autoridade institucional que garante manifestações ordeiras e negociações onde algo sempre se conquista para que tudo fique na mesma. Mas como é que os bravos revolucionários conseguem racionalizar o seu permanente boicote ao regime e a perseguição ao PS, de tal maneira que preferem aliar-se aos supostos arqui-inimigos a negociar com a esquerda democrática? A resposta deu-a recentemente Jorge Messias, quando num momento de rara descontracção publicou a fantástica visão da realidade que os comunistas portugueses partilham entre si quando entram na Soeiro Pereira Gomes e, finalmente, se sentem a salvo dos males do mundo, lá conseguindo falar em voz alta sem ser no código da clandestinidade:

A rede conspirativa que se vai instalando na terra tem claramente origem em formações capitalistas proclamadamente religiosas. Basta olhar-se para o esquema organizativo que vai chegando ao conhecimento público para nele se reconhecer a mãozinha sinuosa dos jesuítas e dos illuminati maçónicos.

[…]

Há políticas altamente complexas, como as que intervêm na crise financeira internacional, no terrorismo, nas área do gás e do petróleo, etc., que necessariamente estão a ser já coordenadas por um único governo oculto.

[…]

Dá-se como certo que na base deste tenebroso programa final figuram os sionistas, o Vaticano e a Maçonaria. Nada custa a crer que assim seja: o plano actual da Nova Era tem as marcas do «Apocalipse», das ambições planetárias ilimitadas dos grandes estados ocidentais, das alfurjas das caves do Vaticano e da Maçonaria e das tenebrosas ordens secretas, laicas ou religiosas.

Fonte

28 thoughts on “Um reaccionário é um reaccionário é um reaccionário”

  1. Muito bem !

    Ja agora, soube ontem graças a um primo meu que a secção local do Bloco de Esquerda de Baixa da Banheira solidarizou-se com o sindicato nepalês dos operarios da contrução naval, que por sua vez esta comprometido num caso grave de corrupção. Vou procurar documentação sobre o assunto e depois mando-te para o blogue para fazeres um post.

    Numa altura como esta em que escasseiam problemas a nivel nacional ou a nivel europeu, temos de ser uns p’ros outros.

    Boas

    E ja agora feliz navidad a todos

  2. Cair do poleiro ainda dói, näo é bebé?

    O PS que tivesse dado a mäo à Esquerda e ainda lá estava. Mas näo, o que o PS desejaria era fazer o que quisesse (incluindo negociar com a Troyka) e PCP e BE aplaudirem. Que conveniente.

    Mas no Tugal é assim, e por isso se vai afundando: a culpa é sempre dos outros. O PS näo tem culpa nenhuma do que sucedeu. Aliás, para o PS é bem melhor que seja outro a levar com as culpas da austeridade, porque o memorando da Troyka foi assinado só pelo PSD e CDS, NÄO FOI?

    Havel, pacifista. Täo deserto para sair do Pacto de Varsóvia, mas só para se meter na NATO. Áustria, irlanda, Suécia, Finländia näo precisam disso para ser ricos e integrados na Europa. Havel, democrata. Pois, mas de 1989 a 2003, enquanto esteve no poleiro, nunca por nunca ser se submeter ao voto popular. É a diferença para Soares, e até para Cunhal, que também lutaram conta uma ditadura.

    Havel lutou contra a ditadura, mas näo ficou por aí. Se é para louvar todos os que lutam contra ditaduras, näo me lembro dos louvores aos combatentes da ditadura portuguesa, chilena, brasileira, … por isso estou com os Verdes.

  3. Sei que não deves gostar de ouvir, Val, mas vou repetir uma vez mais, porque ainda somos um país de gente maioritariamente vergada a Deus, Patria e Familia. Este povo de que falo, que somos quase todos, aceita pacificamente o cabresto se for imposto pela Direita mais reacionária. A democracia foi para este povão um interregno e um quase sonho mau. Com naturalidade se votou no pior reacionarismo de esquerda e de direita, afinal, as duas faces da mesma moeda do paternalismo atávico.
    O passado ainda esmaga. Infelizmente, até democratas proclamados se têm deixado comprar por prato de lentilhas. Assim é dificil descolar.

