4 thoughts on “Um dia triste para os pulhas”

  1. os responsáveis por esta palhaçada judicial foram o inspector teófilo santiago, o procurador joão marques vidal e o juiz antónio gomes, tudo pessoal de aveiro e com ligações a outras macacadas do género, que acabaram ou irão acabar da mesma maneira, mas que entretanto serviram para foder a vida a muita gente, portanto conviria que a mana joana abrisse um inquérito às actividades do gang da família para averiguar se se trata de reiterada incompetência expontânea ou ajuste de contas políticas encomendado pelo bolicoiso ao pai da moça. é que já cheira mal e as evidências são mais que muitas.

  2. Loulé, 25 Mai (Lusa) – Pedro Passos Coelho alertou hoje para o perigo de as actuais condições de desigualdade na sociedade portuguesa poderem levar ao aparecimento de um demagogo “que prometa o céu” e leve o país “para o precipício”.

    Falando numa sessão de esclarecimento da sua candidatura à liderança do PSD em Loulé, o ex-presidente da JSD considerou que as actuais condições sociais do país, com uma classe média depauperada e gente com dificuldade em fazer “uma refeição por dia” são “uma porta aberta ao populismo”.

    “Porquanto há democracia e cada vez mais gente que percebe que está a ficar afastada da riqueza, não é difícil aparecer um demagogo que prometa o céu à grande maioria do eleitorado, para o levar para um abismo ainda maior do que o que existe”, alertou, perante uma plateia de cerca de uma centena de militantes.

    Passos Coelho evocou números do Banco Alimentar contra a Fome, segundo os quais “o número de pessoas que precisa de assistência de alimentos duplicou em menos de um ano”, mas falou também da classe média, que “tem que pensar muito bem entre as opções lúdicas e a hipótese de comer o mesmo número de refeições por dia”.

    “Estamos a cavar uma injustiça muito grande entre a maioria e uma meia dúzia de pessoas que vivem cada vez melhor”, considerou, aduzindo a emigração para Espanha e outros países como um sinal de que “estamos a recuar 40 anos”.

    “Tecnicamente não há recessão económica, mas o fraco crescimento que estamos a ter está a induzir o país para uma crise social de que não há memória nas últimas dezenas de anos”, afirmou.

    Considerou que o Estado “não vai ter dinheiro” para acorrer a essas situações e propôs como única saída a reforma do próprio Estado, no sentido da diminuição da despesa.

    Numa referência directa à sua concorrente Manuela Ferreira Leite, disse que “não vale a pena dizermos que só baixamos os impostos quando pudermos fazê-lo”, porque “é preciso reformar o Estado para criar condições para que os impostos baixem”.

    “É obrigatório baixar os impostos e se não o fizermos não há Estado social nem democracia que resistam aos tempos que aí vêm”, disse, adiantando que quer que o Estado “funcione bem onde não pode deixar de haver Estado”.

    Numa outra alusão à ex-ministra das Finanças de Durão Barroso, Passos Coelho defendeu que “o PSD não deve fazer o mesmo que o engenheiro Sócrates” em matéria de aumento da carga fiscal.

    Recordando que, durante os debates parlamentares com José Sócrates, Pedro Santana Lopes é motivo de comparações por parte do primeiro-ministro, Coelho recordou que só ele está em condições de evitar essas alusões ao passado.

    “Eu não lhes dou nenhum pretexto pessoal para andarem sempre a recordar a nossa governação”, enfatizou, sustentando que “o que importa é o futuro”.

    Respondendo a um repto do seu mandatário regional do Algarve, Gilberto Viegas, para que se pronunciasse sobre a Regionalização, o candidato voltou a defender o referendo interno sobre a matéria, mas criticou o modelo das cinco regiões-plano.

    No curto prazo, defendeu uma descentralização baseada nas autarquias e nas associações de municípios que existem, para inverter o processo centralizador que disse ter sido posto em marcha “como nunca se tinha visto” pelo actual Governo.

    info de «lusa»

  3. oh patinhas! se gostas de velharias, vê este clássico de aldrabice nacional moderado por uma gaja alterada. passados uns tempos um foi para subsecretário de estado da cultura, nomeou outro para director do ccb, os restantes arrastam-se nos restos do regime e a gaja continua assanhada.

    http://www.tvi.iol.pt/videos/13344030

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.