  4. Estou para ver as reacções a este texto…

    Não sei até que ponto parece cínico desejar um ano bom… Mas eu desejo, Val que, na medida do (im)possível, as festas aconcheguem e o ano seja bom.

    :))))

  5. val e mário, tomem mazé uma dose brutal de alka seltzers que isso vos passa.O pcp pode ter as suas idiossincracias, mas essse texto cheira-me a vingança e raiva eleitoral, raiva de quem perdeu muito nestas eleicoes, raiva de quem gostava que o ps controlasse a esquerda ,e fosse o seu unico partido,para uma vez em governo não ser questionado.Acabou o centrismo e o social-liberalismo val.Acabou para sempre

  6. O pasquim do PCP, pela voz de um messias de pacotilha, a reabilitar os Protocolos dos Sábios do Sião!

    Da parte dessa seita de fascistas vermellhos e paranóicos, já nada me pode surpreender.

    O ódio deles, um ódio antigo e visceral, não é só à democracia, mas principalmente à liberdade. Veja-se as citações com que o messias chalado encabeça a prosa no Avante, casando o revolucionarismo cabotino de Engels com o reaccionarismo paranóico dos Protocolos, para mostrar a perfídia do liberalismo e a necessidade que o proletariado tem do Estado, não “no interesse da liberdade”, mas para “reprimir os seus adversários”.

    Os adversários do tal “proletariado” são os judeus, a Maçonaria, o Vaticano e a Wall Street. Estaline e Hitler de novo de mãos dadas contra a conspiração planetária.

    Assim é que é falar claro!

    Lá no Alto de S. João, a múmia do Cunhal deve-se ter peidado de consolação.

  7. Para além das diferenças que existem entre as seitas fanáticas rivais dos comunistas e dos nazi-fascistas, diferenças que já os fizeram exterminar-se mutuamente, eles sempre tiveram em comum o essencial ódio à liberdade e ao liberalismo.

    Entre as duas guerras mundiais, comunistas, fascistas, nazis e católicos reaccionários acordavam todos no mesmo diagnóstico: o liberalismo estava podre e era preciso dar-lhe o golpe de misericórdia. Em Portugal subscreviam essa tese Salazar (com a benção de Cerejeira) e Álvaro Cunhal, para não falar de José Carlos Rates, o fundador do PCP e futuro membro da União Nacional.

    O fanático ódio à LIBERDADE dos comunas portugueses, os últimos moicanos da seita na Europa actual, continua vivo e bem vivo. Por isso põem luto pelos Kims, por isso odiaram e odeiam de morte Vaclav Havel, Sakharov, Gorbatchov, Berlinguer, Santiago Carrillo, Mário Soares e José Sócrates.

  8. Sim, muito bem, mas foi com o PS e seus aliados na AR que Portugal se tornou uma Democracia com Falhas, segundo o barómetro da The Economist.

    Por mais voltas que se dê, o PCP ainda não pode ser responsabilizado por governar a Coreia do Norte. Tal como o PS por andar coligado com Mubarak ou com o José Eduardo dos Santos na Internacional Socialista.

  9. e depois é mentira, M-E-N-T-I-R-A, que bagão félix tivesse sugerido um governo psd, cds e pcp. o que sugeriu foi um governo psd, PS, cds e pcp.

  10. Caro Val,
    acredita que tive de ir confirmar o ‘link’ pois pensei que te tinhas enganado na quadra e julgava que era um texto carnavalesco que nos tinhas oferecido.
    O homem deve andar a ler romances a mais, acredita no Peter Pan e na fada dos dentes, jura que já viu o Pai Natal a descer por chaminés e até já deu um beijinho no encarnado nariz do Rudolph.
    As parlapatices que muitos destes tipos do PCP despejam como fossem de facto illuminati, cuja democracia se assemelha muito com a da Coreia do Norte, mistério irresolúvel até à data, pois a democracia tem na sua base o povo e não uma oligarquia dominante ( porque será que os comunistas não emigram para lá, constitui para mim um enorme mistério), que presta homenagem a um sanguinário ditador mas se recusa a prestar homenagem a quem se bateu a favor da liberdade, que se congratula com os ‘gulags’ e critica os campos de concentração, que reverencia o culto do homem mas critica a religião, que virulentamente ataca a esquerda mas que sorri envergonhada à direita.
    Um tipo de pessoas que comparava (muitos ainda o comparam) Stalin como o sol do mundo, que apoiou alianças com regimes fascistas, que deu o seu aval à invasão da Hungria, que violentamente criticou a Primavera de Praga e bateu palmas à sua invasão por forças de outro país, que bateu palmas à criação de estados fantoches como a Jugoslávia ou a Checoslováquia, que nada disse sobre as anexações dos estados bálticos contra a vontade das suas populações que se esqueceram de consultar (viva a democracia à paulada), que admirava a Alemanha de Leste, que defendia o regime de Ceausescu ou atacava o Solidariedade na Polónia, devia ter vergonha do passado de repressão a que deu e dá cobertura em nome de sacrossantas liberdades que se assemelham a grilhetas.
    Tenham vergonha, olhem para o que as páginas da história lá documentam e deixem-se de palavreado balofo. Ainda o gonçalvismo está bem vivo na memória de muitos que não esquecem as vingançazinhas, a mesquinhez e o oportunismo do PREC.
    Se quiserem umas memórias eu arranjo.

  11. Ó camarada nm, tu tens o desplante de citar o barómetro do Economist, órgão do neo-liberalismo internacional, como fonte idónea da avaliação das democracias no mundo? Levas três anos na Sibéria por isso, seu reles lacaio do imperialismo!

  12. E o que é que levou ao diktat? Foram os aliados da AR, precisamente, estás é a confundir as alianças, nm.

    (já agora, estou curiosa sobre a tua resposta à questão da M-E-N-T-I-R-A.)

  13. o pcp pode ter muitas falhas edie.Mas aqueles partidos e governos que silenciosamento foram cumplicies dos regimes tiranos do mubarak e do ben ali nao tem assim muita moral para dar e vender.Enfim, e dos negócios colm kadhafi e com o zédu então desses é melhor não falar.

  14. oh erro com defeito! não ter moral é dizer uma coisa ontém e fazer o oposto hoje. foi assim que derrubaram um governo legítimo e fabricaram outro à base de mentiras iguais às que tu para aí papagueias. é isso que te dói e te faz repetir essa conversa nhonha na esperança de um distraído que calce esse número.

  15. oh merrrrdas d’imitação! baralhas e voltas a dar, mas tás com azar no cinderelo. a questão não é quem fez negócios com, mas sim quem criticou os negócios e quando se apanhou no governo correu a fazer o mesmo.

  16. Qual é o mal de comprar petróleo ou bananas a um país qualquer e vender-lhe produtos e serviços portugueses, desde que não haja um embargo da ONU a esse país? Só um idiota ou um farsante pode achar isso censurável. Mas quando há falta de argumentos…

  17. Silva, e o fato de os outros paises serem uns regimes ditatoriais que condenam as suas populações á pobreza, nao interessa nada é?

  18. anonimo, quem fez e quem faz não me interessa nada! se este governo está a imitar o outro, pois então está igualmente errado como o outro! simple as it

  19. oh nhonhas! interessa sim, foste tu que começaste com a tanga da moral para desculpabilizar as posições avestruzas do pcp ou já não te lembras do que escreveste acima. se não melhoras a cólidade do argumentário vais ficar a falar sózinho e bem podes continuar com imitações rascas. kiss.

  20. anonimo: 1º não sou do pcp, sou de uma esquerda socialista, e não é mentira nnenhuma de que o mubarak e o ben ali faziam parte da internacional socialista.Eu sei que tás muito aziado mas é uma realidade provada.Eu sei que não gostas ouvir isto, mas eram ditadores tal como o kim il sungou ou o pinochet
    Eu a mim não me interessa se é o portas ou se e o socrates a negociar.Eu não me interessa quem negoceia.O fixe era o portas não seguir as negociatas do governo anterior.Mas não. está a fzer a mesma merda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.